A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

28/02/2016 07:12

Inspirada nas águas, designer cria móveis sofisticados no traço do Rio Taquari

Adriano Fernandes
A coleção Taquari é inspirada em um dos rios mais emblemáticos do país. (Foto: Divulgação)A coleção Taquari é inspirada em um dos rios mais emblemáticos do país. (Foto: Divulgação)

Na coleção de mesas, cadeiras, luminárias e banquetas, os contornos do Rio Taquari dão a forma aos móveis feitos com ferro, madeira e vidro. As criações são da designer Beatriz Branco, campo-grandense de 27 anos, que descobriu nas viagens pelo mundo que deveria voltar às origens para criar móveis exclusivos.

Veja Mais
Traços da nossa arquitetura, desde o “Gabinete Téchnico de Desenho" na Calógeras
Casa de madeira mantém as lembranças de 92 anos de dona Nazira na 14 de Julho

Batizada de “Coleção Taquari”, o projeto inaugural do Studio Pandust alia conceitos de biologia aos móveis que são como obra de arte. “Eu busquei copiar da natureza as formas que eu poderia representar em objetos funcionais e possíveis de serem usados no dia-a-dia. Objetos com design de obras de arte, mas que ao mesmo tempo são funcionais”, comenta.

A inspiração para criar a coleção ela conta que teve durante alguns dos intercâmbios de especialização em Milão, Madri e Barcelona. “Além de conhecer novos conceitos em design, ou até contatos com outros profissionais, durante as viagens, eu aprendi que eu deveria valorizar o meu lugar”, diz.

A mesa de centro tem os desenhos inspirados nas imagens via satélite da bacia hidrográfica pantaneira.(Foto: Divulgação)A mesa de centro tem os desenhos inspirados nas imagens via satélite da bacia hidrográfica pantaneira.(Foto: Divulgação)
A banqueta da coleção recebe o nome de vazante, em alusão ao período de estiagem no Pantanal. (Foto: Divulgação)A banqueta da coleção recebe o nome de vazante, em alusão ao período de estiagem no Pantanal. (Foto: Divulgação)

A ligação com as águas do Taquari veio de berço. Por quatro anos Beatriz morou em Coxim, bem pertinho do rio. No inicio do ano passado, a designer foi até um núcleo de estudos da UFMS próximo da cidade de Miranda, onde conversou com biólogos sobre a fauna, flora e as bacias hidrográficas do Pantanal, em especifico, a do Rio Taquari.

“Eu cresci ali, às margens do rio, então foi um retorno ao meu inconsciente e de certa forma, a mim mesma. O rio se correlaciona muito comigo e tinha uma das melhores histórias de ser contadas, por meio das minhas criações”, afirma. 

Dentre as pesquisas, ela também teve acesso a um curso da própria universidade, que trabalha com a captação de imagens via satélite de todo o Pantanal. Do rio, que tanto habitava o seu imaginário, Beatriz aprendeu muito e usou para desenhar. “O pantanal é incrível, mas de certa forma misterioso para algumas pessoas. Então percebi que eu tinha que trabalhar com esse conceito”, justifica.

Base da mesa Taquari. O tampo é de vidro. (Foto: Divulgação)Base da mesa Taquari. O tampo é de vidro. (Foto: Divulgação)
A mesa recebe o mesmo nome que intitula a coleção: Taquari. (Foto: Divulgação)A mesa recebe o mesmo nome que intitula a coleção: Taquari. (Foto: Divulgação)
A cadeira meandrante é inspirada nos encontros do curso dos rios pantaneiros.(Foto: Divulgação)A cadeira meandrante é inspirada nos encontros do curso dos rios pantaneiros.(Foto: Divulgação)

As banquetas da “Coleção Taquari” receberam o nome de Vazante, para lembrar o período em que os rios se esvaziam por causa da seca. A “Cadeira Meandrante” tem estrutura semelhante às sinuosidades dos rios pantaneiros, que se encontram em alguns trechos e se separam em outros.

A mesa de centro tem os traços inspirados nas imagens via satélite da bacia pantaneira. Já a mesa social com tampo em vidro, recebe o mesmo nome de toda a coleção: Taquari. As primeiras unidades da coleção foram vendidas de uma só vez e para um único comprador em São Paulo, por R$ 20 mil. Mas em Campo Grande Beatriz explica que ainda está com valores em fase de atualização, mas já aceita encomendas.

Dentre outros projetos que estão em andamento, a designer conta que pretende lançar uma coleção de talheres e até óculos. Sempre tendo como inspiração as belezas do Pantanal. “Nos óculos, por exemplo, quero trabalhar com a junção de metal e madeira, osso, resina. Cada um a partir da mistura de vários materiais”, diz.

Para a criação das armações, ela já adianta que os desenhos são inspirados no contorno dos olhos de pássaros e até do jacaré. “Mas ainda estou procurando parceiros para a concepção das peças”, ressalta.

A luminária completa o design do conjunto da mesa.(Foto: Divulgação)A luminária completa o design do conjunto da mesa.(Foto: Divulgação)

Retorno às origens – Em Campo Grande desde o final de outubro do ano passado, Beatriz explica que o retorno à terra natal, teve como foco as pesquisas no conceito de seus móveis.

Antes disso, ela morava em São Paulo, onde conclui a graduação no IED - Istituto Europeo di Design, uma das mais conceituadas instituições de ensino em comunicação visual do mundo. O IED tem unidades no Rio de Janeiro, Madri e Barcelona, por exemplo.

“Mato Grosso do Sul ou até em um contexto de Brasil, infelizmente não existe a valorização da cultura do design. Mas eu ao menos tento, levar um pouco da nossa história, do Pantanal mais além”, conclui.

O nome Pandust surgiu da junção das expressões, Pan de pantanal e Dust, que significa poeira em inglês. 

As novidades do Studio Pandust podem ser acompanhadas pelo Facebook, Instagram ou pelo próprio site: www.pandust.com. Mais informações pelo (11) 95555-0916 ou (67) 9867-1845.

Curta a página do Lado B no Facebook. 

 




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.