A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

21/08/2015 19:10

Músicos ficam chocados com valor de cachê proposto para shows do SESC

Lucas Arruda
SESC costuma pagar para grupos convidados de R$ 1.500 a R$ 2.000 em eventos como a inauguração de sua nova sede na Morada dos Baís (Foto: Vanessa Tamires)SESC costuma pagar para grupos convidados de R$ 1.500 a R$ 2.000 em eventos como a inauguração de sua nova sede na Morada dos Baís (Foto: Vanessa Tamires)

Colocar um valor no trabalho de alguém não é algo fácil, por isso na hora de uma instituição, seja ela pública ou privada, abrir um edital é necessário avaliar inúmeros critérios. No início do mês, o SESC publicou um edital de contratação de músicos com valores considerados "ridículos" pela classe por serem muito baixos.

Veja Mais
Danielle Winits vive Marilyn Monroe em peça que estreia em janeiro na Capital
Fim de semana tem Naiara Azevedo e contação de histórias

A seleção para shows em projetos aqui em Campo Grande, Dourados e Corumbá, remuneram os grupos com os valores de, no máximo, R$ 320,00.

Os cachês começam em R$ 170, para grupos com 3 integrantes. De quatro a seis músicos, são R$ 280 no total a serem pagos.  De sete integrantes acima, o valor é de R$ 320. O edital deixa claro que as quantias são pagas para a banda, não por integrante. Pior, avisa que ainda serão descontados os tributos, o que deixaria o pagamento ainda menor.

O guitarrista da banda Beatles Maníacos, Eloy Paulucci, ficou sabendo do edital por meio de uma amiga, que não havia lido. Ele foi atrás e achou os valores "desrespeitosos" com toda a classe dos músicos. “Este cachê (R$ 170) é até aceitável se for para um músico com voz e violão, mas para uma banda com vários integrantes não é”, aponta.

Para shows de outros artistas convidados para eventos maiores, de boa divulgação, o SESC paga em média de R$ 1.500 a R$ 2.000. Já em um edital, o participante precisa passar por um viés burocrático, tendo que conseguir vários documentos para participar. “Tudo isso gera um custo e, além disso, muitas vezes temos que contratar um funcionário para nos ajudar com os equipamentos, um técnico de som e gastamos com o transporte para a realização e alguns outros gastos também. Para uma banda com quatro integrantes ou mais o mínimo seria R$ 1.500 de cachê”, avalia.

O presidente do Simatec/MS (Sindicato dos Músicos, Autores e Técnicos de Mato Grosso do Sul), Beko Santanegra, lembra que ainda não há um piso salarial para os músicos do Estado e que a instituição pode pagar o valor que achar justo.

“Estamos lutando pelo nosso piso, que é de R$ 160 por músico, mas ainda estamos esperando a aprovação do Ministério do Trabalho, mas realmente estes cachês para bandas não está de acordo com o que lutamos. O que podemos fazer é propor à classe que não participe do edital”, afirma.

Quando leu o edital, Eloy até chegou a questionar a instituição se havia algum erro, se estava faltando algum zero, mas recebeu a resposta de que o está correto. “Está sendo imposto um cachê ridículo”, avalia.

Ainda está no edital que caso o contratado não cumpra a obrigação assumida, deverá pagar uma multa correspondente a 10% do valor do cachê, o que nesse caso é até vantagem, porque ficaraia entre R$ 17 e R$ 32. “Seria melhor pagar a multa do que fazer a apresentação, sai mais barato”, brinca indignado o guitarrista.

Depois do questionamento feito pelo Lado B, a assessoria de imprensa do SESC garantiu que o edital de seleção de artistas e grupos de música está cancelado para reavaliação dando maior clareza às cláusulas. O novo edital será publicado em 15 dias.




Existem os dois lados: Músicos que se sujeitam a tocar por um cachê miserável, músicos que se sujeitam a tocar por uma garrafa de cerveja e até músicos que tocam de graça. A classe dos músicos, deveria ser mais unida, lutar por cachês significativos e não aceitar, nunca, jamais, a tocar por um preço imposto pelo contratante. Vejo muitos locais que cobram o couver artístico, e nunca repassam pros músicos. Isso tambem deveria ser muito questinado. Alguns músicos abusam de bebida alcoólica, e o estabelecimento comercial não tem obrigação nenhuma em servir bebida alcoólica pra nenhum músico. Se alguns o fazem , é uma cortesia à parte.
 
Estevam em 09/10/2015 10:34:16
Alguns músicos regionais são capachos do município e do Estado. Músicos nacionais recebem valores de de 30, 40, 80 mil reais para realização de um show. Os artistas prata da casa se sujeitam a receber miseráveis cachês ( 500 reais em média) para fazer esquenta palco dessa gente. Os orgãos de cultura do Estado e município deveriam ter vergonha dessa política.
 
Ganso em 22/08/2015 11:19:12
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.