A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

28/01/2011 16:20

Ministério Público mantém-se irredutível quanto à proibição de shows

Jorge Almoas e Fabiano Arruda
Grupo foi ao MP tentar alternativa, mas não chegaram a consenso (Foto: Fabiano Arruda)Grupo foi ao MP tentar alternativa, mas não chegaram a consenso (Foto: Fabiano Arruda)

Os promotores de shows e representantes da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul) reuniram-se na tarde de hoje com o promotor Alexandre Raslan para tentar um consenso sobre a proibição da Justiça para a realização de shows no Parque de Exposições Laucídio Coelho.

No entanto, a reunião não apresentou avanços, com o Ministério Público mantendo-se irredutível sobre a proibição. “Não existe chance de consenso entre o promotor, a Acrissul e os promotores de eventos. Vamos tentar os meios judiciais para reverter essa decisão”, disse Francisco Maia, presidente da Acrissul.

Maia comentou que a reforma acústica que seria necessária é inviável por conta do custo. Uma alternativa seria adquirir outra área, em local afastado, para a realização dos shows. “Não posso vender o parque para comprar outro”, frisou o presidente.

Antes de reunir-se com os administradores do parque de exposições, o promotor Alexandre Raslan recebeu os realizadores de shows musicais e eventos, que estão preocupados por conta de compromissos firmados e pagos com artistas de renome nacional.

Os promotores conhecidos como Pitiço e Cegonha receberam cópia de uma nota técnica datada de outubro de 2008, onde o Ministério Público afirma ter convidado a Acrissul para discutir uma alternativa sobre a poluição sonora.

“O que o promotor nos disse é que a Acrissul não foi pega de surpresa. Eles já haviam avisado e agora não há como voltar atrás”, lamenta Cegonha.

Pitiço, responsável pelo Circuito de Laço Comprido (com programação agendada para o início de fevereiro), está preocupado.

“Já paguei parte dos shows. Nem que eu tenha que colocar o som em caixinhas para respeitar o limite, mas o evento tem que acontecer”, diz Pitiço.

O limite para área residencial é de 45 dB (decibéis). “Um som automotivo chega a 80 dB. Não tem como competir”, afirmou o promotor de eventos.

Os vereadores Vanderlei Cabeludo (PMDB) e Thaís Helena (PT) participaram da reunião e apontaram saídas. Cabeludo vai tentar intervir junto ao governador André Puccinelli. Já a petista adiantou que o prefeito Nelson Trad Filho vai estudar a compra de uma área para construção de uma praça para shows.

“Todo o calendário cultural fica comprometido. O Carnaval, a Expogrande e a Festa Junina devem fazer parte da programação fixa do município”, declarou Thaís Helena, que vai levar à discussão para a Câmara de Vereadores.

A estimativa é que, caso o parque venha a ser construído, o prédio ficaria pronto dentro de três a cinco anos. Enquanto isso, é necessário buscar um local transitório.




Olá cara Kelly Fernanda e Renata Corrêa
Todos argumentos que vocês utilizam estão corretos. O Laucidio tem tradição em shows, é um lugar perto e acessível a todos, gera vários empregos e blá, blá e blá. Entretanto, nada pode ser feito de qualquer maneira. Não vivemos em uma anarquia. Se existem regras quanto a poluição sonora elas devem ser seguidas. Se existem regras quanto ao licenciamento ambiental, elas devem ser seguidas. Portanto, se o municipio entende que o Laucidio é realmente importante e não deve ser mudado de lugar então siga as regras estabelecidas por lei, custe o quanto custar, dinheiro tem. Não se esqueçam que a prefeitura gastou milhões na av. ceará, fecharam ela pro 4 meses e na 1ª grande chuva ela foi totalmente devastada, ou seja, no minimo 4 milhoes jogados fora, mais o que teve que gastar para arrumar de novo, mais o quanto gastou para desviar o transinto. Bem, isso é só um exemplo.
Não sou contra o Laucídio, mas vamos seguir as regras.
Novamente, parabéns ao MPE.

