A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

27/10/2011 13:50

"Ele é o blues" e agora ganha reconhecimento em documentário

Ângela Kempfer
Renato e a cerveja. (Reprodução do Facebook)Renato e a cerveja. (Reprodução do Facebook)

Renato Fernandes não é bonito, nada dedicado à simpatia explícita, bebe, fuma e diz ser preguiçoso...é tudo que o blues exige. Para o convite da primeira banda, os amigos tiveram de peregrinar por bares do bairro Santo Amaro, até encontrar o músico, na mesa de boteco.

Veja Mais
Com bugrinhos de Conceição, galeria reúne arte de MS e área ainda atende eventos
Danielle Winits vive Marilyn Monroe em peça que estreia em janeiro na Capital

Dentro de um Opala, o guitarrista Fábio Brum e o baterista Pezão fizeram a proposta, criar a primeira banda de blues de Campo Grande. Mostraram algumas experiências em fita K7 e arrumaram um vocalista para a Blues Band.

“Lembro muito bem da reação dele (Renato) quando mostramos o som: ‘Porra, era isso que eu procurava”, conta Fábio

Hoje, depois de 21 anos entre algumas letras sarcásticas e acordes doídos, Renato “É o Blues”, um documentário já disponível no You Tube que fala o tempo todo do personagem, mas serve para contar história da música em Mato Grosso do Sul.

O “homem blues” é entrevistado em casa, com retratos de Marilyn Monroe ao fundo, um copo de bebida e caixa de fósforos ao lado, o cigarro na mão, além de Elvis no adesivo do violão, instrumento que Renato explora sem nem uma aula durante a vida.

O filme de 1h06 é assinado por Kleomar Carneiro e Vinícius Bazenga, realizado como trabalho de conclusão do curso de Jornalismo. Com as limitações de uma estrutura acadêmica, os dois tiraram dinheiro do bolso, aprenderam a técnica e investiram na ideia que agora ganha repercussão na internet. “Tem gente de outros estados comentando. Uma menina até reclamou que o Renato não vai para São Paulo e disse que vai vir para Campo Grande para ouvir a música dele”, conta Kleomar.

Vinícius, o fã, trabalhava a ideia desde que entrou na faculdade. Apesar de 11 anos acompanhando o blues como ouvinte, não tinha qualquer relação com Renato, o que rendeu boas surpresas. “O Renato é meio mitológico na noite, fechado, parece nada acessível, mas deu uma entrevista de 2 horas e meia, foi surpreendente”.

No palco, com bêbados Habilidosos.No palco, com bêbados Habilidosos.

Com o documentário ele espera registrar o que o músico representa. “As pessoas têm de saber que se hoje tem banda tocando em bares de Campo Grande,é porque a Blues Band teve a manha de começar e que os grupos de hoje só dão continuidade ao que o Renato cavou, com a música autoral”, justifica Vinícius.

Selvagem - Já de saída, a entrevista com o amigo Clayton Salles resume Renato: “É um selvagem. Ele é o nosso blues. Ele consegue criar o nosso blues sem cantar as coisas regionais. Ele não canta as maravilhas do Pé de Cedro, as grutas de Bonito...Ele canta Renato”.

A história do vocalista referência do blues sul-mato-grossense e a mesma da música e da persistência diante dias e mais dias de casa noturna vazia.

Apareceu com a Blues Band em 1990 e quando a curtição acabou a banda partiu-se ao meio, em dois dos melhores grupos hoje na ativa: Bêbados Habilidosos e o Bando do Velho Jack.

Renato ficou com os Bêbados e Fábio com o Bando, na mesma época em que muita gente vinha de fora e descobria que Mato Grosso do Sul era bem mais que os ritmos regionalistas.

As bandas iam se formando com garotos recém chegados de São Paulo e Rio de Janeiro, surpresos com a qualidade do que ouviam na noite de Campo Grande.

“Eu tinha mudado de São Paulo para cá e não imaginava que aqui ia encontrar banda de blues. Se hoje ainda é música sertaneja carro-chefe do Estado, imagina antes, não tinha espaço para o rock”, lembra o baixista do Bêbados Habilidosos, Marcelo Rezende.

O baixista do Bando do Velho Jack, Marcos Yallouz, teve sensação semelhante ao descobrir o blues por estas bandas, depois de anos no Rio de Janeiro. “De repente eu vejo um cartaz: Show da Blues Band, na chácara São José, onde hoje é o Parque das Nações Indígenas. Fiquei contando os dias para ver”.

