A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

01/02/2014 07:30

Há 6 anos, na última 5ª do mês, Sarau reúne de tudo um pouco no Universitário

Paula Maciulevicius
O Sarau dos Amigos ganhou proporção à altura do que as artes, dança, literatura, gastronomia e música tem a oferecer. (Fotos: Marcos Ermínio)O Sarau dos Amigos ganhou proporção à altura do que as artes, dança, literatura, gastronomia e música tem a oferecer. (Fotos: Marcos Ermínio)

Seis anos atrás, cinco amigos, um quintal na rua Elvira Matos de Oliveira e uma vontade enorme de fazer cultura onde não tinha, no bairro Universitário, em Campo Grande. O Sarau dos Amigos começou com eles, mas nunca foi só deles. Ganhou proporção à altura do que as artes, dança, literatura, gastronomia e música tem a oferecer. Ultrapassaram os limites do muro e do portão, que na casa 927, sempre estiveram abertos e hoje é feito por todos. Desde o vizinho que mesmo durante o aniversário da mãe, sai da festa para emprestar o cabo para o som, até a dupla Tangará e Zé Viola. É formado pelo público, artistas, vizinhos e por que não, pelo menos àquelas quintas, dizer amigos?

Veja Mais
Com bugrinhos de Conceição, galeria reúne arte de MS e área ainda atende eventos
Danielle Winits vive Marilyn Monroe em peça que estreia em janeiro na Capital

O quintal não é grande em espaço métrico, mas parece se duplicar com a chegada das pessoas. De cara, se vê o local para destinação do que é cobrado na entrada, 1 quilo de alimento não perecível, que vai para as ações sociais dos vicentinos. À esquerda, a fumaça do espetinho, À direita, um dos precursores, o artista plástico Apres Gomes, mostra sua arte.

O corredor tem de tudo, luminárias, garrafas, trabalho artesanal até o pão caseiro da dona Maria José Santos da Silva, de 57 anos, que está ali pela quarta vez. Da costura pulou para a produção de pães e diz pra todo mundo o bem que o sarau lhe faz. “É distração, alegria. Se você tem problema vem pra cá que aqui você esquece”.

Dona Maria vende pão caseiro e já ensaia para cantar Alcione no próximo sarau. Dona Maria vende pão caseiro e já ensaia para cantar Alcione no próximo sarau.

Não é só a renda extra que entra a cada sarau. É a energia do local que fez até com que ela resolvesse dar uma palhinha. Ainda não tomou coragem para enfim subir ao palco, mas diz que a música está ensaiadíssima, na ponta da língua. “Você é um negão de tirar o chapéu, da Alcione. Vou vir toda brilhosa, com uma roupa igual a dela”, planeja.

E de uma hora para a outra, sem que a gente perceba, o lugar se enche de gente. Do velho à criança, do músico ao vizinho, a aglomeração no quintal vai tomando a forma de sarau.

 

No microfone, outro responsável por começar o projeto compartilha o que sempre ouve. “O sarau é longe, mas não é longe, eu moro há quatro quadras”, brinca.

O sarau já teve vários convites para se mudar. Instituições chegaram a oferecer espaço. Mas eles não arredam o pé da Elvira Matos de Oliveira. “A gente não quer perder esse encontro no quintal de casa, é isso que mantém a magia gostosa, que aproxima as pessoas”, afirma o dono da casa, Eduardo Romero.

 

O casal Luiz Antônio e Ângela são a prova viva de que o sarau é para todos. Saem do Jardim Bela Vista para o Universitário todas as últimas quintas do mês.O casal Luiz Antônio e Ângela são a prova viva de que o sarau é para todos. Saem do Jardim Bela Vista para o Universitário todas as últimas quintas do mês.

É de se questionar o que faz um evento deste num bairro distante da região central vingar por tanto tempo. A resposta está na produção coletiva. Na ajuda mútua e no compromisso de levar e fazer cultura.

“O que garante a vida é a forma como é produzido, é a maneira de produzir, de fazer a coisa acontecer. É diferente de uso comercial, aqui as pessoas ajudam a fazer”, explica Romero.