 
Alan Fredy em 29/01/2011 12:02:29
Finalmente alguém tomou providência para os absurdos que acontecem ali. Trabalho muito, durante o dia e algumas noites. Seja fim de semana ou feriado. Entro as 6:00h da manhã. Não foram poucas as vezes que chego em casa cansado só querendo descansar para acordar cedo no outro dia e trabalhar de novo, mas esta um barulho infernal naquele parque.
Tem mais. Depois de um show fica uma montanha de sujeira nas ruas ao lado do parque. Quando chove ou venta muito essa sujeira se espalha para as ruas próximas, as vezes até entra tudo dentro das casas próximas.
Outra coisa: o estacionamento no terreno vazio ao lado tem um sistema de iluminação com centenas de lampâdas. Ja vi estas lampâda ficarem acesas uma semana, noite e dia. será que alguém esta pagando esta energia consumida?
Já perceberam que não tem mais shows grandes no parque das nações? Também esta proibido para não incomodar os animais que vivem ali. Sera que também não tenho os mesmos direitos dos bichos do parque das nações? Só quero descansar em paz na minha casa.
Um recado para o diretor do parque. O senhor podem vender aquela área sim. È uma região que esta muito valorizada ultimamente. Com o dinheiro podem comprar uma área 3 vezes maior e contruir uma infraestrutura muito melhor para suas atividades. Fora da cidade. Em uma área não residencial.
Ou quem sabem contruir um espaço para shows ao lado da sua casa.
 
Marcio Mario em 29/01/2011 07:09:27
Caro ROMILDO FAGUNDES...
De que planeta você é? De território nacional você veio?
O parque de exposições é uma tradição do povo Sul Mato Grossense,é um lugar acessível a todos, os eventos promovidos lá pode ser que não agrade toda a população, mais nem por isso!
Quem escolheu morar lá sabia dos problemas que iriam enfrentar!
Agora vocês me vem reclamar sobre poluição sonora a essa altura do campeonato?
E duvido que não tenha um morador ao redor da Acrissul que já não tenha frequentado o Laucídio, e sabe que é o único lugar viável para sediar eventos de grandes portes em Campo Grande, não existe outro lugar...
Ex: Autódromo Internacional Orlando Moura, é longe, nem todos os moradores tem condições e meios de transportes.
Parque das Nações Indígenas, área preservada, PROIBIDO realizar eventos com grandes estruturas com a Expogrande.
Ou seja, onde os promotores poderão sediar os eventos?

E o sr. Jorge Antônio Dias, em que jornal o senhor leu, ouviu que o parque estava vendido para a Brookfield comprou a area?
Pelo que eu saiba foi comprado apenas o lote onde encontrava-se o estacionamento do lado de fora quando havia shows !
Portanto não fale coisas que o sr. não sabe, afinal a Acrissul é do governo, portanto uma boa parte desse território também é do governo, por tanto não pode ser vendido sem a autorização o governador.
E o sr. acha que em um lugar que é forte em vendas de gado, por sediar eventos lucrativos para o estado, melhor dizendo, para o nosso ilustre governador, e onde ele também patrocina um dos maiores eventos da cidade.
Acredito que não!!
Por tanto não cantem vitória antes da hora, pois o ano esta apenas começando e essa história ainda vai dar o que falar!

 
Kelly Corrêa em 29/01/2011 02:47:30
Caros, os mesmo não percebem que o parque Laucídio C. e praticamente ponto diversão e referencia para MS! Quantas pessoas saem as vezes das cidades interiores para vim p CG. assistir um show de um artista favorito, além disso sempre gera empregos e renda extra para familia de campo grande! Quantos vizinhos proxímos ao parque sempre aluga seus espaço para estacionar automoveis e motocicletas. Quantos eventos do calendario da cidade são realizados no parque! todos os anos e TRADIÇÃO!!!
O que deve ocorrer e fiscalização fora do parque, pois são os vandalos que atormenta a os moradores daquela região, ou seja, devemos sim continuar com LAUCIDIO, pois já e lugar conquistado por campo grande!!!! LAUCIDIOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO
 
Renata Fernanda em 28/01/2011 08:59:32
Corretíssima a atitude do MPE. Depois dos escândalos do Rigo acho que els querem melhorar sua imagem. Moro próximo ao Parque de Exposições e acho que o som realmente atrapalha quem mora proximo ao parque e não quer ouvir um show do Luan Santana dentro de casa. Além disso, o parque não possui licença ambiental, que é imprescindível. Parabens novamente ao MPE. Mantenham se irredutíveis. Outra coisa sr. Vanderlei Cabeludo, desista de tentar pelos métodos do André Puccinelli. Agora o povo já está mais experto quanto às ações corruptas do sr. Governador.
 
