A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

27/01/2011 19:56

Acrissul diz que reforma acústica no parque é cara e inviável

Fabiano Arruda

“Adequação ambiental é uma fortuna”, diz Francisco Maia

Presidente da Acrissul fala durante reunião nesta tarde. (Foto: Fabiano Arruda)Presidente da Acrissul fala durante reunião nesta tarde. (Foto: Fabiano Arruda)

O presidente da Acrissul (Associação de Criadores de Mato Grosso do Sul), Francisco Maia, afirmou hoje, durante reunião realizada na sede da entidade, que uma reforma acústica para dar fim ao alto som dos shows, no Parque de Exposições Laucídio Coelho, é cara e inviável.

“A adequação ambiental (poluição sonora) é uma fortuna. A não ser que a Prefeitura de Campo Grande e o Governo do Estado ajudem. A Acrissul não tem recursos para solucionar o problema. Podemos apenas amenizar”, diz.

Uma das soluções a que Maia se refere é adequar o horário dos shows. Eventos poderiam começar e terminar mais cedo.

Francisco Maia revela que, na TAC assinada com o Ministério Público há dois anos, a Acrissul cumpriu a maioria das exigências, como realizar dois eventos por mês. “Acabamos com o Tozen e Moto Road”, exemplifica.

O mandatário da Acrissul disse também que, caso Campo Grande encontre uma casa de shows mais viável que o Parque de Exposições Laucídio Coelho, não fará oposição. “Ocorre que nossa infra-estrutura é considerada a melhor para esses tipos de evento, por conta dos muros”.

O secretário de Cultura de Campo Grande, Roberto Figueiredo, endossou a opinião de Maia. “Nós mesmos (prefeitura) fazemos o Arraial de Santo Antônio e concentração de escolas de samba” declarou, defendendo que os eventos realizados no local são “parte da cultura do povo campo-grandense”.

Manutenção de shows - O presidente da Acrissul também espera que a decisão do Ministério Público Estadual não cancele os eventos já agendados, como os shows das duplas Fernando e Sorocaba, Maria Cecília e Rodolfo, além da primeira etapa do CLC (Circuito do Laço Cumprido). “Caso contrário, o prejuízo será milionário”, teme.

Maia considera que a decisão de suspender os eventos foi infeliz. “Com a reunião de hoje, podemos perceber que essa não é uma discussão que se restringe a Acrissul, mas a toda cidade. Esperamos uma definição breve da Justiça para saber como vamos atuar”.

Expogrande – Durante a reunião de hoje, o eventual cancelamento dos shows da Expogrande 2011 foi bastante criticado. A vereadora Thaís Helena (PT) considera que “falar que Campo Grande não vai ter show na Expogrande é um absurdo”.

O empresário Carlos Roledo acredita que a Capital perde a referência nacional pela realização do evento. “Salvador é conhecido pelo Carnaval e Barretos ficou conhecida pelo rodeio. Campo Grande não pode ficar sem a Expogrande”.

“Nossa cidade é muito beneficiada por essas festas, que geram renda e economia. Precisamos encontrar uma solução”, defendeu.

Já o vereador Carlos Borges (PSB) afirma que a população dos bairros “sonha” todo ano com a chegada da Expogrande.

Para Francisco Maia, a Expogrande movimenta, ao longo do evento, as populações de Três Lagoas e Corumbá. “Então não pode acabar, pois é de Campo Grande e não dos produtores”, pontuou.

“O Almir Sater antes de ser famoso arranhou as cordas de sua viola aqui na Expogrande. Foi assim também com artistas como Luan Santana e João Bosco e Vinícius. Isso comprova a importância”, finaliza.

Publicação - Durante a reunião realizada na tarde desta quinta, o assessor jurídico da Acrissul, Márcio Torres, diz que a entidade ainda não tem conhecimento integral da decisão do Tribunal de Justiça. E que a associação vai tomar as providências cabíveis assim que obtiver conhecimento total do conteúdo.

“A Acrissul não vai medir esforços para solucionar o problema. Nosso corpo jurídico estuda o caso, com ajuda de engenheiros ambientais. Esperamos uma decisão favorável”, declarou.

Mesa - Compuseram a mesa da reunião na Acrissul o presidente da Lienca (Liga das Entidades Carnavalescas de Campo Grande), Eduardo de Souza Neto, os vereadores de Campo Grande Carlos Borges (PSB), Thaís Helena (PT), e Vanderlei Cabeludo (PMDB); o assessor jurídico da Acrissul, Márcio Torres, o presidente da entidade, Chico, Maia, além do secretário municipal de Cultura Roberto Figueiredo.




Caro ROMILDO FAGUNDES...
De que planeta você é? De território nacional você veio?
O parque de exposições é uma tradição do povo Sul Mato Grossense,é um lugar acessível a todos, os eventos promovidos lá pode ser que não agrade toda a população, mais nem por isso!
Quem escolheu morar lá sabia dos problemas que iriam enfrentar!
Agora vocês me vem reclamar sobre poluição sonora a essa altura do campeonato?
E duvido que não tenha um morador ao redor da Acrissul que já não tenha frequentado o Laucídio, e sabe que é o único lugar viável para sediar eventos de grandes portes em Campo Grande, não existe outro lugar...
Ex: Autódromo Internacional Orlando Moura, é longe, nem todos os moradores tem condições e meios de transportes.
Parque das Nações Indígenas, área preservada, PROIBIDO realizar eventos com grandes estruturas com a Expogrande.
Ou seja, onde os promotores poderão sediar os eventos?

E o sr. Jorge Antônio Dias, em que jornal o senhor leu, ouviu que o parque estava vendido para a Brookfield comprou a area?
Pelo que eu saiba foi comprado apenas o lote onde encontrava-se o estacionamento do lado de fora quando havia shows !
Portanto não fale coisas que o sr. não sabe, afinal a Acrissul é do governo, portanto uma boa parte desse território também é do governo, por tanto não pode ser vendido sem a autorização o governador.
E o sr. acha que em um lugar que é forte em vendas de gado, por sediar eventos lucrativos para o estado, melhor dizendo, para o nosso ilustre governador, e onde ele também patrocina um dos maiores eventos da cidade.
Acredito que não!!
Por tanto não cantem vitória antes da hora, pois o ano esta apenas começando e essa história ainda vai dar o que falar!
 
Kelly Corrêa em 29/01/2011 02:48:21
Sr. Maia presidente da ACRISSUl..fortuna não é o custo na estrutura acústica e sim o PREÇO DA PICANHA !!!!!, falando sério agora, vende essa área para alguma construtora e monta isso em local mais longe, o local do parque na minha época de 18 anos era podre, rodeada de casas de prostituição...a cidade cresceu, o local reordenou, multiplicou e valorizou, ta na hora de retirar essa estrutura que hj já esta mal localizada....
 
Sergio Correa em 28/01/2011 12:17:10
Quanto custa a paz ?.... milhares de pessoas sofrendo com essa poluição sonora, shows so se for se pertubação do sossego alheio. locutor de rodeio berrando de madrugada... e o cheiro horrivel das fezes e urina dos animais (saude publica)..quem gosta de cheiro é fazendeiro e peão...parque da epoca dos dinossauros...vende essa area e comprem outra de algum fazendeiro... e vão ser feliz por lá..... agora esses politicos como são oportunistas não perdem a chence de aparecer.. voces são representantes do povo e não contra eles , fora parque de exposições laucidio coelho, ja passou da hora...
 
pereira junior em 28/01/2011 12:11:45
Ontem, na tv, vi o representante da Acrissul, de olhos lacrimejantes e de nariz escorrendo, reclamando da decisão do TJ. Conheço milhares de pessoas residentes nas circunvizinhanças do parque de exposição que estão dando graças a deus.
 
Otavio Laurindo da Silva Neto em 28/01/2011 11:50:23
Que me lembre o autódromo fica próximo a BR.. Com isso sem bebida alcoolica!
VONTADE DE VIRA CRENTE E LARGAR MÃO DESTAS COISAS DE SHOW, BALADA E BEBEDEIRAS... PASSOU!
 
Rafael Moreira Correia em 28/01/2011 11:20:46
..GOSTEI DA SUGESTAO DE FAZER PERTO DO AUTODROMO....

Sr. Maia presidente da ACRISSUl..fortuna não é o custo na estrutura acústica e sim o PREÇO DA PICANHA !!!!!

Falando sério agora, vende essa área para alguma construtora e monta isso em local mais longe, o local do parque na minha época de 18 anos era podre, rodeada de casas de prostituição...a cidade cresceu, o local reordenou, multiplicou e valorizou, ta na hora de retirar essa estrutura que hj já esta mal localizada....

 
Sergio Correa em 28/01/2011 11:18:30
Ja que a reforma acustica ficara "cara e Inviável", acho boa a solução de começar mais cedo e terminar mais cedo.Mais acho que cancelar as festas e shows no Parque Laucidio Coelho, não vai melhorar nada.E que outro lugar teria para fazer essas festas??em lugares afastados?isso dificultaria algumas pessoas a ter acesso aos lugares.diminuindo assim o lucro para muita gente, que aproveita as festa para ganhar um dinheiro extra.E o Parque digamos que "já é de Campo Grande", tem a cara de CG, como se fosse um ponto turistico.
 
Pâmela Abdala em 28/01/2011 11:02:01
Senhor promotor não desista.  
 
Anderson goldiano em 28/01/2011 10:57:49
Boa idéia a do autódromo!!! Ele está subutilizado mesmo!...
 
Cristian Moraes em 28/01/2011 10:57:08
O Ministério Público deve coibir a todo custo esses abusos contra a população trabalhadora que precisa dormir para suportar uma batalha árdua de trabalho no dia seguinte e sustentar sua família.
Esse modismo estúpido e interiorano (isso sim é retrocesso!) de reunião dos "sertanejos universitários" em postos de gasolina, conveniências e até mesmo eventos públicos (Acrissul) devem acabar visando o bem estar de toda a população.
 
ricardo rodrigues em 28/01/2011 10:48:35
ÓTIMA A IDÉIA do AUTODROMO. TBM ACREDITO Q/ O MPE NÃO DEVE CEDER EM ABSOLUTAMENTE NADA. OS ORGANIZADORES DA EXPOGRANDE É Q/DEVEM SE ADAPTAR DE MANEIRA CIVILIZADA P/O BENEFICIO DE TODA POPULAÇÃO
 
ROMILDO FAGUNDES em 28/01/2011 10:12:25
Moro próximo à Acrissul, distante 1.500 metros, sinto na prática, na "pele" e em meus neurônios os problemas causados pelo som estrondoso que vem da referida instituição quando da realização de shows. Sem contar a bandidagem que circulam e praticam delitos em seu entorno. Estranho é que policiamento ostensivo só se encontra dentro do recinto e do lado de fora que é muito perigoso, onde os marginais atacam, nada de policiamento. ACORDA AUTORIDADES CAMPOGRANDENSES!!!
 
ALBERTO BARBIERO em 28/01/2011 10:10:47
MUDA PARA O AUTODROMO, AUTODROMO, FAÇA OS SHOWS MAIS CEDO A PARTIR DAS 17:00HS, A EXPOSIÇAO DOS MAQUINARIOS E LEILOES, TEM SEUS CLIENTES CERTOS. ISSO NÃO MUDA ELES VÃO ATRAZ ONDE ESTIVER. O MAIS COMPLICADO E DISPONIBILIZAR OS ONIBUS PARA OS JOVENS ....DESATIVA A ACRISSUL E FAÇA UM PARQUE COM MUITA AREA VERDE OU UMA UNIVERSIDADE , CRECHE , NO FUTURO NÃO TERÁ MAIS ESTACIONAMENTO PROXIMO AO PARQUE... A AGRISSUL SO ESTA VENDO O LADO DELA, O LADO DO PUBLICO NADA......A POPULAÇÃO CRESCE A CADA DIA... AO PARQUE NUNCA TEVE ESTA VISÃO..... AUTODROMO.......
 
Paulo Durães em 28/01/2011 09:29:47
"Reforma acústica no parque é cara e inviável".E a paz e a tranquilidade da região circunvizinha do parque custa quanto??Essas pessoas só querem saber de auferir lucro fácil sem investir um tostão, daí vem um povo e fala que tirar esses eventos é um retrocesso, que isso impede o progresso.Progresso é que eles se adequem e dêem um espaço digno para a população que frequenta o parque e os show.
Que o promotor não ceda um centímetro em sua decisão, somente assim eles investirão no espaço e cumprirão o TAC proposto.
 
Lucio Costa em 28/01/2011 08:45:15
Já passou da hora de se tirar o parque dali,quem administra são os fazendeiros e eu tenho certeza que não terão dificuldade em arrumar uma àrea mais distante do centro da cidade,mais ampla e confortável para realização de shows.
 
NILSON FRANCO DE OLIVEIRA em 28/01/2011 06:37:20
Se com o cancelamento dos shows o "prejuízo será milionário", por que a Acrissul não cumpre a lei e faz as adequações ambientais???? Fortuna é o que esses fazendeiros lucram!!! Respeito é bom e todo mundo gosta. A lei deve valer pra todo mundo. Esses fazendeiros milionários são os que pagam menos imposto (proporcionalmente, pagam menos que os pobres) e ainda querem que o governo pague a conta deles???? "Épácábá!!!"
 
Gilberto Ramos em 28/01/2011 05:08:34
DESATIVA AQUELE TRAMBOLHO, COLOCA EM UMA DAS SAÍDAS DA CIDADE; NO LOCAL DARIA UM CONDOMINIO DE LUXO. ISSO SIM É DESENVOLVER O LOCAL. IMAGINEM QUANTO DE LUCRO NÃO SERIA PARA O BAIRRO.
 
valter antunes em 28/01/2011 04:44:57
Gente a Brookfield vai construir em frente a exposição (no terreno que era estacionamento) e o preço da acrissul deve valer uma grana (se já não venderam), Qual seria a justificativa para vender? A Acrissul tem interesse de vender e outros a intenção de comprar. Não adianta o pessoal reclamar deve estar já tudo armado somente temos que entender. Só não mandem a barulheira para perto de minha casa.
 
Jorge Antônio Dias em 28/01/2011 04:42:44
acho que todos tem o direito de se divertir, desde que não ultrapasse o limite do próximo, eu moro perto da TV. Morena quando tem show no parque eu não durmo direito acordo com o braulho imagine quem mora na redondeza, pessoal só pensa em faturar não estão nem ai para o descanso dos outros, vai fazer show lá para frente do autodromo lá pode fazer algazarra que não pertuba ninguém, TJ. está certo tem que por ordem mesmo que cancelem esses shows.
 
hilibio junor em 28/01/2011 04:27:03
Francisco Maia revela que, na TAC assinada com o Ministério Público há dois anos, a Acrissul cumpriu a maioria das exigências.

Isso quer dizer que o Ministério Público já esta ha dois anos tentando solucionar este impasse, é....... Sr.Francisco Maia chegou a hora da onça beber água, isso é, a população dos bairros adjacentes enfim, gozarão da paz.........
 
Gustavo José Aidamus Rasslan em 28/01/2011 02:38:51
O que mais me chama a atenção é que construir um condomínio em area de preservação permanente, ao lado de córrego e de cachoeira (em frente ao shopping) pode! Fazer show é que é Crime Ambiental!!!
 
Wilson Passos em 28/01/2011 02:33:52
Tudo isso que esta acontecendo foi que o presidente Chico Mais, criticou o governo do Estado em relação aos gastos do governo com o Fundersul, a reunião aconteceu na segunda feira, já na quarta aconteceu tudo isso.... Ou também pode ser mera-Coincidência....
 
Joâo Fernandes em 28/01/2011 02:25:53
NÃAAAAAAAAAAAAAAOO' isso é totalemnte injusto com aa população cancela tudo ? gente que absurdo isso vai gera muiita polemica pode apostar.. na minha opnião pensar muiiito e ver as alternativas possiveis seria uma ótima saída . agora acabar com tudo isso é uma burrada das grandes , so vai desvaloriza mais ainda Campo grande =/ .
 
Andressa Sartori em 28/01/2011 01:54:27
Muito se fala em acessibilidade na capital, porém o poder público é o primeiro a não fazer sua parte: na Rua Pio Rojas entre a Mascarenhas de Moraes e Presidente Dutra, no bairro Monte Castelo, a calçada foi feita ano passado, porém na área permeável, o mato chega a 4 metros de altura e quase chega ao asfalto, tornando impossível a passagem de qualquer mortal por aquele local, pois ao lado da guia, há muito tempo tem uns 3 ônibus velhos estacionados, fazendo com que as pessoas andem no meio da rua quase na contra-mão. Se fosse na casa de um cidadão comum, este ja teria sido notificado e multado, mas como ao longo da rua se localiza os fundos de uma escola e uma delegacia, a prefeitura nada faz.
 
lyedson oliveira em 27/01/2011 08:27:05
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions