A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

01/11/2014 07:23

Angolano diz estar chocado com o preconceito que sofre em Campo Grande

Aline Araújo
Jovane conta que enfrenta o preconceito diariamente. (Foto: Marcos Ermínio)Jovane conta que enfrenta o preconceito diariamente. (Foto: Marcos Ermínio)

"Um dia eu estava andando na Afonso Pena e um homem chegou do nada e me deu um tapa. O que você quer aqui seu preto africano? Volta para o seu País!”, lembra Jovani Nkakata Miguel, de 25 anos, sobre a descoberta do preconceito em Campo Grande.

Veja Mais
Casal queria poetizar início, mas soube rimar como ninguém o "fim" do amor
Monogâmico ou não, gays e lésbicas querem o direito de viver a afetividade

O angolano vive no Brasil há cinco anos e relata situações que parecem coisa de filme, mas não são. Incomodado com a xenofobia e o racismo, ele enviou uma mensagem ao Lado B sugerindo colocar o assunto em pauta.

Os momentos que ele lembra ter passado na cidade são tão absurdos e atrasados que fica até difícil acreditar. Jovani é negro e quando escolheu Campo Grande não esperava ver tanto preconceito, seja ele velado ou escancarado.

Ele diz que, como em todo o lugar, há exceções no comportamento entre os campo-grandenses. Mas das cidades que já conheceu, como Rio de Janeiro ou Florianópolis, aqui é onde ele mais convive com a discriminação, afirma.

Com o sonho de se tornar piloto de avião, veio para Brasil para tirar o certificado. Encontrou duas escolas, uma em Florianópolis e outra em Campo Grande. Escolheu a capital sul-mato-grossense pela curiosidade de conhecer uma região do País da qual não tinha qualquer informação.

“Florianópolis eu já conhecia, mas Campo Grande chamou atenção por ser uma cidade anônima. A gente escuta falar muito pouco dela. Eu vi as fotos, gostei da cidade e vim. Aqui é muito bom de morar, é uma cidade calma, não tem muitos problemas. Porém, às vezes as pessoas não percebem, mas não é uma cidade acolhedora”, avalia.

Entre as situações que já viveu, algumas chegaram à polícia. O angolano sofreu um golpe de um mototaxista por ser estrangeiro. Deu uma nota de R$ 50,00, não recebeu o troco e quando foi perguntar o que havia acontecido foi insultado, recebeu ameaças e o caso acabou com boletim de ocorrência.

Mas o que mais perturba Jovani é o preconceito cotidiano, dos comentários ao tratamento desigual em questões corriqueiras, como a ida até uma loja de roupas ou mesmo comentários no ônibus ou nas baladas. “É complicado. Já entrei em loja e não fui atendido e questionei rapazes no ônibus que comentavam sobre a minha cor. Eles responderam com ofensas, me chamaram de macaco, chipanzé”, conta.

Segundo ele, até quem não tem nada de branco trata os negros de maneira diferente. “Em nenhum outro lugar eu vi pessoas com a pele morena e um poder aquisitivo maior serem tão racistas”, observa.

Quando terminou o curso de piloto, o mercado já estava difícil para todos os formados na área. Com os cursos técnicos de contabilista, gestor, ciências físicas e biológicas e dois idiomas no currículo, inglês e francês, ele encontrou muita dificuldade para arrumar trabalho nas áreas de formação, fatores que ele atribui ao preconceito.

A força para conviver com as situações desagradáveis ele diz encontrar na esposa que conheceu por aqui.

“Não sei se sou o único a falar isso, mas eu vivo isso. Eu ainda estou aqui pela minha esposa, porque já não me sinto bem”.

 




Ei Jovane, não baixe a cabeça e não desista de seus objetivos, em qualquer lugar do mundo, vai ter um "zé mané", que se acha melhor que outro. O ser humano vê a concorrência e a disputa como um obstáculo particular e aí vemos como este é pequeno e insignificante. O brasileiro é um povo tranquilo, mas em muitos lugares o tradicionalismo e o conservadorismo é grande, principalmente em estados do sul do Brasil. Em Campo Grande as pessoas são mais fechadas, por vários fatores, como a falta de lazer, ausência de centros esportivos, sucateamento da cultura, privilégio de certas religiões, imposição de horários de diversão, falta de mobilidade urbana, cultura tradicionalista e outros, mas quem nasceu e cresceu aqui, não troca este lugar por outro, pois é uma cidade muito tranquila.
 
tico em 01/11/2014 21:01:33
É fácil. Volta para Angola!
E depois desse estelionato eleitoral vai piorar, para muita gente. Eles semearam e cultivaram o ódio, com o "nois" contra "eles" ( eles quem?); pretos contra brancos, pobres contra ricos, norte e nordeste contra sul,sudeste e centro-oeste, "nóis" contra as "zelites" ( que sustentam essa massa de parasitas) , as "zelites de olhos azuis"!
Vai ficar muito pior meu caro! Sei de pessoas que cancelaram passagens e reservas no nordeste. Sei de pessoas que boicotam produtos que não sejam do sul e sudeste. Sei de pessoas que estão até aqui...Oh! com esse mar de lama e corrupção. É só aparecer um Bolsonaro com um fósforo na mão,que o país pega fogo!
 
henrique em 01/11/2014 15:47:54
Percebo também que Campo Grande não é uma cidade acolhedora, infelizmente, pois é uma das melhores cidades para se viver.
Espero que esse racismo, tenha logo um fim, ainda não consigo entender o porque essas "pessoas" ainda tem preconceito quanto a cor da pele ou mesmo se ele é estrangeiro.
Não desista de seus ideais Jovani, vá em frente!!!!
 
kheila soares em 01/11/2014 09:41:19
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.