Alan Fredy em 28/01/2011 07:12:00
O MPF simplismente, da noite pro dia, proibiu os shows num local já tradicional, num claro desrespeito a população! Nem ao menos apresentou alternativas ! Por outro lado a AGRISSUL cobra muito caro pela entrada na exposiçaõ.Isso é que é ditadura! Vai aí uma sujestão ao governo do Estado: Porque não se constroi uma Arena de shows na area do Parque dos Poderes ?
 
Jorge neves-CG em 28/01/2011 06:08:05
Porq o MP e o TJ não entram com uma ação contra o salarios dos parlamentares, secretarios e outros. E esse povo q moram por la, qtos anos q tem shows lá agora q vão reclamar tem que reclamar com o aumento desses salarios de 60% e o salario minimo q micharia em.
 
ELAINE DE ALMEIDA em 28/01/2011 05:42:54
Lamentável como os nossos políticos e parte da população alienada que vive da politica do pão circo se preocupam com coisas efemêras, a cidade a beira do caos com ruas má pavimentadas, enchentes levando casas e o povo preocupado se vai haver rodeio e expogrande.Quem ganha com isso são apenas os empresários que trazem esses shows de gosto duvidoso e os vendedores de gado. Acorda Campo Grande!
 
Bruno Eduardo em 28/01/2011 05:11:45
Demourou para se fazer algo a respeito. Quem mora na região, sabe o problema que é o alto volume do som, que incomoda quem trabalha e precisa descansar, isso sem falar no bando de desocupados, maiores e menores, que sem dinheiro para os shows, ficam nos arredores da exposição bebendo cachaça nas banquinhas que ali se instalam, e embriagados, partem para arrombamentos e furtos em veículos, brigas de gangues e roubos, além da comercialização de entorpecentes. existe a cobrança de vagas de estacionameto, a preços exorbitantes sem segurança ou garantia alguma, isso sem falar no trânsito que vira um caos. Não sou contra a realização de shows, desde que os mesmos se deem em locais apropriados para tal, com estrutura adequada, para garantir o conforto e segurança tanto dos que ali frequentam como dos que estão nas vizinhanças.
 
Helio C. Junior em 28/01/2011 05:11:29
P A R A B É N S Sr. PROMOTOR, e de pessoas assim como o Sr que a JUSTIÇA do nosso BRASIL precisa, LEI é LEI, se vale pra um vale pra todos, sem importar a condição financeira ou prestígeo político.
A Grande População moradora na Região da ACRISSUL agradece, sabiamos que poderiamos confiar na decissão da JUSTIÇA em prol MINISTÉRIO PÚBLICO.

Ufaaaa, após a decadas voltaremos a dormir com tranquilidade e paz !

JUSTIÇA, esta sendo feita, Obrigado Sr PROMOTOR.
 
MARIA DE LURDES em 28/01/2011 05:11:07
Por meio desta reportagem verificamos q/ não é de hoje o desrepeito à legislação e consequentemente ao cidadão q/ precisa de sossego. Proponho aos organizadores um show com fones de ouvido...kkkk ,pois não é todo cidadão q/está disposto a ouvir o bregão sertanejo dos shows q/já estavam marcados.
 
ROMILDO FAGUNDES em 28/01/2011 05:09:31
Isso ta com cara de especulação imobiliaria....
 
Fernando Maciel em 28/01/2011 05:07:04
mas como pode, esses senhores afrontarem a justiça, e a lei, eles se esqueçem que os promotores apenas cumprem o que determina a lei do silencio, que está junto com a do meio ambiente, e vcs vereadores pensa um pouco nas pessoas que residem proximo ao local, vão lá conversar com eles pra saberem o que eles acham de tdo isso, eu já sabia que a acrissul já teria sido notificada sobre o assunto em questão,alias eu não vejo a mesma vontade dos ''edis'' em defender por exemplo a questão dos bairros alagados do aumento de impostos, e agora do transporte coletivo, a greve por exemplo dos agentes de saude, por que não vão lá discutir com a categoria. será que eles não mereçem tambem atenção por parte de vcs vereadores? agora tudo que aconteçe de ruim na cidade estão pondo a culpa no prefeito, e a camara aonde está? acorda gente vamos ao que interessa
 
adão da graça em 28/01/2011 05:01:41
“Não posso vender o parque para comprar outro”, frisou o presidente. Você acredita?
Isto já está vendido, os shows beneficiam os produtores, a exposição é uma vez por ano e pode ser feito em lugares não permanentes, rodeios.
A brookfiel já comprou e logo construirá em frente. somente a população que não sabe.

 
Jorge Antônio Dias em 28/01/2011 04:53:39
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions