A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

24/11/2015 06:23

Casa é pequena, mas chamada de "Mansão" por projeto diferente em bairro simples

Paula Maciulevicius
Arquiteto deixou para trás o platibanda, telhado embutido, para fazer algo diferente. (Foto: Fernando Antunes)Arquiteto deixou para trás o platibanda, telhado embutido, para fazer algo "diferente". (Foto: Fernando Antunes)

Foram quatro meses de construção para a casa geminada no bairro Noroeste, em Campo Grande, ganhar o apelido de "mansão". Projeto do arquiteto Paulo Ribeiro, ele pegou um terreno herdado pelo pai para investir em casas para vender pelo programa do Governo Federal Minha Casa, Minha Vida. A ideia é oferecer uma arquitetura diferenciada para casas populares.

Veja Mais
Traços da nossa arquitetura, desde o “Gabinete Téchnico de Desenho" na Calógeras
Casa de madeira mantém as lembranças de 92 anos de dona Nazira na 14 de Julho

Ao contrário do "padrão" que as construções desse modelo seguem, o arquiteto deixou para trás o platibanda, telhado embutido, para fazer algo "diferente". "80% das casas são assim e me recusei a fazer esse tipo de arquitetura. Usei telha cerâmica com uma inclinação um pouco maior que a usual e forrei com forro de madeira em cima do vigamento, para que as vigas ficassem aparecendo", explica o arquiteto. Na fachada, o fechamento do "oitão" foi em vidro e a marquise simula uma varanda protegendo a porta de entrada.

Na sala foram usadas janelas 'maxim ar'. (Foto: Fernando Antunes)Na sala foram usadas janelas 'maxim ar'. (Foto: Fernando Antunes)
Pé direito duplo e vidro trouxeram luminosidade à casa. (Foto: Fernando Antunes)Pé direito duplo e vidro trouxeram luminosidade à casa. (Foto: Fernando Antunes)

O terreno de 12x30 serviu para construir duas casas, cada uma delas com 60m². Na fachada, o pé direito duplo chama atenção, junto do vidro temperado. Além de sofisticar o aspecto da fachada, o vidro traz luminosidade à casa, dispensando o uso de luz elétrica durante boa parte do dia. Por fora, o Faveiro não foi cortado. Pelo contrário, o imóvel quem ganhou recorte para continuar a acomodá-lo.

O apelido de "mansão" é uma brincadeira ouvida pelos colegas da área do arquiteto. O bairro é estigmatizado por abrigar os presídios, além de ser precário em infraestrutura e de repente passou a receber casas mais sofisticadas. "É uma arquitetura diferenciada, a gente tentou fazer com que a casa não fugisse do que se faz em construções de alto padrão", comenta Paulo.

Um dos quartos da casa. (Foto: Fernando Antunes)Um dos quartos da casa. (Foto: Fernando Antunes)

Segundo o arquiteto, a fundação da casa é de 4,5m, além de toda ferragem do projeto estrutural. "Um telhado desse aqui vai quase uma parede da casa só no fechamento da cobertura", compara o arquiteto.

O perfil de moradores é quem está começando a construir família. Um casal jovem sem filhos ou com, no máximo dois. A casa foi pensada em acomodar, bem, quatro pessoas. Tem sala integrada à cozinha, por um balcão alto, dois quartos, um banheiro e lavanderia externa coberta. Na sala, a ventilação cruzada torna o ambiente fresco, devido a posição das portas e janelas, em estilo 'maxim ar'. Na área externa, o terreno para os fundos soma mais de 20m² para receber, posteriormente, opções de lazer.

Depois de pronta, a construção passa por avaliação de engenheiros da Caixa Econômica Federal, de onde vem o valor estipulado, de R$ 120 mil.

Curta o Lado B no Facebook.

Ainda nos fundos, terreno deixou 20m² para construção da área de lazer. (Foto: Fernando Antunes)Ainda nos fundos, terreno deixou 20m² para construção da área de lazer. (Foto: Fernando Antunes)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.