A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

13/09/2012 15:11

Na reta final, Morar Mais por Menos se veste do ecologicamente correto

Ângela Kempfer
Fachada interna começa a se transformar, com madeira. (Fotos: Minamar Júnior)Fachada interna começa a se transformar, com madeira. (Fotos: Minamar Júnior)

Falta menos de um mês para a abertura da Mostra Morar Mais por Menos em Campo Grande e a fase agora é de execução. Na casa escolhida para a transformação que um evento como este exige, na rua da Paz, o que mais se vê é madeira de reflorestamento.

Veja Mais
Com filmes não revelados da década de 1950, frei tenta criar museu em mosteiro
Traços da nossa arquitetura, desde o “Gabinete Téchnico de Desenho" na Calógeras

As ripas e toras revestem fachadas, varandas, criam espaços e provam como é bem mais bonito quando a natureza colabora.

Na varanda, o eucalipto tem a cor natural, claro, para contrastar com o verde dos jardins verticais que pontuam o ambiente.

No antigo estacionamento do imóvel, a madeira é tratada, mais escura e serve para estruturar um espaço de eventos da mostra. Ao lado, o capim Santa Fé espera para ser colocado como cobertura do que parece um caramanchão.

Por todos os cantos há verde, madeira e exemplos de material que preza o conceito de sustentabilidade.

As arquitetas Ângela Gil e Joysi Nicollati escolheram placas feitas com restos de plástico e tubos de pasta de dente, para cobrir o pergolado.

Até alguns tijolos, da parte demolida da casa original, foram reaproveitados pelas duas. “O que manda é reaproveitar. Até apostar no verde é algo que gera economia porque o ambiente fica mais fresco, depende menos de refrigeração”, lembra Ângela.

Para atingir o esperado, o projeto teve a participação da empresa Bioarquitetura, especializada em tecnologia ecologicamente correta, como o uso da taipa de pilão para levantar paredes.

O QG do canteiro de obras é feito com estrutura de plástico, uma casa completamente levantada com as placas de material também reciclado.

Em ambientes como escritórios e quartos, o que vai mandar é automação, para diminuir o uso de energia elétrica.

Outra empresa parceira, a Transrest faz a coleta e a destinação dos entulhos da obra. O grupo tem o Pro VCS - Programa de Armazenamento Voluntário e Coleta seletiva, que pretende transformar Campo Grande na primeira cidade do Brasil em reciclagem voluntária.

Como todos esses mecanismos funcionam na prática, o público poderá ver a partir de outubro na Morar Mais por Menos.

A casa fica na Rua da Paz, n° 342 e tem em seu DNA os conceitos: brasilidade, sustentabilidade, inclusão social, customização e tecnologia e inovação.

Casa escolhida fica na região central, cheia de verde em meio aos prédios que já começam a chegar.Casa escolhida fica na região central, cheia de verde em meio aos prédios que já começam a chegar.
Detalhe do pergolado de eucalipto, na varanda da nova casa.Detalhe do pergolado de eucalipto, na varanda da nova casa.



Acho a amostra uma ótima ideia, e discordo do marcos, pois a amostra "Morar Mais por Menos" tem um conceito de brasilidade, sustentabilidade, customização e tecnologia e inovação, o que se deve ser avaliado na amostra nao é a localidade nem o quão grande se é o espaço, mas sim as milhares de opções de meios sustentavei de se fazer uma boa reforma sem gastar muito dinheiro.
 
rafael da silva souza em 26/09/2012 01:24:23
Porque não escolheram uma casa no Don Antonio, fazer reforma em casa que não precisa é fácil, e ainda vem falar em sustentabilidade, ecologicamente correto......
Pra mim isso tem outro nome.....
 
Marcos Dela Silva em 14/09/2012 08:51:09
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.