A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

14/06/2011 16:07

Após reforma, desafio do MIS é atrair público de fora do cenário cultural

Paula Vitorino

Formar uma nova geração, com o hábito de ir a museus, é estratégia da administração

Sala de amostras tem capacidade para 40 pessoas. (Foto: Marcelo Victor) Sala de amostras tem capacidade para 40 pessoas. (Foto: Marcelo Victor)
Espaço foi reformado. (Foto: Marcelo Victor)Espaço foi reformado. (Foto: Marcelo Victor)

Reinaugurado no dia 3 de maio, após investimentos de mais de R$ 300 mil, o MIS (Museu da Imagem e Som) encara o desafio de atrair o maior número de visitantes ao local, atingindo o público em geral e não só àqueles ligados a cultura ou que estão nas universidades.

“O desafio nosso, mas também de outros museus é chegar a esse público maior. O grande foco acaba ficando nas pessoas que são do meio cultural ou estudantes”, revela a gestora de artes e cultura Ivone Maria Moreira da Silva.

A gestora explica que a esperança está em formar uma nova geração, que não veja o museu como uma coisa antiga e parada.

“O adulto já vem com uma opinião formada sobre o museu. Quando vem é porque uma pessoa chamou ou tem um conhecido com exposição”, frisa.

Além da falta de costume da população em visitar museus, o horário de funcionamento do MIS - das 7h30 às 17h30 – também é outro fator que dificulta o acesso da população em geral.

“Sabemos que o horário em que o Museu está aberto é também o que a maioria das pessoas está trabalhando e, com isso, quem acaba podendo vir são os estudantes mesmo”, explica.

No primeiro mês de funcionamento, apenas cerca de 100 pessoas visitaram o espaço, segundo o livro de registro do local. Cursos, amostras culturais e palestras voltadas para determinados grupos contribuíram para o número de visitas.

Já neste mês, a administração inicia o projeto VisitaMis com o objetivo de atender grupos de escolas, universidades e do público em geral. As visitas em grupos são incentivadas, com o objetivo de propiciar a maior discussão por meio dos mediadores, que fazem as Visitações Mediadas.

Atrações - Após a reforma, o MIS conta com uma sala de exibição com 70 lugares e uma sala de amostra para 40 pessoas. O espaço também tem uma biblioteca com acervo musical e cinematográfico regional, que é aberto a consulta pública.

Desde a reinauguração, está sendo exibido a exposição audiovisual “Os Pioneiros: A Origem da Música Sertaneja de Mato Grosso do Sul”, baseada na obra do jornalista Rodrigo Teixeira.

A programação de exposições de junho começou nesta terça-feira (13) com a exibição do CineMis, que terá até o dia 17 filmes que retratam o Pantanal. As mostras acontecem todos os dias, às 14h.

Já no dia 22, acontece o “Sons do Museu”, com a presença do pesquisador Carlos Luz. Ele irá participar de um debate sobre a identidade musical de Mato Grosso do Sul. O evento começa às 19h.

Encerrando o mês, de 27 a 30 de junho acontece a oficina “Amplificadores de Cultura: Introdução ao audiovisual por meio de animação em Stop Motion”.

Está previsto a abertura de um edital para apoio a produção de curtas-metragens ainda neste mês, mas o MIS aguarda a publicação no Diário Oficial para divulgar a data.

Visitas - As visitas no loca são gratuitas e podem ser feitas de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 17h30. Para visitas em grupos e agendadas, os interessados devem ligar no telefone 3316-9178 ou enviar um email para mis.de.ms@gmail.com.

O MIS fica localizado no Memorial da Cultura e Cidadania, na Avenida Fernando Corrêa da Costa, 559, 3° andar.

Prazo para inscrever atrações no Festival de Inverno de Bonito termina hoje
Termina nesta quinta-feira (3) o prazo para os interessados em inscrever atrações culturais para a 15ª edição do Festival de Inverno de Bonito. O eve...
Projeto "Um Violão Entre Amigos" traz concerto de violonista para Campo Grande
Para encerrar o projeto “Um Violão Entre Amigos”, patrocinado pelo FIC (Fundo de Investimentos Culturais), nesta sexta-feira (20) acontece o recital ...
Último dia de desfile do Grupo Especial no Rio tem homenagem a Zico e a Senna
No segundo dia de desfile das escolas de samba que integram o Grupo Especial, o público terá uma festa que inclui homenagens a dois esportistas consa...



Brasileiro gosta mesmo é de reclamar... mesmo que abrissem aos domingos, tenho certeza que esse pessoal ia preferir ir pros altos da Afonso Pena encher a cara de cachaça e ouvir som alto em seus carrões.
 
Marcos Leopardo em 17/06/2011 02:47:17
CONCORDO PLENAMENTE COM A COLEGA ANA, SE O OBJETIVO É ATRAIR MAIS PÚBLICO, O PRIMEIRO PENSAMENTO DEVE SER O HORÁRIO ADEQUADO AOS VISITANTES TRABALHADORES.
 
FLAVIA MARTINS em 14/06/2011 09:49:19
Pô galera! Q é isso: dinheiro público investido para os servidores ficarem sentados lá esperando o povo que não vai? Abra aí pra gente entrar ou vamos acampar aí na frente e reivindicar nosso direito de usufruir o que foi pago com os nossos salários!!!!!!!!!!!!!!!!
 
Liesdon Silva em 14/06/2011 09:33:00
Ah tá, nem gastaram tanto e ainda estão fazendo corpo mole para abrir aos feriados e fins de semana. Um absurdo isso! Um super prédio bacana e cheio de atrativos e museus e o governo se limita a funcionar de segunda à sexta? que admistradores aquilo tem?
 
kim tysuki em 14/06/2011 09:30:03
Os administradores do Museu deveriam repensar os horários de funcionamento, com a possibilidade de abertura aos sábados e domingos, o que possibilitaria aos trabalhadores levarem suas famílias para um "passeio no museu", o que fica impossível com o horário de funcionamento restrito ao horário de expediente convencional. O cidadão mediano já tem tão pouco acesso à cultura, muito me admira que adotem esse horário tão restrito e incompatível com a ampliação da visitação em geral.
 
Ana Honda em 14/06/2011 06:21:07
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions