A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

21/05/2014 19:48

STJ decide a favor de poupadores em ação sobre planos econômicos

Mariana Lopes

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) deu ganho de causa aos poupadores que entraram com ação judicial para ter a correção monetária da caderneta de poupança durante os planos econômicos das décadas de 1980 e 1990. A decisão saiu nesta quarta-feira (21), em julgamento acirrado.

Veja Mais
Bancários entram no 25º dia de greve sem previsão de retorno ao trabalho
Com maior carga tributária do mundo, remédios consomem renda dos idosos

De acordo com informações da Folha de São Paulo, a votação foi desempatada pelo presidente do STJ, Félix Fischer. A Corte Especial decidiu que os juros de mora devem ser contados a partir da citação do banco na ação coletiva, e não a partir da execução individual da sentença, como queriam os bancos.

A decisão é referente ao questionamento do índice de correção das aplicações na caderneta de poupança. Os poupadores pedem ressarcimento dos bancos. E os ministros do STJ analisam se eles têm direito de serem ressarcidos com as perdas que alegam ter sofrido nos planos econômicos Bresser, Verão, Collor 1 e Collor 2. O julgamento está marcado para a próxima quarta-feira (28).

Ainda segundo a Folha de São Paulo, a decisão do STJ só terá efeito prático se o STF julgar que sim. Então, os bancos devem pagar correções aos poupadores relativas àqueles planos econômicos, e a quantia que os bancos terão que pagar pode chegar a R$ 341 bilhões, conforme o valor apresentado pelo Banco Central.

Segundo o Idec (Instituto de Defesa do Consumidor), caso os bancos tenham que fazer o ressarcimento, o impacto financeiro será de aproximadamente R$ 8 bilhões, e também pode interferir na correção de planos econômicos, nos reajustes de planos de saúde, além de questões como patrimônio público e até meio ambiente.

O subprocurador-geral do Banco Central, Erasto Villa Verde de Carvalho, afirmou que ainda será avaliado recurso da decisão de hoje, pois o impacto ainda pode ser modulado por meio de parcelamentos para amortecer o impacto ao sistema financeiro, segundo matéria da Folha de São Paulo.

O STJ julgou nesta tarde dois recursos, um do Banco do Brasil e um do HSBC, para discutir o momento da incidência de juros em ações coletivas ganhas pelo Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (Idec). No caso do Banco do Brasil, o placar foi de 8 a 6. No caso do HSBC, o placar foi de 8 a 7. A diferença se deve ao fato de que o ministro João Otávio de Noronha, que votou favor dos bancos, se declarou impedido no caso do Banco do Brasil.

Nos dois casos, a Justiça já havia entendido que os poupadores têm direito a diferenças de correção monetária referente ao Plano Verão (1989). As ações foram movidas em 1993 e o Idec venceu, de forma definitiva, em 2008. Principalmente a partir daí, poupadores começaram a ingressar na causa para receber as diferenças. Agora, o STJ entendeu que, nesse pagamento, os juros contam a partir da década de 1990, e não a partir do ingresso de cada poupador na ação.

 

Após duas quedas seguidas, dólar tem alta de 1,05% e fecha a R$ 3,25
Cotado a R$ 3,256 na venda, após dois dias seguidos de baixa, o dólar comercial fechou esta quinta-feira (29) com alta de 1,05%. Com isso, a moeda no...
Índice sobe 6% e Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas
Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas, sendo que 13% não terão condições de pagar suas contas. O índice medido pelo IPF/MS (Instituto de Pesqu...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions