A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

05/06/2015 06:12

Em caixas, viúva guarda amor de 51 anos, a Guerra e a menina que ficou para trás

Paula Maciulevicius
Aos 87 anos, a vida da senhorinha se resume em duas caixas. (Foto: Marcelo Calazans)Aos 87 anos, a vida da senhorinha se resume em duas caixas. (Foto: Marcelo Calazans)

Na caixa de recordações da 2ª Guerra, deixadas pelo marido, estão os 51 anos de vida juntos. Dona Jacira tem a cabecinha tomada pelo branco, usa óculos e a aliança ainda ocupa a mão esquerda. As fotografias de rosto, onde o semblante da saudade fica nítido, ela não permite que sejam feitas. "Ele não gostava", justifica. Assim como ela, a gente respeita a preferência pela discrição do seu Armando.

Veja Mais
Caligrafia da escola rendeu à Marystella a profissão de designer de lousas a giz
Luis ganhou o título de presidente e hoje é dono da própria cadeira no bar

Aos 87 anos, a vida da senhorinha está resumida em duas caixas, que quando abertas narram uma história de amor num cenário de guerra. "Aqui esta a minha vida", apresenta Jacira do Nascimento Pereira os itens guardados. Entre os anos de 1944 e 1945, Armando José Pereira esteve na Itália, à frente da tomada de Monte Castelo. Hoje são as cartas, diplomas, medalhas e diários que mantém viva dona Jacira e também todo amor. 

A primeira coisa que sai da caixa é o álbum de fotografias. São imagens registradas com a máquina de dois alemães presos pelo Exército Brasileiro na Itália e outras enviadas por Jacira. "Essa eu mandei para ele quando fiz 15 anos. Essa aqui é quando ele se formou para oficial... Ele sempre falava 'eu andei a bota inteirinha'", relembra.

As fotos de Armando foram registradas com a máquina de dois alemães presos pelo Exército Brasileiro. (Foto: Marcelo Calazans)As fotos de Armando foram registradas com a máquina de dois alemães presos pelo Exército Brasileiro. (Foto: Marcelo Calazans)

Menina de tudo, Jacira conheceu Armando quando tinha 14 anos. Foi amor à primeira vista. Em Lins, no Estado de São Paulo, os olhos dos dois se encontravam cada vez que ela passava pelo quartel. Enquanto ele dava as instruções aos soldados, ela caminhava em direção ao centro. "Ali que nós nos conhecemos. Eu não tinha nem 15 anos e ele 21 quando foi para a guerra", conta.

Numa procissão da cidade, Armando levava o andor. "E todo mundo chegava perto, todo mundo queria ver o andor", explica. O interesse dela, ainda que não revelado talvez nem para si, não era só pelo andor.

"Quando eu percebi que ele era o amor da minha vida? Foi na primeira vez. Por que? Não sei. Nós conversamos e ele sempre falava que parecia que estava esperando para me conhecer".

As palavras saem com tanto carinho que nem parecem ter tantos anos assim. Quando a gente diz que está ali para ouvir a história de amor dela, dona Jacira minimiza dizendo "mas isso já faz tantos anos minha filha, minha história é velha, tem mais de 60 anos..." E deve ser linda, penso comigo.

"Eu chamei ele de senhor até o noivado, sabe? Foi quando ele disse para eu não chamar mais ele de senhor. Naquele dia da quermesse ele perguntou 'e você, como chama? Eu me chamo Jacira, falei. E o senhor? Armando. Você não vai esquecer? Eu disse que não, porque o padeiro de casa chama Armando. Ele dizia que isso que o conquistou, a minha ingenuidade, a minha simplicidade".

Foram quatro encontros até ele ir para a guerra e o amor ser alimentado por cartas. (Foto: Marcelo Calazans)Foram quatro encontros até ele ir para a guerra e o amor ser alimentado por cartas. (Foto: Marcelo Calazans)

Foram quatro encontros até que as correspondências fizessem sua parte. A cada carta que ia ou vinha, trazia na caligrafia perfeita de Armando, o carinho de um homem apaixonado. "Quase não teve namoro e logo ele foi convocado. Ele quem me escreveu primeiro. A carta era do dia 20 de julho de 1944 e chegou em agosto, lá no quartel. Chamaram meu pai dizendo que tinha uma carta de guerra para uma das suas filhas".

A carta dizia "muitos votos de felicidade, que é o meu maior desejo. Eu estou muito contente por conhecer um lugar que sempre sonhei e ao mesmo tempo por ser expedicionário brasileiro. Quanto ao meu regresso, espero em breve, para realizar o nosso desejo. Lembranças a todos e e a você, muitas saudades".

