A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

14/10/2015 06:56

Exposição mostra lado humano do tratamento de pacientes com câncer de mama

Lucas Arruda
Exposição mostra como a humanização do tratamento do câncer de mama ajuda na recuperação dos pacientes (Foto: Hugo Lenzi)Exposição mostra como a humanização do tratamento do câncer de mama ajuda na recuperação dos pacientes (Foto: Hugo Lenzi)

Só quem conviveu com um familiar com câncer sabe as dores e sofrimento que a doença causa no doente e ao seu redor. A jornalista Vera Golik passou por essa dor três vezes e ao mesmo tempo.

Veja Mais
Em clipe de rock alternativo, casal coloca tudo a perder por mensagem de celular
Poeta Ferreira Gullar morre aos 86 anos devido a problemas respiratórios

Para mostrar o lado humanizado dos estágios de um paciente diagnosticado com câncer, ela e o marido, o fotógrafo Hugo Lenzi, circulam o Brasil desde 2006 com a exposição “De Peito Aberto”, que será inaugurada aqui amanhã e segue até 2 de novembro no shopping Norte Sul Plaza. A entrada é gratuita.

Em 2000 Vera passou por um dos momentos mais conturbados de sua vida. Seu irmão a ligou e lhe disse que estava com câncer. Dois dias depois, ainda sem ter digerido a notícia direito, sua irmã a avisa dos EUA que também está com câncer. Um mês depois foi a vez da mãe a avisar que também estava com a doença.

São retratadas mulheres que foram abandonadas pelo marido, sofriam violência doméstica, entre outrasSão retratadas mulheres que foram abandonadas pelo marido, sofriam violência doméstica, entre outras

“O pior momento foi quando tivemos que avisar minha mãe, que estava com 80 anos, que meu irmão, de 50 anos, tinha morrido”, lembra Vera.

Depois disso ela, ao lado do marido, buscou forças e foi atrás de histórias de mulheres que venceram o câncer de mama para organizar a exposição. “Com as fotos e histórias queremos mostrar os sentimentos que ficam vivos nessa luta, não só os do paciente, mas familiares e amigos também. Essas relações são muito importantes na humanização do tratamento”, explica.

São mais de 70 mulheres que tem suas histórias contadas na exposição, que conta com quatro estágios: descoberta, processo, apoio e separação. Além da exposição, é feita uma palestra falando sobre os casos retratados e há a venda do livro, resultado dessa pesquisa.

“Algumas dessas mulheres foram abandonadas pelo marido, há uma que sofria violência doméstica durante o tratamento e outros casos ruins. Mas também tem histórias felizes, como a do marido que começou um curso de enfermagem para ajudar no tratamento da esposa”, afirma Vera.

Um dos casos chama a atenção aos demais: fotos de um senhor, que hoje tem 84 anos, que também foi acometido pela doença há pouco mais de duas décadas. “Poucos homens são afetados pelo câncer de mama, mas é um risco real. Foi muito difícil encontrar um para a exposição porque eles têm muito preconceito com a doença”, destaca.

Quando Amadeu teve câncer ainda não existia mastologista, então ele teve que ser tratado por um ginecologista. “Ele pensou em se jogar da janela do consultório de seu médico, só não fez por causa dos filhos que eram muito jovens. Hoje ele tem o maior orgulho de contar sua história, de falar como vencer”, conta Vera.

No dia 19, entre 8h e 16h, a carreta de prevenção ao Câncer do hopistal de Câncer de Barretos estará no local para que as pessoas possam fazer mamografias e exames preventivos.

De Peito Aberto segue até o dia 15 de novembro no shopping Norte Sul Plaza."De Peito Aberto" segue até o dia 15 de novembro no shopping Norte Sul Plaza.



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.