A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 28 de Setembro de 2016

24/03/2015 18:48

Senador Moka cobra presidente do BC sobre meta de inflação e juros altos

Daniel Machado
Moka diz que o BC aumentou os juros para conter a inflação. (Foto: Divulgação)Moka diz que o BC aumentou os juros para conter a inflação. (Foto: Divulgação)

Nesta terça-feira (24) o senador Waldemir Moka (PMDB-MS) questionou a estratégia do Banco Central e de seu presidente, Alexandre Tombini, de elevar os juros para combater a inflação.

Veja Mais
Refrigerante de erva mate e palestra foram novidades em feira de negócios
Em queda de 0,5%, dólar comercial fecha cotado a R$ 3,23 nesta terça-feira

Segundo o parlamentar, o governo utilizou a alta dos juros como argumento para conter a inflação.

"A inflação superou o teto da meta, mesmo com aumento da taxa de juros, e queria uma explicação sobre isso. Temo pelo desenvolvimento da economia", disse o peemedebista, durante audiência com o presidente do BC na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.

Moka destacou que o ideal para a economia crescer é ter juro menor, alta do PIB (Produto Interno Bruto) e inflação controlada. "Mas terminamos 2014 com PIB zero, juro alto e inflação descontrolada, o pior cenário que poderia existir", reforçou.

O senador considera que a atual equipe econômica terá condições de auxiliar o Banco Central na recuperação da economia e na redução da inflação. “É uma equipe mais bem preparada”, afirmou.

Sobre a independência do BC, Tombini disse que a "posição firme" da instituição é de que opera com autonomia de fato para decidir sobre os juros. A independência, disse ele, depende de aprovação do Congresso.

O presidente afirmou que não há improvisação em relação à autonomia operacional pelo BC. Com informações técnicas sobre a comunicação oficial do BC, Tombini rebateu os ataques do senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) de que o Copom, durante as eleições presidenciais do ano passado, se reuniu para decidir sobre a taxa de juros, "monitorada" pelo Palácio do Planalto.

Caiado acusou o BC de não agir com independência. "O BC passou a ser o elemento ligado à campanha de reeleição da presidente Dilma", criticou Caiado. Para o senador, o BC não está preocupado em resguardar a moeda brasileira da inflação e das taxas de juros.

Em reposta aos ataques do senador, de que o Copom não elevou os juros por conta das eleições, o presidente Tombini afirmou que BC "não mudou". "O que mudaram foram as circunstâncias", disse ele. Ele citou a elevação do dólar frente ao real. Por isso, destacou, a estratégia de política monetária teve que ser ajustada. Para ele, não houve "surpresas" do BC depois das eleições ao elevar a taxa de juros.

Com informações da Agência Estado. 




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions