A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

28/02/2016 07:23

Enquanto costura enxoval, Edilza vive encantamento de ser avó pela segunda vez

Paula Maciulevicius
Edilza e a boneca, uma de suas primeiras confecções. (Foto: Alan Nantes)Edilza e a boneca, uma de suas primeiras confecções. (Foto: Alan Nantes)

Quando Edilza chegou ao ateliê de costura, o interesse era aprender a fazer caixas para facilitar a organização de casa. Quando os olhos encontraram o que ela descreve como tantas coisas bonitas, a jovem senhora aprendeu que ao emendar um tecido no outro, podia ver nascer "Chica", a primeira boneca para a primeira neta, Alice. O tempo passou e o propósito das idas ao ateliê, também. Hoje a costura constrói o enxoval de Cecília, a neta que está por vir, irmã de Alice e o motivo de tanta alegria para os olhos de Edilza. 

Veja Mais
A pé, Tulia faz percurso de 10 km até biblioteca onde aprendeu a ser feliz
Passada "nuvem negra" que trouxe o câncer, rosa tatuada no braço une 4 mulheres

"Minha filha pediu para eu fazer uma colcha para a cama da Alice e um porta-fralda, a toalhinha de por na bandeja, um paninho para a garrafa térmica. Estou também bordando a letra "C" para o quadrinho do quarto", descreve a avó. Edilza Cazerta Goulart, tem 62 anos, é professora aposentada e hoje exerce uma das mais encantadoras funções, a de ser avó, mesmo que à distância.

O enxoval é para a decoração do quarto do bebê, em São Paulo, onde a filha mora há 18 anos e para onde vai o coração de Edilza cada vez que ela pensa nas netas. As peças começaram a ser feitas há pouco mais de um mês. Cecília já está no sétimo mês na barriga da mamãe.

Depois da boneca Chica, avó agora prepara enxoval da segunda neta. (Foto: Alan Nantes)Depois da boneca "Chica", avó agora prepara enxoval da segunda neta. (Foto: Alan Nantes)

"Nessa foto a Alice está conversando com a Cecília. Ela acha que ela está desmontada lá dentro e diz que quando o bebê sair, ela e a mãe vão montar a Cecília". Edilza conta e dá risada da pureza da neta tagarela.

Quando a agulha encontra o tecido, o pensamento de Edilza transpassa a costura. "Primeiro eu quero que fique tudo bonito. É muito agradável você trabalhar, ir emendando um tecido no outro e quando você vê, brota um produto, que você fez, à mão", descreve a avó.

"Quando eu estou quieta, sozinha, fazendo essas coisas, eu vou pensando nela e que coisa boa eu ter essa saúde para fazer isso, esperar a minha neta". Os olhos por trás dos óculos chegam a brilhar e passam um pouquinho do que sente a avó, na expectativa de ver Cecília vir ao mundo.

"Quando a gente casa, o padre fala na benção: que vocês possam ver os filhos dos seus filhos. Eu sempre tivesse essa vontade e assim eu vou pensando, é uma forma de eu esperá-la. Eu já estou amando a Cecília antes de ela nascer, nessa confecção". O tempo da costura é dividido entre o enxoval do bebê e a colcha para a cama de Alice. No coração da avó, cabe duas e muito mais.

Nas mãos, vai todo carinho de quem está de braços abertos para receber Cecília. (Foto: Alan Nantes)Nas mãos, vai todo carinho de quem está de braços abertos para receber Cecília. (Foto: Alan Nantes)

Enquanto borda, Edilza pensa como Cecília será. Não há uma projeção física da cor de cabelos, dos olhos e também da personalidade. O que sobra é a felicidade de saber que uma terá na outra a primeira grande amiga.

"Eu fiquei muito feliz da minha filha ter duas meninas. É gostoso ser mãe de mulher e é muito bom ter uma irmã. A Alice vai ter uma irmã e eu penso que elas vão brincar muito. Gostaria que elas tivessem uma amizade e que a gente não pusesse disputa entre elas, porque comparação é a pior coisa que a gente pode fazer para uma pessoa".

Em duas ou no mais tardar, três semanas, o enxoval embarca para a capital paulista e com ele vai muito do sentimento da avó, da delícia de se ter netos.

"Quando a Alice nasceu eu senti, parece que a gente sente um encantamento. A palvra é essa: encantamento, de fada, daqueles de varinha de condão. Você muda, você fica encantada e esse encantamento ele vai mudar, porque o amor vai mudando. Os netos conquistam a gente. Você ouve: vovó vem cá. Vovó, eu gosto de você, do nada. Ninguém ensina".

Ser avó é o combustível que reacende quando o trabalho cessa, a vida entra numa rotina mais tranquila e traz o brilho e a vontade de continuar vivendo, de volta.

"Parece que na hora que a gente está murchando, o neto chega e te dá vontade de viver mais, de viver com saúde para poder desfrutar tudo. Eu leio história para a Alice e ela adora. Ela já chega, vem com o corpinho e encosta na gente. Leio historinha para ela um tempão. Isso renova a crença na vida, renova a vontade de viver e uma porção de coisas".

Curta o Lado B no Facebook. 




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.