A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 25 de Fevereiro de 2017

22/11/2016 17:05

Sem Morenão, clubes da Capital já cogitam jogar em Camapuã e Sidrolândia

Paulo Nonato de Souza
Estevão Petrallas, presidente do Operário, indignado com a falta de estádio para jogar em Campo Grande (Foto: Arquivo)Estevão Petrallas, presidente do Operário, indignado com a falta de estádio para jogar em Campo Grande (Foto: Arquivo)

Sem o Estádio Morenão, interditado pelo Ministério Público Estadual desde setembro de 2014, os clubes de Campo Grande que disputam o Campeonato Estadual seguem no mesmo dilema dos últimos anos: falta de estádio adequado para jogar. A competição do próximo ano tem início programado para o dia 29 de janeiro.

Hoje, o presidente do Operário Futebol Clube, Estevão Petrallas, disse que as cidades de Camapuã e Sidrolândia, distantes 134 Km e 60 km, respectivamente, em relação a Campo Grande, são opções dos clubes da Capital que vão disputar o Campeonato Estadual de 2017.

Segundo Petrallas, o estádio municipal de Camapuã tem todas as condições de receber jogos do futebol profissional sul-mato-grossense. “A estrutura é boa e o gramado é um tapete. O que falta é a instalação de um para-raio orçado em R$ 12 mil e não acredito que a nova administração da Prefeitura (o novo prefeito toma posse dia 01 de janeiro) vai querer arcar com esse investimento logo no início de gestão.

O dirigente operariano prefere nem cogitar a ideia de ter que voltar a mandar jogos no Estádio Jacques da Luz, no bairro Moreninhas, por conta das péssimas condições do gramado e da falta de estrutura.

“É fundamental que o Morenão seja reaberto, que as obras de adequação ao Estatuto do Torcedor sejam logo realizadas. É uma vergonha, mas essa é a realidade do futebol profissional em Campo Grande. O Operário já tem 70% do seu elenco formado para o Campeonato Estadual e ainda não sabemos onde vamos jogar”, comentou Petrallas.

Em entrevista ao Campo Grande News na última sexta-feira, dia 18, o reitor da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), professor Marcelo Augusto Santos Turine, disse que o início da primeira fase da revitalização do Morenão estava dependendo apenas da assinatura de um acordo de anuência entre a instituição responsável pela administração do estádio e as outras partes envolvidas para o acesso de operários no canteiro de obras.

De acordo com o reitor, a FFMS (Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul) já tem disponível o recurso liberado pelo Governo do Estado (R$ 200 mil) para a adequação do estádio às normas do Estatuto do Torcedor, como instalação de corrimãos nas escadarias, elevação de guarda-corpos nas muretas e sinalização de saídas de emergência.

Na entrevista, o reitor garantiu que o documento entre as partes seria assinado esta semana. “Essa é uma demanda de caráter urgente e assumimos o compromisso de estabelecer, por via legal, um acordo de cooperação técnica entre a UFMS e a FFMS. O Estádio Morenão é um espaço estratégico para o esporte em Mato Grosso do Sul e precisamos assinar esse documento no máximo até a próxima semana para dar início logo nas adequações necessárias”, disse o reitor na última sexta-feira.

União bate o Novo por 2 a 0 e afunda time alviverde na lanterna do Grupo A
O União venceu o Novo por 2 a 0 na noite desta sexta-feira (25), no estádio Morenão, no jogo que abriu a 5ª rodada do Campeonato Estadual de Futebol....
Veículo montado por alunos da UCDB participa de competição em São Paulo
Um carro montado por estudantes da UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) vai disputar em São José dos Campos (SP) a 23ª edição da Baja SAE Brasil, c...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions