A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

07/10/2012 14:47

Encontros marcados a cada 2 anos rendem amizades de dia de eleição

Ângela Kempfer
Suzana e Fernanda, amigas de eleição. (Foto Minamar Júnior)Suzana e Fernanda, amigas de eleição. (Foto Minamar Júnior)

João Carlos e Rodrigo têm encontro marcado de dois em dois anos. Nenhum consegue se livrar do trabalho de mesário na sessão eleitoral e já são íntimos, apesar de nos últimos 10 anos só terem passado cinco dias juntos.

Veja Mais
No Tiradentes, brasão do Chapecoense surge na rua como uma homenagem do bairro
Com quadros de amigos e fotos do passado, casa de Isac é pura recordação

“Eu era presidente, depois passei o posto para ele e virei mesário. A gente vai fazendo rodízio, mas não se larga”, brinca João, que por coincidência tem a mesma profissão de Rodrigo, a de representante comercial.

“Na hora que estamos aqui, até torçamos telefone, combinamos de um dia se encontrar, mas a correria do dia-a-dia faz a gente esquecer e só lembrar um do outro no dia da eleição”, justifica Rodrigo.

Deve ser assim em todas as sessões eleitorais. Obrigados a prestar serviço ao Tribunal Eleitoral, os mesários aprendem a aproveitar o dia e fazer amizades.

Juslei é fiscal do PT, Leonardo do PMDB, mas isso não impede uma aproximação.Juslei é fiscal do PT, Leonardo do PMDB, mas isso não impede uma aproximação.

Suzana apareceu contrariada. Há dois anos trabalha nas eleições, diz que fica mal humorada na véspera, mas depois curte a experiência. “A gente conversa, ri, fica divertido”. Ao lado, Fernanda concorda e detalha o bate-papo. “Falamos da família, dos estudos, da falta de  homens no mercado”, ri.

Apesar da seriedade tomar conta da sala de votação quando um eleitor aparece, quando não tem ninguém, dá até para o mesário da outra sessão aparecer para uma brincadeira com as colegas.

Carlos é veterano, já está nas eleições há mais tempo que muito candidato. Há 12 anos foi mesário pela primeira vez e parece ser um dos mais dispostos a se aproximar das colegas.

“Venho paquerar. Espero dois anos para ver ela de novo”, brinca olhando para Fernanda que responde: “Hoje ele convidou a gente para almoçar na Casa do Peixe, mas já desmarcou”.

Até para quem é rival, aquelas horas de bobeira na sessão, a espera de eleitores, pode ser o começo de algo. Juslei é fiscal do PT, Leonardo do PMDB, pela manhã não conversaram muito, mas ainda têm a tarde toda para uma aproximação.  “Já sei onde ela mora e onde vota”, diz Leonardo.

Também há a afinidade entre eleitores. Maria encontrou Leandro no ônibus, depois de votar no bairro Monte Castelo. Como o rapaz é cego, quando desceram no mesmo ponto Maria ofereceu ajuda e Leandro adorou. “Ela me trouxe a agora vai me levar até o ponto, não dá para ser melhor”, diz ele. “Gosto de fazer amigos sempre e a eleição é só mais uma oportunidade”, justifica ela. 

Leandro e Maria, amizade no ponto de ônibusLeandro e Maria, amizade no ponto de ônibus



Ser mesário é uma experiência legal, porém não remunerada, você fica o dia todo, no meu caso em uma sala quente, tendo que lhe dar com pessoas mal educadas, não é facil não, contribuindo pra esse processo que nem é tão democrático assim!
 
Susan Carolina Mattos em 08/10/2012 13:11:36
É muito bom, esses encontros de 2 em 2 anos, sou presidente e já vou contando (com certeza) com as pessoas que trabalham na seção, aproveitamos para trocar ideias e contar o que aconteceu nos ultimos 2 anos, até os eleitores nós conhecemos e os esperamos, por cada 1. Nesse ano, minha filha tambem trabalhou, e quando chegamos em casa fomos contar "as pérolas" de 1 dia de eleição rsrsrsrsrsrsr!!!!!!
 
Valdecí Batista Santos em 08/10/2012 11:47:43
Ah, meu prazer em votar é encontrar de dois em dois anos uma moça que era uma menina amiga de escola de uma filha minha, quando tenho a grata lembrança delas meninas.
 
Celso Pereira da Silva em 08/10/2012 10:50:17
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.