A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

26/11/2012 07:38

Lembranças das coisas que o tempo fez cair em desuso

Elverson Cardozo
Assistente de ações sociais, Elenir Santana ainda guarda fotos 3x4 na carteira. No registro, o filho Brayhan, hoje com 12 anos, aparece bem mais novo. (Foto: Simão Nogueira)Assistente de ações sociais, Elenir Santana ainda guarda fotos 3x4 na carteira. No registro, o filho Brayhan, hoje com 12 anos, aparece bem mais novo. (Foto: Simão Nogueira)

Ele é responsável por transformações importantes e, querendo ou não, vai passar para qualquer um. Mas não é só na idade que o “senhor da razão”, reflete. O tempo, implacável, fez com que muita coisa do passado caísse em desuso.

Veja Mais
Astrologia védica mostra o futuro, mas também ensina a aceitar o destino
Como mágica, o amor encontrou o palhaço e romance vive liberdade em belas fotos

São hábitos antigos, que remetem à época em que os pequenos detalhes, se comparados às facilidade de hoje, dificultavam a vida, mas conseguiam deixar ela mais interessante e divertida.

Quem não se lembra dos cadernos de caligrafia? Poucos foram os que preservaram a boa letra e não se renderam aos teclados dos computadores. E as fotografias 3x4 que se guardava na carteira? As agendas telefônicas nas cadernetas? As listas telefônicas distribuídas pelas operadoras?

São alguns exemplos das “manias” que “caíram da moda” há pouco tempo, uma ou duas décadas, no máximo.

A velocidade com que a evolução e o avanço da tecnologia se apresentam deixam a impressão de que o passado, muitas vezes recente, ficou em um período remoto, quase inacessível aos olhos de quem já nasce conectado.

Ingrid Izabela de Souza, de 14 anos, não faz nem idéia do que é folhear uma lista telefônica ou guardar números em agendas físicas, por exemplo. Tudo, para ela, está mais fácil, na internet, ao alcance dos olhos, a um simples clique.

“O tempo que você vai ocupar procurando na lista você está com o celular na mão. É só entrar na internet”, disse.

“A gente tem que aproveitar a tecnologia para isso”, completou a estudante, ao lado da tia, a doméstica Cristina Valverde, de 28 anos, que é mais saudosista e ainda guarda na carteira as fotos 3x4 do pai e do filho. “Traz aquela época que a gente tirava fotos nas praças”, lembra.

Ingrid, que nasceu na “era digital” e já está em tudo que é rede social, acha isso uma chatice. Cristina discorda, mas entende que a modernidade é a responsável pelo argumento da sobrinha.

Gabriela, de 6 anos, virou papel de parede no celular da mãe, a doméstica Cristina Valverde. (Foto: Simão Nogueira)Gabriela, de 6 anos, virou papel de parede no celular da mãe, a doméstica Cristina Valverde. (Foto: Simão Nogueira)
'É mais fácil', disse Cristina, ao comentar sobre facilidades da tecnologia. (Foto: Simão Nogueira) 'É mais fácil', disse Cristina, ao comentar sobre facilidades da tecnologia. (Foto: Simão Nogueira)

Mas, apesar de valorizar o que é de “antigamente”, a dona de casa se rendeu à tecnologia. No celular, que tem “mil e uma funções”, a foto da filha Gabriela, de 6 anos, virou papel de parede. “É mais fácil”, reconhece.

Assistente de ações sociais, Elenir Santana Gomes, de 31 anos, é da época em que era comum mandar rolos fotográficos para revelar. “Quando era no filme você tinha vontade de ver a foto logo”, relembrou.

Hoje, as lembranças eternizadas pelas lentes de super máquinas acabam se perdendo, tamanha facilidade. “Tenho pelo menos 10 mil fotos digitais”, contou, ao dizer que já perdeu muita coisa que estava armazenada em CDs, pendrives e em outros dispositivos digitais.

Elenir Santana não dispensa a tecnologia, mas faz questão de cultivar algumas das manias que já caíram em desuso. Também coleciona fotos 3X4. Na carteira, Brayhan, o filho que hoje tem 12 anos, aparece criança. “Já nem tem mais essa carinha”, disse, ao rever o registro.

Brenda, a outra filha, que está com 9 anos, não ficou de fora. Foi fotografada, no mesmo formato, aos 6 meses. “Não foi para nenhum documento. A gente parava e acabava tirando foto mesmo”, afirmou a mãe.




Os mais jóvens falam que quem vive de passado é museu,mas vai chegar o dia em que eles irão gostar de rever o passado ,em lembranças que foram guardadas,e sentirão aquela saudade dos velhos tempos assim como estamos sentindo agóra.
 
Teresa Moura em 26/11/2012 16:15:21
Lembra?, não, acho que você não lembra quando a gente paquerava lanchando pão com mortadela e tubaina de laranja, passava na farmácia para pegar almanaque e rir com as piadas e contar para os colegas em primeira mão,trocava revista de fotonovelas ensebadas e ainda recomendava para não estragar,tirava foto em binóculo e reunia os colegas para ver, tomava xarope de sadol com sucupira no domingo ia no parque de diversão jogar para ganhar coelhinho de louça.
 
erenice santos p lopes em 26/11/2012 15:51:33
Eu gosto de coisa antiga, tenho fotos 3x4 da minha família na carteira, vários carros antigos, rádio e "cacarecos" antigos, sou saudosista. Minha não passou açucar em mim, ela passou Maizena pra tirar assaduras, tomei muita "Emulsão de Scott" (óleo de fígado de bacalhau), só sabe o que estou falando quem andou numa Variant ou Maverick Zero Km. Ainda vou colocar na alavanca do câmbio do meu carro aquele siri, é bom demais ser "véio"......................
 
MAURO MENEZES em 26/11/2012 14:23:02
O tempo é realmente implacável....
 
Sebastião Rosa em 26/11/2012 09:47:58
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.