A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

17/09/2015 16:25

Depois de ‘cachê da vergonha’ Sesc decide não republicar edital

Lucas Arruda
Agora o SESC garante que fará a contratação dos músicos sem edital para apresentações em seus eventos (Foto: Vanessa Tamires/Arquivo)Agora o SESC garante que fará a contratação dos músicos sem edital para apresentações em seus eventos (Foto: Vanessa Tamires/Arquivo)

Após ter suspendido o edital de contratação de músicos que lançou no início de agosto, o Sesc decidiu cancelá-lo de vez. A assessoria de imprensa da instituição lembra que o edital foi suspenso, depois de matéria publicada pelo Lado B, porque o texto permitia uma interpretação equivocada.

Veja Mais
Da droga à reabilitação, Zé Pretim sobe ao palco com banda e repertório afiado
Fim de semana tem cover de Freddie Mercury e Whindersson

Depois dos holofotes, o Sesc resolveu mudar a forma de contratação. Garante que está alinhado com o sindicato e também com a Câmara Setorial da Música e assegurará a remuneração dos músicos que se apresentarem em seus eventos, mas com contratações feitas diretamente com o cantor ou banda que fará o show. O cachê será definido de acordo com a negociação individual.

"Eles entraram em contato conosco e disseram que irão seguir à risca o que pedimos e o piso que pedimos, que é de pelo menos R$ 160 por músico numa apresentação, mesmo que esse não seja definido por lei. Será a primeira entidade a pagar o que pedimos e isso é legal", afirma o presidente da Simatec/MS (Sindicato dos Músicos, Autores e Técnicos de Mato Grosso do Sul), Beko Santanegra.

Segundo ele, a entidade conversará com o sindicato na terça-feira (22) para definirem o calendário de apresentações musicais promovidos por eles.

No antigo edital, os cachês oferecidos pelo SESC começavam em R$ 170 , para grupos com 3 integrantes, R$ 280 para grupos de 4 a 6 músicos e R$ 320 de 7 integrantes acima. Esses valores eram para uma hora de apresentação.

O Sesc avisava que seriam descontados os tributos, o que deixaria o pagamento ainda menor.

O que deixou os músicos ainda mais indignados foi o fato de que a entidade paga para bandas em seus eventos de R$ 1.500 a R$ 2.000, valor bem diferente do apresentado no edital cancelado.

O edital tinha um peso no setor porque o Sesc é hoje um dos principais incentivadores da arte em Campo Grande, apesar de muitas atrações virem de outros estados. Este ano, a entidade fez parceria com a prefeitura para explorar a parte artística da Morada dos Baís e por isso será responsável por uma grade de apresentações no local.

 

Fim de semana tem cover de Freddie Mercury e Whindersson
As atrações acontecem no Palácio Popular da Cultura, em Campo Grande. Confira outras dicas da Agenda Cultural....
Filhos e netos, os artistas mais importantes no palco
Escolas particulares de Campo Grande investem em grandes espetáculos para marcar o fechamento do ano letivo....
Sucesso na música depende de Deus ou de dinheiro na conta?
Empresários e produtores do mundo sertanejo estão escondendo o jogo ou são praticamente santos. Todo mundo diz que o negócio é pedir a Deus e ir com ...



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.