A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

20/05/2016 19:35

Em debate, mulheres reclamam de retrocesso em direitos humanos

Naiane Mesquita
O encontro faz parte do Grupo de Estudos Feministas de Campo Grande.O encontro faz parte do Grupo de Estudos Feministas de Campo Grande.

As mulheres se uniram na noite de hoje para um debate sobre as desigualdades de gênero e o retrocesso contra os direitos das minorias diante das mudanças de comando no Brasil. A reunião, que anteriormente seria realizada na Praça do Rádio Clube, foi mudada para a sede do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) que está ocupado por artistas contrários ao fechamento do MinC (Ministério da Cultura).

Veja Mais
Despedida dominou a web na semana em que todo mundo coloriu de verde o coração
Datilografado, pedido de casamento revelou primo apaixonado em 1980

O debate “As mulheres contra o retrocesso” contou com a presença de várias representantes de coletivos femininos e de outras esferas. Homens e crianças também participaram, tornando a discussão ainda mais plural.

“Nós somos contra o retrocesso de direitos para as mulheres tanto no governo Dilma, quanto no governo Temer. Isso simboliza a que patamar nós chegamos e queremos desenvolver uma estratégia de ataque. Mulheres que fazem parte de outros coletivos também estão participando”, afirma a jornalista Izabela Sanches, uma das organizadoras do debate.

O encontro faz parte do Grupo de Estudos Feministas de Campo Grandee a pauta foi definida com antecedência.

A Lei da Mordaça, em que os professores seriam proibidos de discutir política em sala de aula e outros projetos semelhantes como a proibição do debate sobre o direito das mulheres ou a “ideologia de gênero” também foram citados. “Negras, indígenas e todas as mulheres que estão aqui foram convidadas a participar, a falar o que pensam”, acredita Izabela.

Cada mulher normalmente tem uma história para contar. Do mercado de trabalho cruel e preconceituoso até os casos de abuso e violência contra a mulher. Os direitos LGBT também foram mencionados, como a constante ameaça a lei que possibilita que transgêneros tenham direito ao nome social.

Mais informações sobre o tema e outros eventos que serão realizados ao longo do ano na página do Facebook. 




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.