A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

21/07/2014 06:23

Rede que aceita Vale-Cultura cresce e dá até para comprar instrumentos musicais

Elverson Cardozo
Modelo do cartão. (Foto: Reprodução/Internet)Modelo do cartão. (Foto: Reprodução/Internet)

O Mercado Cênico, núcleo teatral independente de Campo Grande, é o mais novo espaço credenciado para receber o Vale-Cultura, benefício do Ministério da Cultura, destinado aos trabalhadores com carteira assinada. Em todos os espetáculos promovidos pelo grupo, na sede própria ou no teatro, por exemplo, o pagamento poderá ser feito com o cartão. A primeira ação, com o novo sistema, será uma bienal de teatro programada para agosto.

Veja Mais
Danielle Winits vive Marilyn Monroe em peça que estreia em janeiro na Capital
Fim de semana tem Naiara Azevedo e contação de histórias

O Vale-Cultura começou a ser oferecido em outubro de 2013, mas poucas empresas na Capital já aderiram ao programa. Como o serviço é novo, as informações chegam truncadas tanto para quem tem interesse em aceitar o cartão como para quem dispõe do valor e quer gastá-lo.

O diretor do Mercado Cênico, Vitor Samudio, teve dificuldade para se credenciar. “Estávamos tentando desde maio. É bem difícil, complicado, porque ninguém sabe direito como é. Fui ao banco, procurei informações, liguei nas centrais de atendimento, até descobrir que quem administra é a Alelo. Eles abrem um protocolo, uma ordem de serviço e pedem uns 10 dias”, relata.

O trâmite burocrático pode demorar algum tempo, é verdade, mas diferente dos primeiros meses, está mais fácil se informar a respeito do Vale.

No site do Ministério da Cultura tem, inclusive, as respostas para as perguntas mais frequentes que partem dos trabalhadores, beneficiários, e dos responsáveis por estabelecimentos e operadoras.

Mas, ao que tudo indica, pouca gente se interessou em procurar. A constatação vem na observação da vendedora Elisângela dos Santos de Oliveira, de 36 anos, do quiosque Educação e Cia, no Shopping Campo Grande, outro local credenciado.

“A maioria aparece com o cartão acumulado porque não sabe onde passa”, diz. A maioria que ela diz são 1 ou dois clientes por mês.

No Centro, a Betel Center, na Avenida Calógeras, também recebe o cartão. A operadora de caixa Beatriz Cabrera, de 30 anos, afirma que o movimento maior é no início do mês, quando o crédito “cai” na conta.

A maioria dos pagamentos, conta, é nos setores de papelaria e instrumentos. “Eles [os clientes] deixam acumular para fazer uma compra legal. Levam livros, violão, guitarra”, diz. Na semana do pagamento, a média, segundo ela, é de 5 ou 6 clientes por dia.

Ministra da cultura, Marta Suplicy, em entrega simbólica do cartão, no lançamento do programa. (Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil)Ministra da cultura, Marta Suplicy, em entrega simbólica do cartão, no lançamento do programa. (Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil)

A procura ainda é baixa, talvez porque grande parte dos trabalhadores não sabe ou não se interessou em pesquisar os locais que aceitam, mas, em Campo Grande, várias empresas já estão credenciadas.

O Ministério da Cultura oferece uma lista de 27 operadoras cadastradas. O Lado B pesquisou no site da Alelo e, em um raio de 10 quilômetros, apareceram 41 estabelecimentos: Manancial Gospel (Rua Dom Aquino, 1626), Livraria do Colégio Militar (Avenida Vargas, 2800), Espaço Vip Revistaria e Conveniência (Avenida Duque de Caxias, 4355), Saúde com Sabor (Rua Marmelo, 54), entre outros locais.

Tendo como base a Avenida Presidente Ernesto Geisel o sistema elenca, em um raio de 5 quilômetros, 34 estabelecimentos. Em 10 km, aparecem 42, entre eles Suprimac da rua Dom Aquino, Shop Tudo, Moduraria Quadro a Quadro, na rua São Paulo, Betel Center, Maciel Livros Usados e até a Ideal Concursos Públicos, na 25 de Dezembro. Por enquanto, os três grandes cinemas da cidade (instalados nos shoppings Campo Grande, Norte Sul Plaza e Bosque dos Ipês) não aparecem na lista.

Mesma busca pode ser feita nos sites das outras operadores como South América Cartões, Vale Fácil, Trio Card, ECX Card, Banrisul, AdianTi, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, entre outras. Em alguns não aparecem informações a respeito do vale. Neste caso, recomenda-se ligar na central de atendimento.

Em outros, como Personal Card, Ticket e Trio Card, há informações sobre o benefício, mas o acesso é restrito ao usuário, que deve informar o número e a senha do cartão.

O que é? - O Vale Cultura é um benefício de R$ 50,00 mensais destinado aos trabalhadores de carteira assinada que recebem até cinco salários mínimos. O objetivo do projeto, de competência da SEFIC (Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura), do Governo Federal, é facilitar e estimular o acesso a produtos e serviços culturais, como ir ao teatro, cinema, museus, espetáculos, shows, circo ou mesmo comprar CDs, DVDs, livros, revistas, jornais, instrumentos musicais.

O benefício também pode ser usado para pagar a mensalidade de cursos de artes, audiovisual, dança, circo, fotografia, música, literatura ou teatro. O crédito é cumulativo. A adesão ao vale é facultativa. O trabalhador pode escolher se receberá ou não o benefício, desde que a empresa em que trabalha tenha aderido ao programa.

Para o trabalhador que aceita e recebe até cinco salários mínimos, o desconto em folha (opcional pela empresa empregadora), é de, no máximo, 10% do valor do benefício, ou seja, R$ 5,00. Quem ganha até 1 salário paga R$ 1,00. Acima de 1 e até 2 salários, o desconto é de R$ 2,00. Acima de 2 até 3, R$ 3,00. Acima de 3 até 4, R$ 4,00. Acima de 4 até 5, R$ 5,00. Para quem ganham acima dessa faixa, o desconto é obrigatório e varia de 20% a 90% do valor do benefício, ou seja, pode chegar a R$ 45. A taxa de administração dos cartões não deve ser cobrada do empregado.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.