A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

24/12/2014 10:13

Trabalhadores enfrentam maratona de Natal, mas vendas são frustrantes

Aline dos Santos
A vendedora Maria Fernanda encarou  jornada ampliada de fim de ano.  (Foto: Marcos Ermínio)A vendedora Maria Fernanda encarou jornada ampliada de fim de ano. (Foto: Marcos Ermínio)
Véspera de Natal começou com pouco movimento na rua 14 de Julho. (Foto: Marcos Ermínio)Véspera de Natal começou com pouco movimento na rua 14 de Julho. (Foto: Marcos Ermínio)

A meia elástica de compressão não combina muito com a rasteirinha, mas sete anos de experiência em lojas mostraram para Maria Fernanda de Souza, 25 anos, que o modelito é o ideal para enfrentar horas e horas de trabalho. “Quase não dá tempo de sentar”, conta a vendedora da loja Eclipse, no Shopping Pantanal.

Veja Mais
Bancários entram no 25º dia de greve sem previsão de retorno ao trabalho
Com maior carga tributária do mundo, remédios consomem renda dos idosos

Contudo, a expectativa para quem trabalha na linha de frente no comércio era de que o esforço ampliado rendesse faturamento maior. Ou seja, o movimento é grande, mas as vendas frustraram. A reclamação vai da “modinha” do comércio popular a loja que vende roupas mais caras.

Entre o dia 15 de dezembro e ontem, o horário do comércio na região central foi ampliado até às 22h. “O horário é estressante, cansativo e não rendeu muito”, diz Rosimeire Marques da Silva, 41 anos. Ela é vendedora há 11 anos na loja Dunil. Para enfrentar a jornada natalina, adotou  roupas confortáveis e calçados baixos.

Para não perder venda, os trabalhadores recorreram a lanches, almoçaram por perto ou receberam jantar trazido pelos patrões.

Apesar de todo esforço, Daniela Ramalho, vendedora da loja Rosa de Saron, no Shopping Pantanal, também reclama que as vendas ficaram bem abaixo da média para o período. “Dezembro foi o inverso do esperado. Foi ruim” afirma.

Nesta quarta-feira, véspera de Natal, o comércio no Centro funciona até às 18h. No período da manhã, o cenário era de poucos clientes. Conforme a ACICG (Associação Comercial e Industrial de Campo Grande), a expectativa é aumentar as vendas de 3,5% a 4% neste fim de ano.

Após duas quedas seguidas, dólar tem alta de 1,05% e fecha a R$ 3,25
Cotado a R$ 3,256 na venda, após dois dias seguidos de baixa, o dólar comercial fechou esta quinta-feira (29) com alta de 1,05%. Com isso, a moeda no...
Índice sobe 6% e Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas
Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas, sendo que 13% não terão condições de pagar suas contas. O índice medido pelo IPF/MS (Instituto de Pesqu...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions