A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

17/11/2016 09:37

Sindicato identifica 300 revendas de gás clandestinas e pede fiscalização

Renata Volpe Haddad
Segundo sindicato, são mais de 300 revendas de gás clandestinas em Campo Grande. (Foto: Marcos Ermínio)Segundo sindicato, são mais de 300 revendas de gás clandestinas em Campo Grande. (Foto: Marcos Ermínio)

Há mais de um ano investigando, o Sindicato dos Revendedores de Gás identificou mais de 300 estabelecimentos clandestinos de Campo Grande. Alguns chegam a vender o botijão por R$ 45, bem abaixo do preço de mercado praticado na Capital, que é de R$ 65. Diante da situação, o sindicato pede mais fiscalização aos órgãos públicos.

Veja Mais
Homem acaba preso ao ser flagrado furtando botijão de gás
Botijão de gás fica mais caro a partir de hoje e preço passa dos R$ 70

O presidente do Sindicato, Vilson de Lima, vê um caos instaurado no mercado campo-grandense de gás de cozinha. "Mandamos um ofício para todos os órgãos competentes, como Procon, Ibama, Corpos de Bombeiros, porque além de prejudicar os comerciantes que vendem com nota fiscal e por isso pagam impostos, essa revenda clandestina põe em risco a vida de muita gente, pois não sabemos se é realmente gás o que está sendo vendido".

Lima explica ainda que o número de clandestinos aumentou no último ano, devido a crescente taxa de desemprego. "Vemos casos mais graves em bairros mais populosos, como Moreninhas, Oliveira e Nova Lima. Porém, no jardim Santa Emília encontramos mais clandestinos e também no Estrela do Sul".

Para identificar uma venda clandestina, o consumidor precisa ficar atento ao peso do botijão, ao tipo de veículo que está sendo transportado e se o entregador está usando uniforme. "Uma empresa correta, exige do funcionário uniforme, crachá, calçados adequados. O clandestino, usa bermuda, chinelo, utiliza motocicleta e transporta o botijão em gaiolas, o que é proibido por lei. Além disso, no panfleto de divulgação, os números de contato são celulares, e o nome da suposta empresa é nome de pessoa física".

O presidente do sindicato informa ainda que o preço vendido pelos clandestinos é de R$ 45. "Isso é extremamente perigoso, pois não sabemos se é realmente gás o que é colocado no botijão, além do peso ser bem abaixo do que deveria ser, transporte irregular, sem nota fiscal e propagandas sem identificação, ou seja, não dá nenhuma garantia ao consumidor".

A superintendente do Procon/ MS, Rosimeire Cecília da Costa, afirma que investiga todas as denúncias recebidas pelo número 151 e Fale Conosco, do órgão. "Recebi o ofício do sindicato, porém, não tem os endereços para fiscalizarmos efetivamente. Sempre que tem reclamação de cheiro ou de alguma irregularidade, vamos ao local fiscalizar, mas é difícil algum consumidor reclamando de preço baixo".

Homem acaba preso ao ser flagrado furtando botijão de gás
Reinaldo Gonçalves, 36 anos foi preso em flagrante depois de furtar o botijão de gás de uma residência localizada, na rua Bataguassu, no bairro Panor...
Mangueira de botijão pega fogo, assusta morador e mobiliza bombeiros
O Corpo de Bombeiros foi acionado, no final da tarde deste domingo (3), para controlar um princípio de incêndio, no Condomínio Augusto Coelho, na Rua...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions