A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

16/08/2014 07:34

Escoltada por Fuscas, noiva chega de Kombi para casar em exposição de orquídeas

Elverson Cardozo e Aline Araujo
Noiva chegou em Kombi e foi escoltada por Fuscas. (Foto Marcelo Victor)Noiva chegou em Kombi e foi "escoltada" por Fuscas. (Foto Marcelo Victor)

A supervisora de atendimento Luciana Monteiro Maria, de 41 anos, não imaginava que um dia fosse casar no meio de orquídeas caríssimas, de várias partes do mundo, e nem que chegaria ao salão em uma Kombi, "escoltada" por um Fusca preto de 1982 e um verde de 69.

Veja Mais
Uber multado, reajuste de ônibus e cidade sob chuva bateram recordes nas redes
Do Corinthians ao canteiro de obra, zagueiro que virou servente tem nova chance

Ela também nunca imaginou que a cerimônia pudesse ser pública e que viraria notícia, mas tudo isso aconteceu ontem (14) à noite, no Armazém Cultural, em Campo Grande. Foi culpa do noivo, agora esposo, o funcionário público e militar aposentando do exército Luciano Pereira dos Santos, de 40 anos.

Colecionador de orquídeas há 6 anos e membro da Confraria dos Apaixonados por Fuscas, Pereira, como é conhecido, achou que seria legal, diferente e barato, trocar as alianças durante a 9ª Exposição Nacional de Orquídeas, mostra aberta nesta sexta (15) e que segue até domingo (17).

Com a ideia na cabeça, ele procurou os responsáveis pelo evento, conseguiu autorização e logo deu a notícia à amada, que não pensou duas vezes para dizer sim. Dentro da Kombi, que ficou parada em um posto de combustível, Luciana estava, ao lado de duas daminhas, nervosa, mas bem emocionada.

"Fiquei sabendo um mês antes. O Pereira está realizando todos os meus sonhos. Achei que iria casar na Justiça Intinerante mesmo", comenta, segurando um buquê de rosas. O arranjo seria de orquídeas. Um orquidólogo que participa da exposição já havia prometido, mas não deu tempo de fazer. No salão, a caminho do altar, a supervisora se mostrou tão empolgada e feliz que chegou a gritar "Eu vou casar" por mais de três vezes durante o caminho percorido da chegada ao altar.

Cerimônia foi rápida e reuniu apenas convidados próximos do casal, além de alguns curiosos. (Foto: Marcelo Victor)Cerimônia foi rápida e reuniu apenas convidados próximos do casal, além de alguns curiosos. (Foto: Marcelo Victor)

O casamento, que durou menos de uma hora, aconteceu após o horário de visitação à mostra, depois das 22h, e reuniu o público de expositores e visitantes que estavam presentes no Armazém ontem à noite, além de curiosos e convidados do noivo e da noiva. Eles só puderam chamar 60 pessoas.

O número limitado foi para evitar tumultos e, com isso, preservar as espécies de orquídeas expostas no local. A decoração do salão, padrão do evento desde as primeiras edições, “caiu como uma luva” para o casamento porque tinha, inclusive, o tapete vermelho, além de fontes artificiais e tecidos brancos pendurados no teto.

Flores não faltaram. A beleza ficou nos detalhes de cada uma. Só isso já bastaria, mas para dar mais cara de casamento, o casal ganhou, ainda, um altar decorado com várias espécies, algumas raras.

A economia com a decoração não foi a única estratégia adotada pelo noivo. Ele conseguiu, inclusive, patrocínio com empresários. O vestido de Luciana, que sairia por pelo menos R$ 1 mil, custou R$ 400,00. “Eu coloquei o nome da loja no nosso convite e eles me deram desconto”, revela. O sapato dela foi doado por um amigo, que tem loja em Campo Grande.

Luciana, apesar de nervosa, era pura empolgação. Ela nunca imaginou que iria casar assim. (Foto: Marcelo Victor)Luciana, apesar de nervosa, era pura empolgação. Ela nunca imaginou que iria casar assim. (Foto: Marcelo Victor)

Cerimônia - A supervisora entrou ao som de “Do princípio ao fim”, música gospel do cantor Fabiano Motta, enquanto Luciano pisou no salão, trajando uma túnica militar, quando começou a tocar “Lendas e Mistérios”, da dupla Maria Cecília e Rodolfo.

“Diz a lenda que muitos e muitos anos atrás / Um casal que se amava contra a vontade dos pais / Se encontravam escondidos na escuridão / Eram guiados pela força da sua paixão / Era o amor vencendo o medo...”

A letra pouco tem a ver com a história dos dois. Ao contrário do que diz o texto, Luciano e Luciana não se amaram contra a vontade dos pais, até porque se conheceram adultos e quando ambos já tinha vivido outras paixões. Nenhum, no entanto, tinha se casado e por isso sonhavam com o momento. Ele já tem um filho de 18 anos. Ela ainda não é mãe.

O funcionário público e a supervisora se conheceram em meados de 2010 e se aproximaram por conta dos amigos em comum. Começaram a sair depois de 2 meses, engataram um namoro que durou mais de 3 anos e, em 9 de fevereiro deste ano, data de aniversário de Luciano, noivaram.
“O que me chamou a atenção nela foi a simplicidade”, diz ele. "Ele é uma alma boa. Uma pessoa muito querida", elogia Luciana.

Luciano tinha a intenção de fazer uma festa surpresa para a amada. Chegou a arquitetar toda a cerimônia, combinando com amigos, parentes e colegas de serviço dela, mas o plano veio por água abaixo quando ele começou a ver os trâmites legais.

Dentro da Kombi com as daminhas. (Foto: Marcelo Victor)Dentro da Kombi com as daminhas. (Foto: Marcelo Victor)

“Fui falar com um padre e ele disse que poderia ser assim, mas teria de fazer uma entrevista com a noiva antes, mas aí ela iria descobrir”, relembra.

Não saiu como o esperado, mas valeu a pena. Quem assistiu o casamento no meio das orquídeas, gostou. A farmacêutica Kátia Vido, de 21 anos, estava visitando o espaço, já estava saindo do espaço, mas resolveu parar um pouco quando viu a movimentação em torno da Kombi. "Muito legal a ideia. Bem diferente", comenta.

"Sendo do Pereira, não me surpreende. Ele sempre foi muito criativo", diz o advogado Jackson Silva da Cruz, de 39 anos, um dos padrinhos do casamento.

"A ideia é original. Quem sabe possa inspirar mais pessoas a casarem aqui nos próximos anos", afirma o piscineiro André Liano, de 37 anos, um dos integrantes da Acoa-MS (Associação Campo-grandense de Orquidofilia e Ambientalismo de Mato Grosso do Sul), entidade que promove a exposição.




O Fusca foi o primeiro carro produzido pela Porsche, e a lendária Kombi, muitos europeus vem ao Brasil a procura dos modelos mais antigos para restaurar e revender na Europa.
 
Marcos Wild em 16/08/2014 22:27:52
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.