A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

25/03/2014 21:02

Fiéis dizem que não querem ver milagres, mas ouvir palavra de “profeta”

Ângela Kempfer e Anny Malagolini
A expectativa de 50 mil pessoas, mas até às 20 horas cerca de 10 mil assistiam a pregação. (Foto: Marcos Ermínio)A expectativa de 50 mil pessoas, mas até às 20 horas cerca de 10 mil assistiam a pregação. (Foto: Marcos Ermínio)

O Parque das Nações Indígena não ficou lotado, mas reuniu gente de diversas regiões da cidade e até de fora do Estado para ouvir o “profeta”. A expectativa era de tumulto e multidão no evento onde a estrela é o queniano David Owuor, principal convidado da “Conferência de Arrependimento e Santidade – A preparação para a vinda do Messias”, que vai durar dois dias.

Veja Mais
Caligrafia da escola rendeu à Marystella a profissão de designer de lousas a giz
Luis ganhou o título de presidente e hoje é dono da própria cadeira no bar

Famoso por “chamar” chuva e prever tragédias, o homem que se diz profeta não fala português, grita bastante, o que dificulta a compreensão. Mas quem foi até o Parque nesta noite, tem fé suficiente para entender qualquer coisa, apesar dos problemas de comunicação.

A expectativa era de pelo menos 50 mil pessoas, mas até às 20 horas eram cerca de 10 mil. A família do cozinheiro Jeferson Silveira, de 42 anos, compareceu completa. Ele é católico, mas foi influenciado pela esposa evangélica. “Apesar de ser de outra igreja, acredito na religião pela fé”, resume.

Sobre as histórias de que o queniano é o homem de Deus na terra, capaz de prever catástrofes e comandar o clima, Jeferson acha que acreditar depende do ponto de vista. “Fé é fé, não podemos ficar duvidando”, argumenta.

As amigas Ana Flávia, 18 anos, e Ingrid Araujo, de 19, chegaram cedo e com o tereré ao lado sentaram no gramado ansiosas pela “palavra”. “Acredito no poder da oração e da palavra Deus, que deu poder a ele. Estou aqui para ser tocada por Deus”, comenta Ingrid.

O bacharel em Direito Emanuel Rocha, 24 anos, deixou esposa e filho em Cuiabá e enfrentou um dia de conexões para chegar a tempo na conferência. Ele diz que o "Espirito Santo" o ajudou a encontrar o queniano na internet. “Há 6 meses, mostrou para mim vídeo dele no Youtube”, afirma.

Depois, em mais pesquisas, descobriu que o profeta estaria em Campo Grande e não teve dúvidas sobre os motivos para viajar. “A palavra dele é diferente, vem de Deus que o escolheu entre todos filhos para transmitir”.

Como todos os outros entrevistados, Emanuel garante não ter curiosidade sobre os supostos milagres ou premunições. O que interessa é o que ele tem a falar. “Vim pela palavra, não preciso de milagre. Estou próximo de Deus”, argumenta.

Juliana silvestre, de 32 anos, é outra que acompanha o queniano pelos vídeos postados no Youtube. “Por isso não podia perder. Também não busco milagre, porque ele já estava acontecendo só por eu estar viva”, comenta.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.