A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

30/03/2014 07:09

Em Três Lagoas, moradores cobram conservação de casarão de 100 anos

Elverson Cardozo
Casarão foi sede do Consulado Português em Três Lagoas. (Foto: Helder Vibe)Casarão foi sede do Consulado Português em Três Lagoas. (Foto: Helder Vibe)

Moradores de Três Lagoas, a 338 quilômetros de Campo Grande, pedem a conservação, tombamento, restauração e preservação de um casarão construído na cidade em 1914, há um século. O imóvel, que fica na região central do município, na Rua Paranaíba, foi a casa de uma família de portugueses e Consulado Português, de 1928 até a década de 50, segundo levantamento preliminar da Prefeitura.

Veja Mais
Com filmes não revelados da década de 1950, frei tenta criar museu em mosteiro
Traços da nossa arquitetura, desde o “Gabinete Téchnico de Desenho" na Calógeras

O prédio chama a atenção pelos traços e arquitetura antiga, com elementos estéticos da art nouveau, mas está abandonado, cada vez mais deteriorado, em uma área de pleno desenvolvimento.

Na cidade, quem admira o casarão branco luta para que ele ganhe a atenção do poder público e seja, pelo menos, restaurado. No Facebook, há inclusive, uma página dedicada ao imóvel. Nela, os envolvidos pedem uma solução imediata.

Foto antiga mostra casa ainda bem cuidada. (Foto: Reprodução/Facebook)Foto antiga mostra casa ainda bem cuidada. (Foto: Reprodução/Facebook)

“Não empurrem com a barriga o que rapidamente deve ser feito com as mãos. Salvem o casarão do Consulado Português da demolição e abandono. Pela preservação da nossa história, do nosso passado e do nosso futuro”, cobram.

A “campanha” tem o apoio do vereador Nilo Cândido (PDT), autor de uma lei, aprovada em 2013, que protege o patrimônio histórico municipal. Antes, os tombamentos eram por decreto e poderiam ser derrubados a qualquer momento.

“No ano passado nós fizemos um movimento, mas não tínhamos essa lei. Agora, vamos fazer um levantamento histórico para pedir isso e fazer dali um conservatório musical, um centro cultural”, disse.

Negociação - O imóvel é de propriedade da família Mendes. A boa notícia que os herdeiros do proprietário, o cônsul Teotônio Mendes, aceitaram vender o prédio ao município, mas pedem R$ 1,4 milhão, valor bem acima do ofertado.

O coordenador do setor de patrimônio, do departamento de cultura da Prefeitura, Rodrigo Pedroso Fernandes, disse que, por enquanto, não houve acordo.

“Oferecemos R$ 800 mil, que é o valor. Ele não vale R$ 1,4 milhão, mas eles estão sendo bem orientados juridicamente. Continuamos negociando, mas ainda não podemos injetar dinheiro lá porque não é um bem público”, disse.

Moradores temem que o prédio, que está praticamente abandonado, seja demolido. (Foto: Câmara Municipal de Três Lagoas)Moradores temem que o prédio, que está praticamente abandonado, seja demolido. (Foto: Câmara Municipal de Três Lagoas)

O levantamento histórico ainda está sendo feito, mas Rodrigo já se refere ao casarão como um projeto integrador, com valor sociopolítico e memorial pela formação da identidade três-lagoense.

“Os portugueses, quando chegavam aqui para trabalhar na estrada de ferro, eram abrigados nele. O alojamento para os imigrantes ficava no porão. Todos os trâmites legais eram resolvidos ali, como estadia, certificado de identidade, carta de chamada e outros documentos comuns”, explicou.

Igrejinha - O casarão do Consulado, no entanto, não é o único imóvel que o poder público tem a intenção de preservar, salientou. Há uma igrejinha. O templo, levantado em homenagem a Santo Antônio de Pádua, completa 100 anos em 2014 e seria mais velho que a própria cidade. Fica no centro de Três Lagoas, na Avenida Antônio Trajano dos Santos.

Igrejinha fica na Avenida Antônio Trajano dos Santos. (Foto: www.3lagoas.com.br)Igrejinha fica na Avenida Antônio Trajano dos Santos. (Foto: www.3lagoas.com.br)

Tem capacidade para, pelo menos, 70 pessoas. É de alvenaria e mistura vários traços, da arquitetura religiosa portuguesa à gótica e românica, com colunas no interior e um altar, nas palavras do coordenador, “despojado, simples, sem muito requinte estético”.

A igrejinha, afirmou, assim como o casarão, já é tombada por decreto, mas deve ser protegida por lei municipal. A mesma coisa deve ser feita com outros bens materiais e imateriais da cidade, como o obelisco, relógio central, ferrovia e até um pé de jatobá.




Se demorar muito não terão casa para preservar pois o Três-lagoense não liga pra seu passado histórico, basta lembrar o episódio do "Hotel Modelo" posto abaixo pelo proprietário da noite para o dia assim que soube que o poder publico municipal iria tomba-lo, detalhe, o tal inclusive já tinha sido prefeito da cidade, e outros exemplos como a igreja matriz, a original do inicio da cidade demoliram nos anos 60, fizeram outra que foi demolida a pouco dando lugar a que está lá não se sabe até quando, a Praça da Bandeira, presente da Camargo Corrêia, tantas alegrias deu a diversas gerações inclusive a minha, destruída sob a alegação de ultrapassada, simplesmente para homenagear politico morto, Três Lagoas é o único lugar onde se apaga a história passada pra escrever a recente, é lastimável.
 
Antonio Mazeica em 30/03/2014 09:57:39
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.