E antes que eu pergunte, dona Jacira já responde "sim, era o casamento". O sim e a troca de alianças foi o que, suponho eu, tenha dado forças para que Armando seguisse na guerra. "Eu fiquei até fevereiro sem notícia. A gente achou que ele tinha morrido, minha família tomava muito cuidado para que eu não ouvisse as notícias do rádio". No início de 1945, outra carta chegou e poucos meses depois, quem as escrevia regressou para dizê-las pessoalmente.

"Ele foi até a minha casa e se apresentou. Eu não estava, estava trabalhando. E ele falou para o meu pai e minha mãe que gostava de mim e que tinha a intenção de casar. Se eles permitiam...?"

Da guerra, além da vitória na retomada e das congratulações, o que ficou até hoje do seu Armando, que se aposentou como major, foi a saudade da menina Ani e a vontade de voltar à Itália. "Essa história eu tenho que te contar. Na segunda vez que eles foram para Monte Castelo, eles viram muita barbaridade. Chegaram numa casa e tinha um silêncio total. Na adega encontraram o pai, a mãe, o avô e a avó todos mortos em poltronas, duas moças estupradas, um padre pendurado pelo fio do telefone. Eles saíram andando pelo quintal e numa espécie de granja eles acharam duas crianças escondidas, era um menino e uma menina. A menina, Ani, acompanhou eles a guerra todinha..."

Ani está em várias das fotos com Armando e os demais militares. Quando a guerra chegou ao fim, ele chegou a levar a menina até o porto. "Ele queria trazer ela, mas como era solteiro, não podia. Ele sonhava em voltar para a Itália e encontrar ela".

Da guerra, além da vitória na retomada e das congratulações, o que ficou até hoje do seu Armando, que se aposentou como major, foi a saudade da menina Ani. (Foto: Marcelo Calazans)Da guerra, além da vitória na retomada e das congratulações, o que ficou até hoje do seu Armando, que se aposentou como major, foi a saudade da menina Ani. (Foto: Marcelo Calazans)

Um ano foi o tempo que - aqui de volta ao Brasil e à missão cumprida na guerra - o pai de Jacira pediu a Armando para poder casar a menina. "Minha irmã tinha acabado de se casar e eu também tinha que fazer o meu enxoval". O casamento foi em outubro de 1946 e chegou a completar bodas de ouro.

Seu Armando morreu em janeiro de 1997, no início do ano em que Jacira completaria 7 décadas de vida. Ele já tinha 74 e viveu os resquícios físicos e emocionais da guerra. "Quando ele veio da guerra estava muito magro. A gente tratou achando que era fraqueza e era brastomicose que ele pegou na guerra".

A doença foi tratada por cinco anos, mas voltou décadas depois já como um câncer. A cirurgia, que à época custaria R$ 25 mil não foi cobrada pela equipe médica que soube que o valor seria pago com a venda da casa que vinha "de dinheiro de guerra", como dona Jacira costuma explicar. "E eles eram italianos, de família de Monte Castelo. Eles não cobraram e ainda cuidaram por dois meses do meu marido.

"Eu nunca fechei a janela do meu quarto. Ele tinha que ver o céu, a natureza. Ele não participava de nada, a única distração era o trabalho e a família", conta Jacira. Por vezes era ela quem tinha que o acordar dos pesadelos da madrugada e mostrar que Armando estava em casa e não na guerra.

"Ele foi percebendo e me disse um dia 'eu vou fazer uma viagem'. Perguntei se era para a Itália, porque o sonho dele era ir para a Itália procurar a menina. Ele disse não bem. 'Eu vou fazer uma viagem que você um dia também vai fazer'. Eu nunca deixei ele perceber que eu sabia...

"O que ficou? Tudo. Eu via nele meu pai, meu irmão, meu companheiro. Foram 51 anos de casados e nunca discutimos e nem brigamos. Foi uma vida maravilhosa que nós vivemos..."

As caixas que a nós foram abertas são do primeiro bisneto Victor Hugo. "Quando ele nasceu, o Armando falou tudo que é meu da guerra vai ser pra ele. Ele arrumou a caixinha, o Victor Hugo tinha 6 meses e era para eu dar essa caixa quando ele fizesse 18 anos. Victor Hugo ganhou a "vida" de dona Jacira há um ano. Depois de completar a maioridade, seguindo a exigência de seu Armando.

O que ficou? Tudo. Eu via nele meu pai, meu irmão, meu companheiro. Foram 51 anos de casados e nunca discutimos e nem brigamos. Foi uma vida maravilhosa que nós vivemos... (Foto: Marcelo Calazans)"O que ficou? Tudo. Eu via nele meu pai, meu irmão, meu companheiro. Foram 51 anos de casados e nunca discutimos e nem brigamos. Foi uma vida maravilhosa que nós vivemos..." (Foto: Marcelo Calazans)



Excelente e emocionante historia!!
 
joao em 05/06/2015 21:02:27
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.