A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

19/07/2014 07:23

Bar cria sistema onde o cliente decide se vale a pena pagar o couvert

Aline Araújo
Ivan é quem teve a ideia do Couvert Democrático (Foto: Marcelo Victor)Ivan é quem teve a ideia do Couvert Democrático (Foto: Marcelo Victor)

“Se o som é bão eu dou 5cão” é o slogan do "Couvert Democrático", sistema implementado pelo Blues Bar para valorizar os artistas que se apresentam no local, sem uma imposição aos clientes que já elegeram como uma das principais chateações da noite a tal cobrança. A ideia é simples, se você gostar da banda que está se apresentando, pode contribuí com a quantia que quiser.

Veja Mais
Parque das Nações terá Jota Quest de graça, além de Curimba e Bella Xu
Morre ator e comediante Guilherme Karan aos 58 anos

Tem gente que ajuda com R$ 2,00, com R$ 10,00 e até R$ 50,00 já foram parar na caixinha. Tem os que preferem não contribuir, e mesmo assim não há indisposição com os donos do bar. A ideia é essa mesmo, a de ter a liberdade de escolher. “Eu quis tirar as coisas que eu não gostava dos bares que eu frequentava, como a obrigatoriedade de pagar algo que você não curtiu ou não viu”, explica Ivan Torres, 36 anos, um dos sócios.

Ivan é bem humorado, conta que tudo começou com uma brincadeira, uma maneira de valorizar os músicos e criar uma interação com o público. Quem colabora, recebe uma ficha para participar de sorteios que a banda faz durante o show. São brindes como cervejas, drinques, porções e souvenirs. O dinheiro arrecadado com o pagamento do couvert serve para ajudar a custear essas brincadeiras, já que o bar paga a banda do próprio bolso.

O bar também não cobra entrada. “É para as pessoas se sentirem em casa, vem o público que gosta das mesmas coisas e tudo acaba entre amigos”, afirma Ivan.

As amigas Emanuele e Pollyana aprovam o sistema. (Foto: Marcelo Victor) As amigas Emanuele e Pollyana aprovam o sistema. (Foto: Marcelo Victor)

Mas apesar da liberdade, o proprietário confessa que esperava “que o pessoal contribuísse mais”. Mesmo assim, Ivan gostaria que a ideia fosse praticada por mais embelecimentos. “Acho que todo mundo ia ganhar”, conclui.

Quem ajuda, acha que foi um bom negócio. “Eu acho válido contribuir. O som é bom e o atendimento também, além da gente ficar bem à vontade. Então vale a pena pagar”, conta a empresária Itála Souza Soares, de 41 anos, que visita o bar pela segunda vez na companhia do esposo.

Os que já tiveram problemas com a cobrança embutida do couvert na hora de sair de um bar também aprovam o sistema voluntário. “Vim para conhecer e acompanhar minha amiga, mas estou gostando e achei a ideia bem interessante”, relata a empresária, Pollyana Davalos, de 29 anos.

Ela diz que é primeira vez que aparece para conhecer o Blues Bar. "Na verdade, eu sou Valley total”, brinca. Pollyana conta que se surpreendeu com a opção de pagar ou não. “Nunca me perguntaram, sempre colocavam direto na comanda. Eu acho errado você pagar algo que nem sabe o que é. O correto é informar o freguês”, avalia.

A amiga, a bióloga Emanoele Leite, de 35 anos, acredita que o sistema é correto e simples. “Se você gosta você paga, se não gostar, achar a banda ruim, não precisa”, reforça.

Serviço: O bar abre às 18h e está localizado na avenida Via Parque, 1020.

A banda Whisky de Segunda em uma apresentação no Blues Bar. (Foto: Divulgação)A banda Whisky de Segunda em uma apresentação no Blues Bar. (Foto: Divulgação)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.