A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

10/11/2014 18:03

História contada no Lado B traz Eliana para gravar quadro em Campo Grande

Ângela Kempfer e Aline Araújo
Eliana com os personagens principais da história,  Eva, o marido Jocelino e o filho Pedro Miguel. (Foto: Divulgação)Eliana com os personagens principais da história, Eva, o marido Jocelino e o filho Pedro Miguel. (Foto: Divulgação)

Eliana e equipe chegaram hoje (10) a Campo Grande para gravar um quadro do programa que a loira apresenta no SBT. A filmagem ocorre nesta segunda-feira no (Instituto Sul-Mato-Grossense para Cegos Florivaldo Vargas), para contar uma história descoberta pelo Lado B em 2012, sobre um casal de cegos que vive pelos olhos do filho, de 7 anos.

Veja Mais
Caligrafia da escola rendeu à Marystella a profissão de designer de lousas a giz
Luis ganhou o título de presidente e hoje é dono da própria cadeira no bar

Lara, estagiária do Ismac, conseguiu tirar uma selfie com a apresentadora. (Foto: Arquivo Pessoal)Lara, estagiária do Ismac, conseguiu tirar uma selfie com a apresentadora. (Foto: Arquivo Pessoal)

A presença da celebridade quebrou a rotina do instituto na rua 25 de Dezembro. A tarde foi de tietagem e gravações a portas fechadas entre funcionários e alunos da instituição.

Apesar disso, a movimentação em frente do Ismac é tranquila, sem a presença de fãs, já que a visita de Eliana não foi divulgada. Ela deve retornar para São Paulo ainda hoje, sem falar com a imprensa.

A estagiária do Ismac, Lara Almeida Silva, de 17 anos, conseguiu tirar uma selfie com a loira. "Escuto as músicas dela desde criança. Meus pais colocavam. Sempre gostei", diz

Os personagens que trouxeram a apresentadora para a cidade são Eva, o marido Jocelino e o filho Pedro Miguel. Os três são inseparáveis e levam uma vida comum, como de qualquer outra família.

Ela nunca enxergou por conta da catarata congênita. Já o pai, o auxiliar de radiologia Jocelino Aparecido Martins, de 41 anos, perdeu a visão em decorrência de uma atrofia no nervo óptico.

Depois de sete tentativas, Pedro vingou e veio para dar a visão aos pais. Na época, o casal enfrentou as dificuldades normais de marinheiros de primeira viagem, agravadas pela deficiência visual.

Eliana ao lado de Eva (de roupa vermelha). (Foto: Divulgação)Eliana ao lado de Eva (de roupa vermelha). (Foto: Divulgação)

Mas eles calaram os que achavam praticamente impossível acreditar que um casal de cegos possa ter e criar filhos. Foi em um curso do ISMAC que a rotina com o recém-nascido mudou para melhor. Eva fez treinamento de AVD (Atividades da Vida Diária). A mãe aprendeu a perceber o filho pela audição e o tato.

Passou a ouvir o barulho das gotinhas de remédio no copo, a descobrir se a fralda estava cheia pelo tom do choro do bebê.

Desde muito pequeno, o menino é quem guia a pedagoga e o auxiliar de radiologia por todos os cantos da cidade.

Quando sobe no ônibus e vê alguém sentando nos bancos reservados, trata logo de dizer que os lugares são de Eva e Jocelino.

Eliana na sede do Instituto. (Foto: Divulgação)Eliana na sede do Instituto. (Foto: Divulgação)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.