A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

27/10/2015 06:23

Com fotos e móveis antigos, escritório é homenagem aos pais do dono

Naiane Mesquita
A antiga máquina de costura fica ao lado do rádio da época de ouro (Fotos: Arquivo Pessoal)A antiga máquina de costura fica ao lado do rádio da época de ouro (Fotos: Arquivo Pessoal)

No primeiro piso, uma bicicleta antiga repousa ao lado de alguns registros fotográficos da família Cândido de Lima. O local, que hoje é o escritório de contabilidade de um dos três filhos de Carlito e Grimarina, foi a casa do casal na cidade de Camapuã, distante a 133 km de Campo Grande. Para compor o ambiente ainda há uma mesa antiga usada para a costura no passado e um rádio da época de ouro.

Veja Mais
Com filmes não revelados da década de 1950, frei tenta criar museu em mosteiro
Traços da nossa arquitetura, desde o “Gabinete Téchnico de Desenho" na Calógeras

A bicicleta logo na entrada é o charme do escritórioA bicicleta logo na entrada é o charme do escritório

A ideia de transformar o ambiente em uma espécie de “museu” foi do contador e filho do casal Eduarte Cândido de Lima, 53 anos, que fez questão de manter um pouco da lembrança de casa em meio a reforma que incluiu até um auditório para 30 pessoas.

“Fizemos esse museu para recuperar a história da nossa família, da minha infância, tem fotos de quando eu era criança, dos meus irmãos, além de uma máquina de costura, tachos de cobre e sementes de plantas nativas do cerrado”, explica.

O prédio de dois andares tem 384m², uma fachada de vidro e foi assinada pelo arquiteto Clóvis Amorim, também de Camapuã. A decoração, no entanto, Eduarte ressalta que teve a mão dele.

“Foi um trabalho em equipe, meu e da minha esposa, que é a chefe do escritório. A família mesmo, até os funcionários ajudaram. Nós investimos em um arquitetura arrojada, na entrada tem um piso falso e decoramos com frutos do cerrado, jatoba, boicaúva, baru, a decoração interna tem peças antigas, tambpres de leite e caixas de coqueiro”, ressalta.

Eduarte diz que o desejo de homenagear a família foi natural ao pensar na reforma do espaço.

“Aqui era a casa dos meus pais. Eles eram analfabetos, mas o sonho de os filhos estudassem. Venderam o pouco gado que tinham, construíram a casa e mandaram a gente para estudar", afirma.

 

Os móveis foram encontrados e restaurados pela famíliaOs móveis foram encontrados e restaurados pela família
Espaço gourmet é voltado para os funcionários e pequenas reuniõesEspaço gourmet é voltado para os funcionários e pequenas reuniões

O esforço acabou valendo a pena. "Conseguiram um médico, um educador físico e um contador. Estudei em Petrópolis, depois no Rio de Janeiro e voltei em 1987 para Camapuã. Mais para frente me formei advogado também”, relembra, orgulhoso.

Em busca do bem-estar de toda a equipe, o projeto tem além do auditório, uma sala de reunião para dez pessoas e um espaço gourmet. São 14 funcionários que circulam pelo prédio e usam o espaço diariamente.

 




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.