A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

25/11/2016 16:28

Taxas indevidas e vendedor insistente estão entre os problemas da liquidação

Elci Holsback
Consumidor deve ficar atento às condições oferecidas pelas lojas (Foto: Renata Volpe)Consumidor deve ficar atento às condições oferecidas pelas lojas (Foto: Renata Volpe)

Cartazes anunciando descontos que, muitas chegam a 80% em temporada de Black Friday são de encher os olhos, mas o consumidor precisa estar atento aos detalhes por trás da oportunidade de adquirir um produto mais barato e não cair na armadilha da "black fraude", conforme orienta a superintendente do  Procon - MS, Rosimeire Cecília da Costa. É importante sempre ficar atento a cada detalhe durante as compras, sejam elas em lojas físicas ou virtuais para evitar transtornos", destaca Roseimeire.

Veja Mais
Na Capital, Black Friday não empolga, mas descontos compensam
Manhã foi tranquila e lojistas esperam black friday mais movimentada à tarde

Já no primeiro dia de promoção, há consumidor arrependido com a compra, pois, se sentiu lesado durante a liquidação. "Houve denúncia de um consumidor que efetuou sua compra on-line e se arrependeu ao perceber que o site embutia no valor pago a tarifa do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), o que não é legítimo. Neste caso, o valor do desconto proposto para aquele produto acaba alterado e não é vantajoso ao comprador", comenta.

A superintendente alerta ainda que antes de se animar a visitar os sites de promoções ou passear pelas lojas em busca de produtos mais baratos, o consumidor precisa ficar atento a informações que podem mudar o valor do produto, como juros de parcelamento, quem se responsabiliza pelo frete, no caso de compra virtual e, acima de tudo a idoneidade da loja.

"É obrigação do vendedor apresentar aos clientes de maneira clara se no caso das compras parceladas haverá juros que alteram o preço final do produto e qual será o valor da parcela. Nossa maior recomendação no ambiente virtual é para que o cliente confira o endereço do site e em cada detalhe descrito na promoção. Em caso de dúvida, procure outra página", destaca.

Aquele simpático vendedor que sempre quer mostrar um produto que o cliente nem demonstrou interesse também está agindo de maneira equivocada. Insistir para que o consumidor compre ou ao menos conheça determinado produto é errado, a equipe precisa estar bem preparada. É preciso atender bem, mas jamais induzir o cliente".

Trocas também estão previstas, independente do período de promoção, mas desde que seja por avaria do produto, o que garante 7 dias para troca mediante apresentação da nota fiscal. 

Para colaborar com a população durante esse período de liquidação, o Procon - MS divulgou uma lista de recomendações para não ser enganado no Black Friday.

- Guardar todas as notas fiscais;

- Atenção redobrada nas compras on-line. É essencial gravar as telas e todas as comunicações eventualmente realizadas, no caso das lojas virtuais; 

- Verificar a segurança do site e optar por sites com boa reputação. Antes de clicar em um link, passar o mouse em cima para verificar se o endereço que aparece na barra inferior do navegador é o mesmo;

- Para compras feitas fora do estabelecimento comercial (telefone, internet, etc), o consumidor tem um prazo de sete dias para desistir, sem precisar justificar o motivo. O prazo começa a contar a partir de seu recebimento;

- Checar sempre as condições de entrega e o valor do frete. 

A superintendente do Procon reforçou ainda que para de Mato Grosso do Sul, os consumidores tem que fazer valer a Lei nº 3.903, de 19 de maio de 2010, que obriga os fornecedores de bens e serviços localizados no Estado a fixar data e turno para a entrega dos produtos ou realização dos serviços aos consumidores. “As entregas devem ocorrer na hora e períodos estipulados pelos consumidores”, explica Rosimeire.

O suporte aos consumidores conta com pesquisa do site Reclame Aqui, também utilizada pelo Procon. Segundo o levantamento, os  brasileiros estão atentos às possíveis armadilhas das liquidações. Em 2014, a ferramenta registrou 12 mil queixas, entre fila de espera das lojas virtuais, dificuldade de finalizar compra e alteração de preço. Em 2015 o número reduziu para 4,4 mil reclamações e as principais queixas foram relacionadas à propaganda enganosa, problemas para finalizar compra e divergência de valores.

O consumidor que se sentir prejudicado pode procurar o Procon/MS, em Campo Grande, localizado na Rua Treze de Junho, 930 – Centro ou pelo telefone (67) 3316-9800.

Na Capital, Black Friday não empolga, mas descontos compensam
Movimento nas lojas do centro foi tranquilo na manhã de sexta-feira....
Água e esgoto na Capital ficam 8,47% mais caros a partir de janeiro de 2017
O serviço de água e esgoto em Campo Grande ficará 8,47% mais caro a partir do dia 3 de janeiro de 2017. O reajuste foi autorizado nesta sexta-feira (...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions