A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

13/12/2015 08:15

Na 7 de Setembro, 3 containers viram loja onde o sustentável está até nas roupas

Paula Maciulevicius
Arquitetura tem chamado atenção para o verde. (Foto: Marcos Ermínio)Arquitetura tem chamado atenção para o verde. (Foto: Marcos Ermínio)

Quem passa os olhos pela Rua 7 de Setembro, na altura do bairro Jardim dos Estados se depara com containers que viraram loja. No total foram três que pregam a sustentabilidade da fachada ao interior. Franquia mineira, a Green Co abre as portas nesta semana mostrando que o ecológico é bacana de se vestir e apreciar.

Veja Mais
Com filmes não revelados da década de 1950, frei tenta criar museu em mosteiro
Traços da nossa arquitetura, desde o “Gabinete Téchnico de Desenho" na Calógeras

Ao todo foi um ano de planejamento e mais de 6 meses de obra. O terreno já existente e pertencente à dona ganhou 139m² de área construída destinada à loja. Empresária de outro ramo, Eliane Dias Ferzeli, de 46 anos, procurou por algo "diferente" e deu preferência ao que fosse ligado à uma veia mais natural.

"Me encantei com esse tipo de negócio, essa visão, a coisa da sustentabilidade, do Meio Ambiente. São produtos de qualidade, bacanas e politicamente corretos", descreve. Quando procurou trazer a franquia para Campo Grande, foi apresentada à duas possibilidades: de uma loja convencional ou no formato container. Optou pelo segundo.

Container visto de fora. (Foto: Marcos Ermínio)Container visto de fora. (Foto: Marcos Ermínio)
Placas captam energia solar transformando em elétrica. (Foto: Marcos Ermínio)Placas captam energia solar transformando em elétrica. (Foto: Marcos Ermínio)
A sustentabilidade em foco. (Foto: Marcos Ermínio)A sustentabilidade em foco. (Foto: Marcos Ermínio)

Arquitetura - No topo do container estão placas fotovoltaicas que vão captar a energia do sol transformando-a em eletricidade. A estrutura da loja também prevê a captura de água para regar jardim e lavar calçadas, além de fazer o tratamento dela antes de ir para o esgoto. 

Por dentro, lâmpadas de LED economizam na conta de energia, além dos seis domos, aberturas que permitem que se acenda o mínimo de luz possível. O container acima, vai abrigar estoque e vitrine. No piso, ladrilho hidráulico dá o toque diferenciado e nostálgico ao local. 

O projeto é da arquiteta mineira Luiza de Oliveira e executado e acompanhado aqui pela Costa Container. Junto às araras de roupas, uma ecoplaca feita a partir de tubo de pasta de dente forma o detalhe, além de sustentar as peças de maneira correta. 

De início, a proprietária ressalta que o investimento é maior. Só na construção, fora o terreno, foram gastos em torno de R$ 600 mil reais, mas a previsão é de se ter um retorno a longo prazo. 

 

Container onde fica a loja. (Foto: Marcos Ermínio)Container onde fica a loja. (Foto: Marcos Ermínio)
Ecoplacas, sustentação de araras é feito de tubos de pasta de dentes. (Foto: Marcos Ermínio)Ecoplacas, sustentação de araras é feito de tubos de pasta de dentes. (Foto: Marcos Ermínio)
Caixa é feito a partir de pallets. (Foto: Marcos Ermínio)Caixa é feito a partir de pallets. (Foto: Marcos Ermínio)

Produtos - A marca prega o sustentável da etiqueta ao frescor de se vestir. Os óculos de sol, por exemplo, são feitos a partir do reaproveitamento de shape de skate. Todas as peças - tanto masculina quanto feminina - vêm acompanhados de etiquetas informando a origem da matéria prima e benefícios.

Saias e vestidos podem ser de fibra de bambu que exerce a função relaxante, além de proteção contra os raios solares e é anti-bacteriano. Outras peças podem ser de ecopets, quando a fibra é obtida a partir da reciclagem de garrafas PET ou ainda algodão orgânico e de fibra de maconha.

Os preços, segundo a proprietária, variam de R$ 80 até R$ 398 reais. "O que não difere de outras marcas boas, de qualidade, com bom corte e ainda sustentáveis", compara a dona. 

A loja vai funcionar de segunda à sexta, das 9h às 19h e aos sábados até 13h, na Rua 7 de Setembro 2.397.

Curta o Lado B no Facebook.

Até as etiquetas são ecologicamente corretas. (Foto: Marcos Ermínio)Até as etiquetas são ecologicamente corretas. (Foto: Marcos Ermínio)
Aberturas no teto dispensam acendimento de luz. (Foto: Marcos Ermínio)Aberturas no teto dispensam acendimento de luz. (Foto: Marcos Ermínio)
Todas as peças têm como marca a sustentabilidade. (Foto: Marcos Ermínio)Todas as peças têm como marca a sustentabilidade. (Foto: Marcos Ermínio)
Etiqueta informa origem de matéria prima e curiosidades da peça. (Foto: Marcos Ermínio)Etiqueta informa origem de matéria prima e curiosidades da peça. (Foto: Marcos Ermínio)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.