A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

25/11/2015 06:12

Cheia de dívidas após separação, Rafaela venceu achando emprego para vizinhos

Adriano Fernandes
Rafaela viu em ajudar os moradores do bairro Noroeste, forma de dar a volta por cima depois do fim de um casamento de 14 anos, dividas e uma depressão. (Foto:Fernando Antunes)Rafaela viu em ajudar os moradores do bairro Noroeste, forma de dar a volta por cima depois do fim de um casamento de 14 anos, dividas e uma depressão. (Foto:Fernando Antunes)

Existe uma lan house no bairro Noroeste, precisamente na Rua Indianápolis, número 2000, que é um desses locais que aos olhos dos mais desatentos pouco se nota. Na fachada do "Cyber da Rapha", os anúncios de plastificação e impressão são pura modéstia diante da importância dos serviços prestados no local para toda comunidade do bairro.

Veja Mais
No Tiradentes, brasão do Chapecoense surge na rua como uma homenagem do bairro
Com quadros de amigos e fotos do passado, casa de Isac é pura recordação

O lugar virou ponto de utilidade pública na região e para quem chega pela primeira vez, é impossível não se impressionar com o sorriso e a simpatia de Rafaela Joaquina Laureano, de 29 anos, dona do estabelecimento. 

Ali, Rafa faz matrícula em escolas, inscreve moradores em programas sociais do governo, providencia agendamentos via internet e até ajuda a arrumar um emprego. Prestar esse tipo de serviço aos moradores foi a solução que a comerciante encontrou para dar a volta por cima, depois do fim de um casamento de 14 anos, R$ 50 mil em dividas e uma depressão que a fez ir até o fundo do poço.

 Cyber da Rapha virou utilidade pública no bairro. Atende moradores, comerciantes e estudantes.(Foto:Fernando Antunes) Cyber da Rapha virou utilidade pública no bairro. Atende moradores, comerciantes e estudantes.(Foto:Fernando Antunes)

Há cinco meses é ela quem administra sozinha a lan house. Por 7 anos o negócio foi tocado junto ao ex-marido, até a surpresa do abandono. “Eu me vi sozinha, sem filhos, sem família e a única coisa que me restou foi esse negócio...Um sonho que não era meu, mas que eu aprendi a amar”, conta.

A depressão profunda fez Raphaela perder quase 40 quilos. A cura veio ao encontrar nos próprios vizinhos o apoio que tanto precisava. “Pensei em desistir, sofri muito, até que os moradores começaram a pedir para que eu continuasse. Que precisavam de mim... e isso me motivou...Quis dar uma repaginada na vida, cuidar de mim e dar a volta por cima” diz sorridente.

E a mudança foi mesmo total. Para agradar ainda mais aos clientes e desmistificar o mito de que lan house não dá mais dinheiro, Rafaela criou vários serviços extras. Implantou o “Balcão de Empregos” uma espécie de catálogo, com as ofertas dos principais classificados da cidade. 

“Toda semana eu atualizo as vagas. O cliente vem aqui, eu faço o currículo e se ele quiser já envio via e-mail”, explica. Rafaela já perdeu a conta de quantos adolescentes aprendizes, por exemplo, ela já encaminhou ao mercado. Evangélica, ela garante que para cada cliente que vai a procura de emprego, ela faz uma oração.

No Balcão de Empregos da Cyber da Rapha, ele indica as vagas de emprego e faz os currículos dos clientes.(Foto:Fernando Antunes)No "Balcão de Empregos" da Cyber da Rapha, ele indica as vagas de emprego e faz os currículos dos clientes.(Foto:Fernando Antunes)

“Por ser um bairro carente, muitos moradores não têm qualificação, então fica difícil arrumar emprego. Eu imprimo os currículos, entrego as cópias para o cliente e oro para que ele encontre logo um trabalho”, conta.

Computador no bairro já é algo comum, mas a falta de dinheiro para a internet ainda sustenta o negócio de Raphaela, que disponibiliza 13 computadores para os clientes com wi-fi, por R$ 2,50 a hora. “Muitos moradores já têm computador em casa, mas não sabem usar ou então não têm dinheiro pra manter um impressora ou a mensalidade da internet. Por isso, vem aqui e eu sempre ajudo no que posso”, diz.

A garotada também faz a festa nas 2 TVs de 50 polegadas com Plastation e também tem a prateleira dos “Doces da Infância”, como Rafaela gosta de chamar a variedade de suspiros, “Maria Mole”, sorvetes secos e outros produtos difíceis de encontrar na cidade, mas que não faltam no estoque dela.

Tanta dedicação é motivo de reconhecimento entre os próprios moradores. “É a única coisa importante que tem no bairro...O atendimento aqui é completo. Quando ela vê uma necessidade de alguém ela estuda, pesquisa, arruma uma forma de poder ajudar”, comenta o representante comercial Marco Antônio.

Os Doces da Infância são um atrativo da empresária, para agradar a criançada. (Foto: Fernando Antunes)Os "Doces da Infância" são um atrativo da empresária, para agradar a criançada. (Foto: Fernando Antunes)

Até empresas Rafaela já colaborou na hora da abertura formal, com a impressão de documentos e boletos. 

Um cliente fixo é o empresário Ramão Ferreira Vilalba. “Ela faz até os contratos da minha empresa. Hoje, por exemplo, ela está redigindo a rescisão de um funcionário...Mesmo com todas as dificuldade que ela já passou, ela se esforça, não deixa o barco virar”, avalia.

Dos R$ 50 mil reais em dívidas que teve de assumir com o fim do casamento, Raphaela garante que só falta pagar R$ 3 mil. Por isso, começa a planejar o futuro. Ela pensa em reestruturar o lugar, contratar funcionários e depois, até montar um pequeno shopping no Noroeste.

Para finalizar, pergunto de onde vem aquele sorriso, mesmo em meio a tanta dificuldade. A resposta serve de lição.

“Decidi mudar de vida, quando me perguntaram do sorriso que há 14 anos não viam? Sou muito grata a esse bairro. Todo mundo se conhece, cuida de mim. Do que adianta ter um milhão de amigos numa rede social, se ninguém se preocupa em saber como você está. É daí que tiro minha força... Estou me reerguendo aos poucos e toda mulher tem essa capacidade... A gente mal sabe a força que tem”, ensina.

“Decidi mudar de vida, quando me perguntaram do sorriso que há 14 anos não viam? disse Rafaela.(Foto:Fernando Antunes)“Decidi mudar de vida, quando me perguntaram do sorriso que há 14 anos não viam?" disse Rafaela.(Foto:Fernando Antunes)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.