A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

03/09/2015 06:24

Câmeras antigas vão para o teto em estúdio que reúne madeira e tijolinhos

Paula Maciulevicius
Acima de quem entra, 15 câmeras antigas foram emolduradas. (Foto: Vision Rec)Acima de quem entra, 15 câmeras antigas foram emolduradas. (Foto: Vision Rec)

O salão é o primeiro de um conjunto comercial com salas para aluguel, no bairro Monte Líbano, em Campo Grande. De paredes brancas e piso de azulejo, os três meses de reforma transformaram o espaço num estúdio de fotografia do teto ao chão. Acima de quem entra, 15 câmeras antigas foram emolduradas. A madeira de demolição entrou em cena, dividindo espaço com os tijolinhos à vista.

Veja Mais
Traços da nossa arquitetura, desde o “Gabinete Téchnico de Desenho" na Calógeras
Casa de madeira mantém as lembranças de 92 anos de dona Nazira na 14 de Julho

A ideia foi fazer algo que fosse realmente diferente, fugindo do MDF, tão característico de escritórios. O projeto assinado por Renan Garnacho Zoratto, da G Zoratto Arquitetura, trabalhou em cima do rústico, acatando as sugestões dos proprietários na sala que mede 5x8. 

"No rústico é muito importante usarmos madeira de demolição e usamos em toda sala, revestindo uma parede e o piso", descreve Renan Zoratto. O tijolinho à vista, segundo o arquiteto, entrou para dar uma quebrada na rusticidade. "Fomos combinando algumas coisas, o tijolinho, o espelho para dar uma amplitude no local e a iluminação também", explica.

Madeira de demolição entrou em cena, dividindo espaço com os tijolinhos à vista. (Foto: Vision Rec)Madeira de demolição entrou em cena, dividindo espaço com os tijolinhos à vista. (Foto: Vision Rec)
Entrada antes da reforma. (Foto: G Zoratto Arquitetura)Entrada antes da reforma. (Foto: G Zoratto Arquitetura)
Salão antes da reforma. (Foto: G Zoratto Arquitetura)Salão antes da reforma. (Foto: G Zoratto Arquitetura)
Painel de luzes de camarim e mobiliário de madeira é destaque no estúdio. (Foto: Vision Rec)Painel de luzes de camarim e mobiliário de madeira é destaque no estúdio. (Foto: Vision Rec)

Na sala, a iluminação principal é a do espelho. Como luzes de camarim, as redondinhas, elas fazem toda volta na moldura de madeira. "Trouxemos uma referência de cabaré, de coisas antigas e elas também dão um ar de aconchego", completa Renan.

Numa das pontas, um bar, também de madeira de demolição entra para oferecer bebidas aos clientes. O espaço destinado às fotos ficou logo em frente, com a quina da parede em branco. A estratégia adotada no projeto foi de trabalhar com iluminação direcionada, ou seja, os proprietários que escolhem onde e o que será iluminado.

As poltronas e o sofá são de madeira reaproveitável e no centro, um antigo carretel de fio virou mesinha. Voltando à referência das Artes, as cortinas imitam "coxias", em vermelho e azul. "Como o estúdio lida com artistas e é uma casa aliada à shows, quisemos trazer um pouco disso, como se fosse de bar, de pub, de palco, bem vintage", relata Renan.

Luminária do banheiro foi feita com negativos de filme. (Foto: Vanessa Tamires)Luminária do banheiro foi feita com negativos de filme. (Foto: Vanessa Tamires)
Assim como as três que iluminam cantinho do estúdio. (Foto: Vision Rec)Assim como as três que iluminam cantinho do estúdio. (Foto: Vision Rec)

O que determinou o tempo da reforma, segundo o arquiteto, foi mão de obra e materiais específicos, o que requereu tempo. Paralelo a isso, os proprietários do estúdio pesquisaram em todo lugar para comprar as câmeras fotográficas antigas que dessem um graça à decoração.

O investimento médio, conforme o responsável pelo projeto, foi de R$ 30 mil reais, incluindo a madeira de demolição, parte mais encarecida da obra. Sobre a manutenção, Renan Zoratto explica que depois de colocada, ela recebeu uma aplicação de verniz, que cria uma barreira de proteção que pode durar por décadas.

"E como fica na parte interna e se evita contato com sol, calor e umidade, a madeira não é danificada e a resistência é a maior", explica Zoratto. Para o arquiteto, o projeto quebrou barreiras ao sair do óbvio. "Quebramos barreiras com materiais que não são tão usuais no comércio, mas deram certo", resume.

Parede foi revestida de madeira de demolição. (Foto: Vanessa Tamires)Parede foi revestida de madeira de demolição. (Foto: Vanessa Tamires)
Os detalhes da luminária propõe uma brincadeira. (Foto: Vanessa Tamires)Os detalhes da luminária propõe uma brincadeira. (Foto: Vanessa Tamires)
Uma das 15 câmeras emolduradas do teto. (Foto: Vanessa Tamires)Uma das 15 câmeras "emolduradas" do teto. (Foto: Vanessa Tamires)
Para fotos, cantinho ganhou parede branca. (Foto: Vision Rec)Para fotos, cantinho ganhou parede branca. (Foto: Vision Rec)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.