É deixado espaço para as palhinhas, até para não perder aquilo de sarau mesmo. No entanto, cada edição tem uma programação prévia para garantir o mínimo de atividades, como peça de teatro, músicas de diferentes gêneros.

O surgimento do sarau veio da necessidade que quatro, dos cinco fundadores, Elânio Rodrigues, Cleber Dias, Thathy D’Meo, Eduardo Romero e Apres Gomes, tinham de mostrar o que produziam no teatro para familiares e amigos. A companhia “Caras de Pau” era vista por um público que até então, não era composto pela própria comunidade.

O mesmo público cresceu a cada sarau e hoje não é balela dizer que tem quem atravesse a cidade para comparecer ao compromisso das quintas. O casal Luiz Antônio e Ângela são a prova viva. Saem do Jardim Bela Vista para o Universitário todas as últimas quintas do mês e estão, religiosamente, às 19h no sarau.

Ela, aposentada do Banco do Brasil, ele corretor de seguros, que um dia viu a divulgação do sarau na internet e resolveu ver o que era. Hoje, três anos depois, chegam a ajudar a recolher as cadeiras.

“A gente já virou folclore aqui. Volta e meia, tem peça que eles fazem e colocam nossos nomes, olha o Luiz já está aqui”, conta o participante fiel.

Ângela resume o que o sarau é para ela e os demais. “Esse quintal é mágico. A gente chega aqui, tem uma magia, as coisas que vão apresentar, são diferentes todos os dias. O que mantém essa liberdade de espaço é a miscigenação”.

A próxima edição do sarau é quinta-feira, dia 27 de fevereiro. Vida longa ao Sarau dos Amigos.

E de uma hora para a outra, sem que a gente perceba, o lugar se enche de gente. Este é o sarau. E de uma hora para a outra, sem que a gente perceba, o lugar se enche de gente. Este é o sarau.



Que maravilha essa iniciativa! Ainda vou visitar esse lugar onde parece ter uma energia maravilhosa e muita arte!
 
Claudimeire Vieira em 01/02/2014 14:48:32
O que seria de nosso Sarau dos Amigos sem a divulgação na Imprensa? Agradecemos muito a vocês. Parabéns pela matéria e disposição em ir la pessoalmente a noite com a equipe Campo Grande News.
HOJE SOMOS UMA REDE!!! Tem Sarau do Zé Geral, Domingo Cultural da Praça Bolívia, Sarobá, Chorinho da Vila Alba, Sarau do Chamamé, Associação Colônia Paraguaia, Cordão da Valu, Sarau do Centro Cultural José Otávio Guizzo, Banda Mochileiros na Lagoa Itatiaia, Praça do Peixe, Ateliê Ana Ruas, Orla Morena, Feira Central, Museu José Antônio Pereira... uma capital cheia de Saraus e espaços artísticos.
 
Elânio Rodrigues em 01/02/2014 10:59:27
O Sarau é ótimo ainda mais quando chama artistas de qualidade,conheço a pouco tempo o trabalho da banda Du Contra(foto acima) e posso dizer que Campo Grande fabrica muito rock de qualidade,parabéns ao Sarau dos Amigos por convidar os caras.
 
Gabriel Paiva em 01/02/2014 09:57:19
Conheço, e já estive presente dezenas de vezes no Sarau dos Amigos.
Além disso sou amigo do Elanio, do Cleber, do Apres, do Eduardo Romero, da Tathy, e de muitos outros que partcipam do evento.
O Sarau dos Amigos, é um verdadeiro celeiro de artistas amadores e profissionais.
Lá estão presentes a música, a arte, a cultura, a dança, a literatura, o lazer, a harmonia, a gastronomia, o encontro de amigos, e muito mais.
Recomendo, e confirmo o endereço: Rua Elvira Matos de Oliveira nº 927 - Bairro Universitário, próximo ao Colégio Barbosa Rodrigues.
O evento acontece toda última 5ª feira do mês.
Valdir Villa Nova
 
VALDIR VILLA NOVA em 01/02/2014 08:15:15
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.