A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

14/10/2016 06:05

Gravada há 10 anos e encontrada agora, fita cassete é trilha sonora de 2 vidas

Paula Maciulevicius
A dedicatória que marcaria, além da fita, uma história da bela amizade entre elas. (Foto: Arquivo Pessoal)A dedicatória que marcaria, além da fita, uma história da bela amizade entre elas. (Foto: Arquivo Pessoal)

Camila, Ana, o cursinho, a faculdade, o namoro e o casamento. A história de duas amigas que tem como trilha sonora uma fita cassete. Gravada 10 anos atrás, entregue exatamente no dia em que Ana percebeu que estava apaixonada por Eliel e reencontrada agora, sempre que ouvida as músicas do lado a e b fazem despertar sentimentos genuínos, não importa a época. 

Veja Mais
A pé, Tulia faz percurso de 10 km até biblioteca onde aprendeu a ser feliz
Passada "nuvem negra" que trouxe o câncer, rosa tatuada no braço une 4 mulheres

"Cara e doce Ana,

Estas são algumas das músicas que me "embalam" - se é que você me entende - e sei que você também se embalará com elas..."

No dia 8 de julho de 2006, Camila gravou essa fita com as canções: I need love, Black ballon, Can't take my eyes of you, I'm happy to be here tonight, Flowers in the window, Dreams, Take my hand, This Kiss. E no lado b: Melissa, Cão de guarda, Satisfaction, American Pie, Goodbye yellow brick road, You're so vain, Todos os dias e Por que não pensei nisso antes? 

Relação das músicas românticas gravadas por Camila para Ana, em julho de 2006. (Foto: Arquivo Pessoal)Relação das músicas românticas gravadas por Camila para Ana, em julho de 2006. (Foto: Arquivo Pessoal)

As duas se conheceram em 2004, no cursinho e tiveram a grande alegria de se verem na mesma sala, no ano seguinte, no curso de História na UFMS. "Ela é mineira, veio morar sozinha para cá, sem nenhum parente. A gente logo se aproximou e de começo foi uma amizade muito forte, ela sempre foi minha cúmplice, me acompanhava nas tristezas e também dividia as dela comigo", conta a professora de História, Camila Dias Maia, de 30 anos.

Romântica incurável, à época, Camila resolveu gravar a fita reunindo canções que mexia consigo, mas nunca imaginou que o seu repertório seria trilha sonora da descoberta de um amor. "Só muito tempo depois ela me contou isso, que aquele foi o dia em que se deram conta de que eles estavam apaixonados e que iam passar o resto da vida juntos", lembra.

As canções falam de coisas do coração, do amor e da expectativa de histórias românticas. Para quem gravou, trouxe boas vibrações. A entrega, nenhuma delas se lembra onde foi exatamente, mas o local mais provável deve ter sido a sala de aula da faculdade.

E foi agora, em setembro, quando o coração de Ana apertou, que ela encontrou a fita, ao remexer na caixinha de coisas do passado. "Me deu vontade de escutar uma fita antiga, eu não tenho muitas, umas três, quatro e uma delas é da Camila. Não me lembrava de jeito nenhum", recorda a consultora de vendas Ana Glória Pereira Vale, de 39 anos.

Ana e Camila, amigas há 12 anos, desde os tempos de cursinho. (Foto: Arquivo Pessoal)Ana e Camila, amigas há 12 anos, desde os tempos de cursinho. (Foto: Arquivo Pessoal)

"A hora que eu olhei, falei: não acredito... É porque eu passei muitos anos cuidando das minhas crianças, nem tenho tempo de ouvir música. Peguei e já mandei para ela logo", conta. De imediato, vieram as lembranças do dia. "Foi quando comecei a namorar meu marido. Aquela tinha sido uma semana de energia muito boa, tudo conspirando a favor... Estava tudo planejado pelo destino...", completa Ana.

Antes de receber a fita, a consultora lembra do tempo que havia deixado para trás, um ano e meio tratando depressão e insônia. "Eram vários médicos, remédios e ela me entregou essa fita... Gravou pra mim por conta disso, ela quis me alegrar e colocou músicas lindas", pontua. Entre elas: Can't take my eyes of you, uma das preferidas do repertório.

Do outro lado, quem recebeu a foto custou a lembrar o que era. Foi preciso ouvir os áudios pelo Whatsapp que vieram com a imagem para se recordar como hoje da Camila e da Ana de 10 anos atrás. "Ela me disse que havia acordado muito triste, começou a arrumar a casa se deparou com a fita. Colocou para ouvir e começou a se emocionar. Eram músicas que deixaram ela feliz", fala Camila.

"Ela me contou: veja como é a vida, você gravou tem tanto tempo para mim, acordei assim, tão triste e você me devolveu a alegria no dia de hoje. Muito obrigada pela sua amizade", reproduz Camila.

Ela, que também não estava nos melhores dias, viu ressignificar a amizade ali, naquele momento. "Essa historinha da fita, tão inocente, que ao acaso eu gravei e enfim, ela falou que faz parte da história dela, com o amor da vida dela", completa.

Hoje as músicas falam muito da Camila do passado. Do que era trilha sonora da época e também dos anos 90. "Fazia parte da minha vida, eu era, quer dizer, ainda sou muito romântica e a fita me trouxe lembranças de uma época em que eu era sonhadora, mergulhada nos amores platônicos e também me trouxe de volta ao mundo que eu tinha esquecido e deixado para trás. Compartilhar isso com a minha amiga foi bacana e muito bom".

E para Ana, o presente e a recordação despertam hoje a gratidão. "Sou muito grata por Deus e o universo terem permitido essa nossa amizade perdurar por tanto tempo. A gente vive num mundo tão corrido e as pessoas se distanciam, acabam solitárias, não cultivam amizades, o amor um pelo outro, pelo próximo. Que bom que conseguimos isso, de forma leve e natural. A gente nunca deixou de se falar, sempre apoiando uma a outra nos piores momentos. Sou imensamente grata por uma amizade tão bonita e verdadeira".

A fita cassete de Camila para a "cara e doce Ana" voltou para a caixinha de lembranças. "Meu baú de tesouros", define Ana.

Curta o Lado B no Facebook. 

Mágica, a fita desperta emoções até hoje nas duas. (Foto: Arquivo Pessoal)Mágica, a fita desperta emoções até hoje nas duas. (Foto: Arquivo Pessoal)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.