A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

12/10/2015 07:44

Beto vira personagem da Zahran, depois de cobrir fachada com fotos dele mesmo

Lucas Arruda
As fotos foram colocadas para mostrar qualidade da impressão, mas causa curiosidade nos clientes (Foto: Gerson Walber)As fotos foram colocadas para mostrar qualidade da impressão, mas causa curiosidade nos clientes (Foto: Gerson Walber)

Andando pela avenida Zahran, quase chegando à Rui Barbosa, a “fachada” da gráfica Beto Publicidade chama a atenção pelo banner com mais de uma dezena de fotos de um mesmo homem. Tem ele com touca andina, com crianças, sem camisa, ao lado de uma senhora e por aí vai.

Veja Mais
Astrologia védica mostra o futuro, mas também ensina a aceitar o destino
Como mágica, o amor encontrou o palhaço e romance vive liberdade em belas fotos

Ao entrar na loja, quem recebe a equipe do Lado B é justamente o cara das fotos, Edalberto Aparecido de Lima, mais conhecido como Beto. Ele estava atendendo um cliente, sem camisa e bem à vontade. “Aqui é minha segunda casa e é muito quente também”, justifica.

Depois de colocar uma camisa, se sentindo claramente incomodado por isso, ele inicia sua história. Beto começou o negócio ali há 30 anos, mas por quase 20 anos trabalhou em outros pontos da região até retornar ao atual e antigo endereço em 2010.

A paixão de Beto por fotos é antiga, ele tem várias desde a adolescênciaA paixão de Beto por fotos é antiga, ele tem várias desde a adolescência

A ideia do banner com suas fotos é recente. Há apenas um ano sua “fachada” é daquele jeito. “Foi uma doideira que fiz que acabou dando certo. Coloquei para mostrar a qualidade da impressão, mas chama atenção e atrai novos clientes por outros motivos”, diz ele.

Mas o motivo de tamanha exposição não é vaidade, assegura. “Você pode ver, são fotos espontâneas, algumas em que eu acabei de acordar, outras com meus filhos, mostra como sou, que sou de família. Não é que nem as que todo mundo publica no Facebook, lá só estão as bonitas, as minhas aqui são reais”, frisa.

A paixão pelas fotos é antiga. Num álbum surrado e bem velho ele exibe com orgulho fotografias tiradas quando ainda era adolescente, época em que iniciou o trabalho com comunicação visual. “Quando tinha 14 anos comecei a pintar letreiros nas fachadas de estabelecimentos, paredes. Sempre fiz isso e acho que vou morrer trabalhando com a mesma coisa”, afirma.

Hoje ele tem 49 anos. Dos letreiros, foi para as impressões em banners, faixas, placas e outros materiais. Na gráfica, ele tem a ajuda de um arte-finalista que trabalha durante as manhãs, mas garante que a maior parte do serviço é feita por ele mesmo e, apesar de saber mexer nos programas de edição, nunca fez um curso.

“Eu não tenho curso de nada, tudo que aprendi foi com a vida mesmo, praticando. Em 1997 comprei meu primeiro computador, quando estava começando a era da impressão digital. Comecei a fuçar nele e deu certo”, recorda. “Mesmo se meu funcionário não vier dou conta do recado”, completa.

Beto nunca fez curso, aprendeu a profissão na prática, sempre sozinhoBeto nunca fez curso, aprendeu a profissão na prática, sempre sozinho

O preço não é o mais barato da região. Beto cobra em média R$ 80,00 pelo metro de uma impressão em lona ou adesivagem. “Mas qualidade igual não tem. Faço com muito capricho, cor, arte boa, tudo de primeira”, ressalta.

E para quem pensa que o expediente dele termina quando acaba o horário comercial, não é bem assim. “Quase todo dia passo das 22 horas trabalhando com as impressões. As tintas têm um cheiro muito forte e como a máquina está no escritório incomodaria os clientes, eu já estou acostumado”, argumenta.

Nesta semana, ele pretendia colocar um novo banner com fotos atuais, mostrar como a família cresceu, já que o que está na frente de sua loja hoje tem o filho mais novo com um ano, a outra filha com 10 e mais fotos já consideradas antigas por ele.

“Estou precisando renovar, meu filho já está com dois anos, vou por foto do aniversário da minha filha, ela já está maior e outras minhas também. Ainda não tive tempo de pôr, mas logo vai estar lá”, revela.

O mural já faz sucesso por aí. Beto conta que uma vez foi ao Centro e ao pagar uma conta e falar que trabalhava numa gráfica da Zahran o reconheceram. “Tem gente que lembra do meu rosto quando me encontra por aí, eu acho graça”, diz.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.