A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

25/12/2013 07:15

Dono de funerária tem medo de morto e pede uma ambulância neste Natal

Paula Maciulevícius
No escritório da funerária, no Guanandi, Pedro escreve a carta.No escritório da funerária, no Guanandi, Pedro escreve a carta.

Se você, ‘seo’ Pedro, fosse pedir algo para o bom velhinho, o que seria? A surpresa é que, inevitavelmente, os adultos voltaram a ser criança. Nos escritos, não há ‘querido Papai Noel’, mas sempre o agradecimento pelo ano que passou e o pedido por um 2014 melhor.

Veja Mais
Uber multado, reajuste de ônibus e cidade sob chuva bateram recordes nas redes
Do Corinthians ao canteiro de obra, zagueiro que virou servente tem nova chance

Pedro Efoncio de Faria tem 46 anos. É o dono de funerária que tem medo de morto. Há duas décadas trabalhando no setor, se recorda até hoje que prometeu trabalhar só por um mês, pela necessidade, para fazer a compra do mercado. Mas o destino prega peças e quem tinha medo se viu do outro lado, se apegando às famílias num momento de desespero.

“Eu coloquei amor dentro de mim. A morte é normal, nós que somos ignorantes e não sabemos lidar com ela”, diz. Só que os 20 anos lhe trouxeram consequências. Ele não chora nos velórios da família. “Perdi meu pai completou um ano. Tem dois anos que perdi minha sobrinha. De um ano para outro morre alguém e eu não chorei. Por mais que gostasse, não acho motivo para chorar, acho que é porque eu trabalho com isso”.

No escritório da funerária, no bairro Guanandi, ele reluta em escrever a carta. Diz que não tem estudo e pede para ninguém reparar no português. Seo Pedro, Papai Noel vai pelo coração de quem escreve e não pelas palavras. Se é assim, ele começa a carta lendo em voz alta o que a caneta risca na sulfite.

“Papai Noel, eu gostaria de que um dia eu realizasse um sonho, de ter uma ambulância para levar os velhinhos, pelo menos do meu bairro, para o posto de saúde. Porque muitas vezes eles não têm condição de ir de ônibus, para que eles pudessem ter pelo menos um final feliz”.

Ele não tem ambulância ainda, mas usa o carro da funerária para levar quem precisa ao posto de saúde. Dia desses, foi até o bairro Campo Novo, para levar e trazer um contribuinte do plano de assistência para a Santa Casa e vice e versa.

Pedro pediu isso. Só isso. Não foi nada para ele, nem para os dois filhos e a mulher. “Quero fazer algo por quem fez tanto por nós, pelo povo, pela humanidade”, justifica.




Que Deus conceda o desejo do seu coração, porque realmente precisamos deixar de lado o capitalismo e lembrarmos que somos todos irmãos filhos de um Pai que tem poder de deixar rico e de deixar pobre. E acreditar que um dia essa sociedade que só pensa em dinheiro, pensar mais no próximo, ajudar mais o próximo, pois somente o amor vai prevalecer no juízo final.
 
Elson Alencar em 25/12/2013 13:18:17
Parece-me que agora vi um ser que ama o seu próximo!
 
Olices Trelha em 25/12/2013 10:45:03
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.