A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 26 de Setembro de 2016

05/01/2015 12:09

Reinaldo diz que corte de gastos são para equilibrar economia

Leonardo Rocha
Reinaldo diz que com redução de custos, terá mais recursos para investir nas prioridades (Foto: Marcos Ermínio)Reinaldo diz que com redução de custos, terá mais recursos para investir nas prioridades (Foto: Marcos Ermínio)

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) afirmou que os quatro decretos publicados hoje (05), no Diário Oficial do Estado, são justamente para equilibrar as contas e economia e desta forma sobrar recursos para serem investidos em áreas prioritárias, como saúde, segurança e educação.

Veja Mais
Governador suspende gastos com viagens e convênios por 100 dias
Bancários completam 21 dias em greve, sem previsão para voltar ao trabalho

"Vamos continuar com este corte de gastos pelo tempo que for necessário, para gerar equilíbrio financeiro, muitos custos foram deixados como transferências para hospitais, encargos dos servidores na folha, como consignado. Iremos fechar esta conta nesta semana", ressaltou o tucano, durante visita, nesta manhã, ao Aquário do Pantanal.

Ele ponderou que com este "enxugamento de despesas", pode se ter mais recursos para investir em saúde, educação e segurança, que são suas prioridades. "Todas estas ações serão importantes, assim como o recadastramento dos seridores, para saber a origem de cada um", destacou.

Decretos - Nos decretos está a redução de 50% do salário do governador, assim como a diminuição de 20% do custeio e dos cargos comissionados em todas as secretarias do Estado.

O governador ainda estipulou um prazo de 100 dias que fica proibido diárias de viagens para fora do Estado, aquisição de passagens aéreas, participação em cursos e congressos e contratação de consultoria ou de mão de obra temporária e terceirizados. Assim como celebração de convênios que gerem despesas ou aluguel de imóveis e equipamentos.

Também ficou vedado a nomeação de aprovados em concursos no prazo de seis meses, exceto nos certames que vão encerrar o período de duração, que não podem ser prorrogados. Questionado sobre a convocação de policiais militares, Azambuja ressaltou que este caso pode ser incluído nas exceções.

"Aqueles que já estão na academia serão chamados, assim como os remanescentes, que podem entrar naquele caso de excessão, tudo vai ser avaliado com cuidado".




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions