A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

05/01/2013 10:50

Ele se acidentou, ficou em coma, mas foi identificado graças à tatuagem no braço

Anny Malagolini
Gilvan ficou 10 dias em coma após o acidente, mas conseguiu dizer o nome pela tatuagem no braço. (Foto: Luciano Muta)Gilvan ficou 10 dias em coma após o acidente, mas conseguiu dizer o nome pela tatuagem no braço. (Foto: Luciano Muta)

Há 3 anos, ele sofreu uma acidente de moto. Colidiu contra um poste e teve o rosto praticamente desfigurado. Ficou 10 dias em coma. Quando recobrou a consciência, ainda no hospital, não conseguia falar, mas sabia dizer o nome quando era questionado. Bastava mostrar o braço. A tatuagem bem trabalhada, em letras garrafais, revelava a identidade: Gilvan.

Veja Mais
Datilografado, pedido de casamento revelou primo apaixonado em 1980
Super-heroi, Pedro precisa de ajuda para continuar salvando a alegria da família

“Não conseguia falar porque meu rosto estava quebrado, então, para me identificar, mostrava a tatuagem”, relembrou.

Foi o começo da recuperação. O início da nova vida. A comunicação escrita, inscrita no braço, com o tempo, deu lugar à oral, para alegria do vendedor, que hoje tem 30 anos.

Mas o tempo passou e Gilvan dos Santos se arrependeu da escolha da tatuagem, um sonho antigo. Diz que foi na onda dos amigos, mas não se culpa por ter tatuado o próprio nome.

"Não sei justificar ao certo a escolha”, comentou, ao dizer que fez tudo no impulso. Passou em frente a um estúdio, parou, entrou e saiu “marcado”.

Quem repara no detalhe desenhado no lado externo do antebraço, geralmente pensa que Gilvan é o nome do filho, revelou o vendedor.

Ele dispensa o título de narcisista, mas quem vê de fora não pensa da mesma maneira. Tatuador há 20 anos, Arnaldo Redeke considerou estranha a escolha de Gilvan.

Em duas décadas de profissão disse que nunca atendeu um cliente que pedisse o próprio nome. “Acho estranho, mas depende de cada um. Cada tatuagem tem uma proposta”, avaliou.

O tatuador Fábio Monteiro, de 38 anos, reprova. Há 3 anos, no mercado, disse que nunca teve um pedido para tatuar o nome da própria pessoa. Para Gilvan,  a ideia estranha para os outros acabou sendo salvadora.

 




melhor tatuar o proprio nome do que a de uma namorada ou namordao
 
fabio de mello em 07/01/2013 17:22:50
Esse cara é uma grande amigo, gente de bem e que por um erro do destino veio a se acidentar. O bairro inteiro sempre pediu por melhoras do mesmo que hoje esta recuperado. Feliz ano novo, nova idade e muitas felicidades para vc!
 
Alexandre de Souza em 06/01/2013 13:05:15
Com certeza, ele foi inspirado por algum anjo de tatuar seu próprio nome no corpo.E com isso pode ser ajudado.num momento tão difícil de sua vida.Que JESUS ilumine o caminho dele em sua nova caminhada.
 
Mercedes brito em 05/01/2013 11:49:12
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.