A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

23/04/2014 06:37

Com 37 mil batizados na história, Paróquia Nossa Senhora de Fátima faz 50 anos

Ângela Kempfer
Frei Oscar mostra livro com os primeiros registros de batismos da Paróquia. (Fotos: Cleber Gellio)Frei Oscar mostra livro com os primeiros registros de batismos da Paróquia. (Fotos: Cleber Gellio)

Da capelinha de madeira com capacidade de, no máximo, 20 pessoas, restou apenas a foto. Em 1964 o lugar virou Paróquia Nossa Senhora de Fátima e não parou de crescer. Hoje, tem fiéis em 20 bairros na região do Monte Líbano e uma história boa de contar.

Veja Mais
Despedida dominou a web na semana em que todo mundo coloriu de verde o coração
Datilografado, pedido de casamento revelou primo apaixonado em 1980

Desde que Frei Gregório de Protásio assumiu a função de fundar a igreja, já são 37.584 batizados e 5.408 casamentos. É muita gente na lista dos sacramentos católicos. A relação começou um ano antes, quando a capela ainda não tinha o status de paróquia.

Os vizinhos eram a maioria de origem árabe, mas mesmo assim o projeto vingou. “Uma família vendeu o terreno que ficava no descampado, no meio do cerrado. Muitas outras pessoas do bairro ajudaram, trazendo e pregando tábuas”, conta o pároco Oscar Langni.

Frei Gregório havia deixado o Rio Grande do Sul, passado por Corumbá e, a pedido do bispo, começou o trabalho no Monte Líbano, em Campo Grande. A santa de devoção foi unanimidade na hora da escolha, lembra o padre. “O bispo Dom Antônio Barbosa disse que queria uma igrejinha para Nossa Senhora de Fátima e o Frei Gregório concordou porque também era a santa de devoção dele.”

Como tocava sanfona muito bem, Frei Gregório passou a reunir pessoas em celebrações animadas e assim a fama se espalhou. De porteiro de convento, chegou à Academia Sul-Mato-Grossense de Letras.

Primeira igreja de Nossa Senhora de Fátima.Primeira igreja de Nossa Senhora de Fátima.

Muitas bênçãos - Com dois anos de vida, Edson Arakaki foi o primeiro bebê a receber o batismo na Nossa Senhora de Fátima, em fevereiro de 63. Um mês depois, em março, Sebastião Batista Pereira e Maria Oliveira Lima estrearam as cerimônias de casamento.

De lá pra cá, famílias se formaram e nunca esqueceram de voltar. “Tem bisnetos de gente que já se casou aqui e que também faz casamento na Paróquia”, diz o Frei Oscar.

Para comemorar o Jubileu de Ouro, uma das primeiras tarefas foi levantar os números, para mostrar a dimensão do trabalho realizado até hoje. Agora, a vontade é reunir todo mundo para dois dias de bênçãos especiais.

No dia 6 de maio, quem foi batizado na Paróquia terá uma celebração específica e no dia 7 a missa será para quem se casou na Nossa Senhora de Fátima.

Na verdade, serão quase duas semanas de festa, de 1º a 13 de maio, dia do aniversário da Paróquia. Na programação há bailão em homenagem a Frei Gregório e a 53ª Trezena, uma espécie de novena, mas realizada por 13 dias consecutivos.

Durante toda a comemoração haverá quermesse, com venda de artesanato, apresentações culturais e religiosas e barracas de comidas típicas, o que inclui, é claro, a boa esfiha e o quibe produzido pelas famílias de origem árabe do bairro Monte Líbano.

Detalhe com os registros dos primeiros casamentos na Paróquia.Detalhe com os registros dos primeiros casamentos na Paróquia.



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.