A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

22/08/2013 12:28

Comunidades que aprenderam “tambores e batuques” ancestrais chegam a MS

Ângela Kempfer
Grupo Samba de Cacete da Vacaria” veio de Cametá (PA).Grupo Samba de Cacete da Vacaria” veio de Cametá (PA).

Conhecido como maior projeto de circulação musical do Brasil, o Sonora Brasil chega a Campo Grande nesta quinta-feira e amanhã a Dourados. O tema é “Tambores e Batuques”, unindo gente simples de comunidades quilombolas e instrumentistas.

Veja Mais
Com gorros de Papai Noel, artistas realizam performance contra calote de editais
Da droga à reabilitação, Zé Pretim sobe ao palco com banda e repertório afiado

São quatro grupos musicais em apresentações acústicas, que já atingiram público de 500 mil espectadores nas andanças pelo Brasil.

Muitos dos instrumentos são de fabricação artesanal, feitos nas próprias comunidades para uso em eventos religiosos e rituais considerados profanos. As músicas falam de tradições das comunidades negras brasileiras.

O grupo “Raízes do Bolão”, por exemplo, representa o do quilombo do Curiaú (AP) e traz o marabaixo e a dança típica da região. É uma manifestação cultural associada a festividades em louvor a diversos santos como Santo Expedito, São Tiago, São José, uma tradição repassada há séculos.

O grupo “Samba de Cacete da Vacaria” veio de Cametá (PA), com o samba de cacete. Os integrantes vivem na zona rural da cidade de Cametá e se uniram pela história com o samba de cacete, acompanhados por dois “tambouros” e mais um percussionista.

O “Raízes do Samba de Tócos” é da cidade de Antônio Cardoso (BA) e vai apresentar o samba de roda. Tem uma relação maior com festividades ligadas a São Cosme e São Damião. O grupo foi organizado há sete anos a partir de laços familiares e amizades entre vizinhos. Os integrantes são camponeses que vivem na região da antiga fazenda de Tocos, no interior da Bahia.

Também há gente do sul. O “Alabê Ôni” é formado por músicos pesquisadores da cultura negra, que recupera a história do Tambor de Sopapo> Trouxe do Rio Grande do Sul ritmos dos maçambiques, quicumbis, alujás e candombes, manifestações da cultura negra gaúcha ligadas à tradição religiosa e profana.

Os ingressos custam R$ 10 (comerciário/comerciário parceiro/dependente) | R$ 15 (usuário parceiro) | R$ 20 (usuário).

As apresentações serão sempre às 20 horas, no Teatro Prosa, no Sesc Horto. Informações pelo telefone 3311-4300.

Veja a programação:
Raízes do Bolão – do Amapá (22 em Campo Grande – 23 em Dourados)
Samba de Cacete da Vacaria – do Pará (23 na Capital e 24 em Dourados)
Samba Raízes de Tocos – da Bahia (24 Campo Grande e 25 Dourados)
Grupo Alabê Ôni – do Rio Grande do Sul (25 em Campo Grande e 26 Dourados).

Fim de semana tem cover de Freddie Mercury e Whindersson
As atrações acontecem no Palácio Popular da Cultura, em Campo Grande. Confira outras dicas da Agenda Cultural....
Filhos e netos, os artistas mais importantes no palco
Escolas particulares de Campo Grande investem em grandes espetáculos para marcar o fechamento do ano letivo....



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.