A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 25 de Setembro de 2016

19/10/2015 14:10

Reinaldo diz que orçamento tem previsão realista sobre 2016

Leonardo Rocha
Reinaldo disse que crescimento vai ser abaixo do índice de inflação, em função da crise (Foto: Fernando Antunes)Reinaldo disse que crescimento vai ser abaixo do índice de inflação, em função da crise (Foto: Fernando Antunes)

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) afirmou que o projeto do orçamento para 2016, enviado a Assembleia Legislativa, com crescimento de 6%, se trata de um previsão realista sobre a situação econômica do país, podendo ter PIB (Produto Interno Bruto) negativo para o ano que vem. O tucano ainda disse que não existe segurança econômica por parte dos estados.

Veja Mais
Greve dos bancários chega ao 19º dia com 144 agências sem atendimento
FCO amplia acesso para empresas que faturam até R$ 16 milhões por ano

"Esperamos que o crescimento chegue a 6%, o que significa estar abaixo do índice de inflação, mas ainda precisamos esperar a situação da economia nacional, estamos fazendo uma previsão realista", disse o tucano, durante a inauguração da multinacional Leroy Merlin, em Campo Grande.

O governador ainda comentou sobre as desonerações que o governo federal cometeu, que prejudicaram estados e municípios, em relação ao IPI (Imposto Sobre Produtos Industrializados), que impactou repasses do FPE (Fundo de Participação Estadual) e FPM (Fundo de Participação dos Municípios).

"O governo federal fez benefício com chapéu alheio, o que significou perda de R$ 60 bilhões entre estados e municípios, o que provocou os problemas para recompor as finanças".

Reinaldo lembrou que o governo tucano promoveu a desoneração de R$ 250 milhões no óleo diesel, para favorecer todo o setor comercial, industrial e de produção, que atinge a população, e neste momento busca equilibrar as contas com ajuste fiscal em produtos supérfluos e outros itens.

Apesar das críticas sobre a cobrança do ITCD (Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação), o governador disse que vai manter o projeto que estipula uma faixa de isenção em imóveis até R$ 30 mil e aumenta o imposto, de acordo com o valor da propriedade.

"Se fosse em 2014, cerca de 1.700 casos seriam isentos, vamos seguir o exemplo de outros estados como São Paulo, Minas Gerais, Goiás, que seguem esta mesma lógica".

FCO amplia acesso para empresas que faturam até R$ 16 milhões por ano
Foi aprovado nesta semana pelo Ceif (Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis) do FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste) ...
Dólar comercial fecha a semana em queda e cotado a R$ 3,24
Após duas altas seguidas do dólar comercial durante a semana, a moeda norte-americana fechou nesta sexta-feira (23) cotado a R$ 3,247 na venda e com ...
Desemprego desacelara, e MS cria mais 1.077 vagas de trabalho em agosto
Mato Grosso do Sul abriu 1.077 empregos formais a mais no mês de agosto -equivalentes ao acréscimo de 0,21% -, em relação ao estoque de assalariados ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions