A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

27/03/2013 08:00

Para exibir as fachadas, vidro assume lugar de muros e de grades nos portões

Elverson Cardozo
Prédio também aderiu à moda. (Foto: Marcos Ermínio)Prédio também aderiu à "moda". (Foto: Marcos Ermínio)

Nada de muro cercando o terreno, portões altos e janelas por todo lado, escondendo tudo. Para quem gosta das de arquitetura moderna a proposta é deixar quase tudo à mostra, da fachada ao chafariz ornamental, graças aos vidros, que tem ganhado espaço nas construções de todo mundo, inclusive, em Campo Grande. Mas será que vale à pena deixar "tudo" à mostra?

Veja Mais
Traços da nossa arquitetura, desde o “Gabinete Téchnico de Desenho" na Calógeras
Casa de madeira mantém as lembranças de 92 anos de dona Nazira na 14 de Julho

Em uma escola da rua Rio Grande do Sul, no Jardim dos Estados, o portão principal é transparente. No Monte Castelo, o conjunto de vidros que ocupa metade de um muro deixa à vista um escritório de advocacia. A visibilidade deu destaque à fachada assimétrica.

No bairro Giocondo Orsi, os moradores de uma casa de esquina preferiram unir o muro tradicional ao charme dos vidros. Não há quem não enxergue, de longe, o imóvel construindo com tijolinhos à vista. Na região central, esquina da 15 da novembro com a 13 de junho, o destaque vai para a residência que tem o terreno todo cercado de vidro.

O “modelo” também está presente em condomínios de luxo. Um deles fugiu do incolor e aderiu ao colorido. De alto a baixo, o azul do “muro” chama a atenção e contrasta com o chafariz, que tem azulejos do mesmo tom. Quem pensa em aderir à beleza da transparência deve levar em consideração algumas “regras” básicas. Não é só trocar o velho pelo novo pensando apenas na aparência.

É preciso, primeiro, ter consciência do custo, que costuma ser alto, se comparado às opções mais modestas. A opinião de quem entende do assunto não deve ser dispensada.

O que você precisa saber - A recomendação básica, antes da mudança ou de aderir à “novidade”, é que seja feito um estudo, especialmente se a casa, o prédio, o salão, ou qualquer lugar que seja, tenha sido projetado de maneira “tradicional”.

Na casa, as duas coisas se misturam.Na casa, as duas coisas se misturam.

Os vidros se encaixam melhor em projetos arrojados. Justificam-se no conceito de arquitetura moderna, mas não há proibições.

De acordo com a arquiteta Letícia Rocha, de 35 anos, o material pode ser utilizado para fins estéticos e térmicos, mas também como correção. “Às vezes, o invés de mostrar uma parte da fachada, eu preciso escondê-la”, explicou. O mau uso, no entanto, pode trazer problemas, como o superaquecimento de ambientes.

A única regra, se tratando da utilização de vidros em ambientes corporativos ou residenciais, é que o material seja próprio para o fim a que vai ser destinado, ou seja, não pode ser “comum”.

A dica da arquiteta é utilizar os laminados duplos e temperados, que oferecem maior resistência. Se quebrar – o que raramente acontece -, o vidro não estilhaça. Fica preso à lâmina.

É indicado para muros, sacadas, corrimão e guarda-corpo. “Se de repente a pessoa chegar a trombar e ele quebrar ele muito provavelmente não vai chegar a cair”, explicou.

Mas o projeto pode ser feito com vidros laminados. A diferença é que eles possuem apenas uma face, mas também não estilhaçam. Podem ser utilizados em “situações de altura”, como janelas de prédios.

Outra opção é o temperado comum, que é mais barato. Se quebrar, estilhaça em pequenos pedaços, mas como não forma pontas, evita cortes. É mais utilizado em vitrines.

Muro de vidros no lugar das grades. (Foto: Marcos Ermínio)Muro de vidros no lugar das grades. (Foto: Marcos Ermínio)

De maneira geral, não é a espessura que determina a resistência desses modelos. É a forma como foram produzidos. Eles não quebram com facilidade, a não ser que o material sofra impacto justamente em seu “ponto franco”.

Essa “marcação” depende de como a matéria prima foi colocada na têmpera, “o forno que faz com que ele estilhace diferente”, explicou a arquiteta. Descobrir onde fica isso é tarefa para quem entende.

A vantagem para quem prefere os vidros começa pela visibilidade, valorização do imóvel e a segurança. “Arquitetonicamente falando, dá um visual mais limpo e privilegia a arquitetura. A gente consegue valorizar mais a fachada, visão e iluminação”, disse.

Por outro lado, a desvantagem está ligada à manutenção. “Exige uma limpeza periódica, bem mais constante que uma grade”, completou. O valor também é alto. Usar vidros, segundo a arquiteta, pode encarecer uma obra em até 30%, mas o custo-benefício, no final das contas, compensa, garantiu.

Casa localizada no centro se destaca pelos muros transparentes. (Foto: Marcos Ermínio)Casa localizada no centro se destaca pelos muros transparentes. (Foto: Marcos Ermínio)



Pode até ser bonito, mas peca na falta de praticidade e da completa falta de privacidade.

Concordo com a Adriana de Menezes, para prédios comerciais é uma opção valida, mas em uma casa, nem de graça.
 
Emamnuel Velozo em 16/04/2013 10:45:33
Apoiado, muito bonito para ficar mais bonito ainda depende da civilização conservar
 
Giovanny Alcantud em 09/04/2013 17:01:44
Leticia parabéns pelo comentário. Isso mostra que você está muito bem informada. Realmente a falta de conhecimento e o uso inadequado do vidro na arquitetura pode acarretar problemas futuros.
Pensando na segurança e no uso correto dos vidros, a LM Blindex já disponibiliza para o mercado vidros laminados temperados para serem usados em muros, guarda corpos,coberturas e até box para banheiro. Nas fotos mostradas os vidros usados foram vidros temperados, quando deveriam ser laminados temperados. E porque os vidros deveriam ser laminados temperados? porque aliado a resistência do vidro temperado mais o PVB (polivinil Butiral) entre as lâminas faz com que o vidro não se desprenda do caixilho ou da fixação.Isso dificulta a entrada de pessoas no interior da residência ou prédio, em caso de quebra
 
Luiz Carlos Mossin em 28/03/2013 16:18:39
É a cara da pobreza.
 
Joao Jardim em 27/03/2013 15:26:55
Sempre achei lindo este estilo, realmente no sul existe várias casas já com essa arquitetura moderna, tambem em Iguatemi-MS, vi uma casa muito linda... estou pensando em aderir a nova arquitetura...
 
Rosana Gomes em 27/03/2013 15:13:51
Bom.., o que é "novidade" aqui em Campo Grande é muito comum na região Sul (Curitiba, Florianópolis, enfim toda a regiao litorânea), se essa "moda" realmente "pegar" na nossa cidade, que seja bem vinda, e que cuidemos dos pixadores e vândalos...
 
luiz rodrigues em 27/03/2013 13:01:52
Lindo.....
 
Patricia Lisboa em 27/03/2013 12:01:30
Para ladrão é uma maravilha...
 
lucia elaine da cunha e silva em 27/03/2013 11:48:38
Apenas para concluir, custo médio aproximado de 30% em relação ao vidro comum, que não é indicado para uso em fachada, guarda corpo ou muro, e não em relação ao total da obra.
 
Leticia Rocha em 27/03/2013 11:40:11
Achei show de bola, uma graça mesmo, mas não p residência, prédios é ideal, na saída p São Paulo tem uma empresa bem grande que aderiu esta fachada, ficou lindo, foi feito um jardim e uma iluminação que completou a beleza do lugar. Parabéns pela ousadia. E estes prédios do centro a dias venho observando e tb achei muito bonito, qd o vidro é verde dá um toque a mais...
 
Adriana de Menezes em 27/03/2013 10:07:42
Muitas aves morrem por causa de prédios assim, seja vidro espelhado ou transparente. Os arquitetos e clientes deveriam considerar isso.
 
Fabio Pellegrini em 27/03/2013 09:03:07
Modismo brega.
 
ricardo rodrigues em 27/03/2013 08:50:34
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.