A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

09/03/2014 15:33

Museu abre temporada 2014 com intervenção e registro dos povos africanos

Elverson Cardozo
Uma das fotos de Pierre Verger. Uma das fotos de Pierre Verger.

A artista plástica Ana Ruas foi selecionada para participar da primeira Temporada de Exposições 2014 do Marco (Museu de Arte Contemporânea), que vai receber, também, as obras do fotógrafo, etnólogo, antropólogo e pesquisador francês Pierre Verger. A inauguração da mostra será realizada nesta quinta-feira (13), às 19h.

Veja Mais
Com bugrinhos de Conceição, galeria reúne arte de MS e área ainda atende eventos
Danielle Winits vive Marilyn Monroe em peça que estreia em janeiro na Capital

Ana Ruas vai realizar uma intervenção na sala de exposição do museu. Vai recriar os planos do ambiente usando apenas a cor. O trabalho, intitulado Plano B, deixará o visitante em dúvida sobre o que é real e o que é ilusão.

Já as obras do fotógrafo francês, que morreu 1996, integra a série “Nos Caminhos Afro”, que conta com fotografias em preto e branco. O trabalho - um retrato do que há de mais genuíno no continente - marca a terceira etapa de um projeto itinerante que deve percorrer quatro cidades brasileiras até 30 de novembro de 2014.

A exposição foi vista por mais de sete mil pessoas em Campina Grande, na Paraíba, onde ficou em cartaz durante três meses no MAC-UEPB (Museu Assis Chateaubriand) e em Teresina, no Piauí.

As imagens narram a proximidade de povos de origem afrodescendente com a África. Os registros revelam singularidades como o Tambor de Mina, no Maranhão; Xangô, em Pernambuco; Candomblé, na Bahia, além de feiras, mercados e festas populares.

A obra é resultado da vivência pessoal do fotógrafo-viajante, que já passou por mais de 20 países, em longas expedições, de 1932 a 1970.

Os artistas – Nascido em família europeia burguesa, Pierre Verger optou pela vida simples, diferente de sua origem. Longe de casa, dedicou-se integralmente à fotografia, à pesquisa e à religião de matriz africana.

Realizou, ao longo da vida, um trabalho fotográfico importante, baseado no cotidiano e na cultura popular de povos dos cinco continentes. Como pesquisador, escreveu diversos livros sobre cultura afro-baiana e a diáspora, voltando seu olhar de pesquisador para o candomblé, foco de interesse da sua obra.

Natural de Machadinho, Rio Grande do Sul, Ana Ruas vive e trabalha em Campo Grande desde 1996. A artista desenvolve trabalhos individuais, cria projetos de intervenções urbanas e de arte-educação.
Em 2011, inaugurou o Ateliê Ana Ruas, um espaço aberto que reúne artistas, curadores e profissionais de diversas áreas com propostas transdisciplinares.

Serviço - A primeira Temporada de Exposições no Marco estará aberta à visitação de até o dia 1º de junho de terça a sexta, das 12h às 18 horas. Sábados, domingos e feriados das 14h às 18 horas. O Museu fica na Rua Antônio Maria Coelho, nº 6000, no Parque das Nações Indígenas. Outras informações podem ser obtidas no telefone (67) 3326-7449.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.