E assim segue o filme, com muitas histórias pessoais, como o casamento que começou com uma brincadeira. “A aposta foi ver quem ia namorar com ele por uma semana”, diz a ex-mulher Sara Messa.

O documentário renderia muitos outros parágrafos, mas o melhor é assistir a história de um cara que não persegue a fama.

Ele é o blues e agora ganha reconhecimento em documentário



Cara muito bom. Lembro muito bem da época do Blues Band, ia assistir aos shows no Bar Sucão (era em frente a UFMS). Bem nesta mesma época do inicio dos Bebados Habilidosos. Tempos bons que ficaram na memória...
 
Adelir Luiz em 08/11/2011 09:51:22
Maravilhoso esse documentário, que saudade ..... que bom lembrar dessa época boa da minha vida, sempre em bares atrás da boa música dos Bêbados ..... Amei .....
 
karin Malagolini em 08/11/2011 04:32:08
Renato Fernandes é a alma do Blues...
 
Ricardo Motta - Rincão em 03/11/2011 01:35:08
Fiquei horas olhando para o espaço do comentário tentando achar palavras para colocar aqui...e a única coisa que me vem é: 'sem palavras para descrever o documentário e o que isso representa para nós de Campo Grande'.
Me bateu uma nostalgia de quando eu ia para o fly, pegava minha cerveja e ficava 'horas' escutando Bêbados Habilidosos tocar. E cheguei a conclusão que preciso voltar a fazer isso...
 
Geisiane Freitas em 28/10/2011 12:26:32
Parabéns tbm ao Campo Grande News por abrir esse canal para a música do nosso Estado e proporcionar o reconhecimento dos nossos artistas.
 
Alexandre Drums em 28/10/2011 11:34:00
Isso aí Renato! parabéns pelo trabalho e também parabéns aos garotos que realizaram o trabalho. continue fazendo a diferença na música do MS!!
 
paulo henrique em 28/10/2011 10:17:50
sou de sp morei em campo grande mas se tem uma coisa que essa cidade me deixou é o tereré que pago uma fortuna pra beber sozinho e o cd do bebados que quando escuto lembro das noites no fly. nostalgia pura.
 
fred rojer em 28/10/2011 07:51:47
È muito bom saber que músicos do Calibre de Renato conseguem um reconhecimento no estado onde sua arte não predomina.È bom para Campo Grande para o estado e para o blues(o verdadeiro pai do rock!)
 
Jean Gabeloni em 28/10/2011 02:01:01
Parabéns pelo reconhecimento!
 
katia karine em 27/10/2011 11:08:32
A poesia e as composições originais do Renato transcendem a matéria e o tempo e um dia vão ser reconhecidas merecidamente. Ele é o cara que abriu os caminhos mostrando que é possível ter uma banda de blues no Estado de MS.
 
sergio spengler em 27/10/2011 07:26:12
O Documentário ficou ótimo!! Sou suspeita pra falar mas foi um prazer participar... Muito bom ter essa divulgação, assim as pessoas conhecem um pouco mais sobre a história do rock e do blues no MS e conhecem o trabalho maravilhoso do Vinicius e do Kleomar! Parabéns a todos...
 
Renata Messa em 27/10/2011 04:32:31
A banda Bêbados Habilidosos faz uma música incrível. Quando morava em Campo Grande colava no Fly toda sexta pra apreciar o Renato detonando. Não é fácil fazer música, principalmente o verdadeiro blues, no MS! Parabéns!
 
Juliana Tonin em 27/10/2011 03:33:51
Eu amei o documentário. Isso não foi apenas um trabalho de conclusão de curso, foi uma declaração de amor e reconhecimento... gostaria de entrevistá-lo e colocar a entrevista no meu site, como posso fazer para entrar em contato com ele?

Grata!
 
JANE OLIVEIRA em 27/10/2011 03:25:21
Sem dúvida,o Renato é um dos maiores compositores que eu já vi.O que mais me impressiona é a naturalidade como ele compõe suas letras,e as transforma num estilo próprio com melodias marcantes,que até hoje ninguém conseguiu copiar...

#Viva a Bêbados Hbilidosos



 
Cauê Fava em 27/10/2011 03:06:53
A banda Bêbados Habilidosos representa uma resistência ao óbvio que há no estado. Vida longa à banda.
 
Jéssica Machado em 27/10/2011 02:12:45
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.