A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

14/11/2016 06:15

Lívia nem chegou ainda e já fez nascer em Pedro o que é o amor de tio e sobrinha

Paula Maciulevicius
À espera de Lívia, Natália recebe o carinho do irmão que descobriu o maior amor do mundo com a notícia de que seria tio. (Foto: Marina Pacheco)À espera de Lívia, Natália recebe o carinho do irmão que descobriu o maior amor do mundo com a notícia de que seria tio. (Foto: Marina Pacheco)

Quando o celular de Pedro tocou, quatro meses atrás, enquanto ele estava na aula da faculdade, o coração disparou. Os 40 minutos seguintes à ligação da irmã foram de risadas à toa em meio a um estado de choque. Aos 20 anos, o menino que sempre foi "seco" nas relações familiares recebeu a notícia de que seria tio e dali em diante viu um mundo de sentimentos explodirem dentro de si. 

Veja Mais
Casal queria poetizar início, mas soube rimar como ninguém o "fim" do amor
Monogâmico ou não, gays e lésbicas querem o direito de viver a afetividade

"Fiquei meio bobo na hora, é estranho falar, mas eu já sabia que ia acontecer, já sabia que ela ia falar que estava grávida, não tem como explicar", conta o estudante Pedro Luiz Chaves da Silva. A irmã, Natália, fez o teste depois de perceber que a menstruação atrasou. Campo-grandense que hoje mora em Cascavel, em dois finais de semanas seguintes ela viria a Campo Grande, mas não conseguiu esperar e contou a novidade por telefone.

"E a gente não se fala por telefone, só Whats. A última vez que nos falamos assim, foi quando ele me ligou para dar a notícia que meu pai infartou, então a primeira coisa que ele pensou foi que tivesse acontecido alguma coisa e eu falei: - Pedro, tenho uma notícia pra te dar: você vai ser tio", recorda a jornalista Natália Chaves da Silva, de 26 anos.

Carta escrita pela futura mamãe, mas com as palavras de Lívia para tio Dindo Pedro. (Foto: Arquivo Pessoal)Carta escrita pela futura mamãe, mas com as palavras de Lívia para tio Dindo Pedro. (Foto: Arquivo Pessoal)

Do outro lado da linha, Natália teve de chamar o irmão mais uma vez. "Esse menino ficou mudo e eu falava: Pedro, você está aí? A ligação caía, eu ligava de novo. Foram uns 40 minutos conversando nesse dia e ele dizia: 'estou que nem idiota, dando risada, vai ser menino'", recorda. 

O bebê é menina, já tem nome, padrinho e todo amor da família. Lívia ainda nem nasceu, mas fez brotar no tio um dos sentimentos mais genuínos. O de ver uma partezinha de si nascer. "Ele ficou em estado de choque e eu não imaginava, porque ele é muito secão. Achei que ia ser: ah, beleza, meu sobrinho, mas não. 

Numa das visitas da jornalista à família, em Campo Grande, a ideia era de oficializar Pedro como padrinho e antes mesmo do convite ser feito, o tio convidou irmã e sobrinha para fazerem compras no shopping. Ele já queria presentear a menina. E na volta do passeio, na cama de Pedro estava o primeiro bilhete escrito pela mãe, mas com as palavras de Lívia.

"Oi, tio Pedro!

Pedi para a minha mãe escrever esse recado. Desde o começo ela me conta muito de você e de como você ficou feliz quando soube que eu estava a caminho.

Ela me contou também que escolheu você para uma missão muito especial: ser meu padrinho escolhido pelo coração.

Ela disse que essa batizado é diferente, a bisa quem vai fazer, mas a importância é a mesma.

O recado é só para reforçar que o convite já está aceito, né Dindo Pedro?

Com amor, Lívia".

Com a tia e madrinha, Natália também recebeu e aprendeu o que é amor de tia e sobrinha. (Foto: Marina Pacheco)Com a tia e madrinha, Natália também recebeu e aprendeu o que é amor de tia e sobrinha. (Foto: Marina Pacheco)
Ricardo é sobrinho do pai de Natália, mas a proximidade o fez chamá-lo de pai a vida toda. (Foto: Marina Pacheco)Ricardo é sobrinho do pai de Natália, mas a proximidade o fez chamá-lo de pai a vida toda. (Foto: Marina Pacheco)

Depois de lido, Pedro externou o que sentia: pela primeira vez entendeu o que era o amor verdadeiro por uma pessoa antes mesmo dela existir. "Eu fiquei imaginando como ia ser dali para frente, as responsabilidades que ia ter como tio, porque querendo ou não, eu vou ter que ser um exemplo para ela", pesou o tio.

Ao mesmo tempo ele ainda procura palavras para descrever. "O que eu sinto é um amor que nunca tinha sentido por ninguém da minha família e olha que sou até um pouco frio quanto a isso, mas com a Lívia foi diferente", diz.

Na imaginação do tio, não importa a cor dos olhos e nem dos cabelos de Lívia. A única coisa que ele consegue imaginar é o afeto. "O laço que antes mesmo dela nascer é muito forte. Independete do jeito que ela for, o que importa é o sentimento. E no dia que ela falar tio ou padrinho? Eu já imaginei um pouco isso, vou ficar mais besta do que já estou", brinca.

E a relação de amor entre tio e sobrinho é forte na família de Natália, Pedro e Lívia. O chá de bebê que aconteceu nesse domingo foi na casa da madrinha da futura mamãe. "É como se fosse uma neta também, porque a Nati é como se fosse a minha filha. Lembro quando ela nasceu, foi uma emoção muito grande. Eu já tinha a minha menina, mas ela foi um benção. Amor de tia é como se fosse de mãe", traduz a madrinha, Maria Izabel Silva Fernandes, de 59 anos.

O mesmo é sentido por Natália. Se não fosse Izabel a sua madrinha de batismo, seria no coração. Desde pequenininha, a saída da escola na sexta-feira já era direto para a casa da madrinha, de onde só saía no domingo. 

"Na nossa família ninguém é só tio e sobrinho, é tudo muito mais forte", resume Natália. Maria Izabel é irmã de José Natalino, pai de Natália. "Foi uma madrinha que realmente acabou virando uma segunda mãe. Tudo isso aqui, metade ela fez e ela ajuda não só quando precisa de algo material", conta Natália. 

No início do ano, quando o pai infartou, no desespero da filha, foi a madrinha quem acalmou o coração de Natália dizendo que iria ficar tudo bem. A força da relação das duas é vivida também pelo pai de Natália, seu José, com o sobrinho Ricardo. O rapaz nem o chama de tio e sim de pai. 

"Ele é casado com a minha tia e como eu não tive pai, porque os meus se separaram quando eu era pequeno, ele é meu pai", conta Ricardo José Chaves Forcione, de 37 anos.

Durante a adolescência, foi o tio quem passou os ensinamentos e fez Ricardo ser quem ele é hoje. "Ele me deu padrões para que eu seja o homem que eu sou. Se eu já sou tio? Ainda não, serei com a Lívia, que está chegando", diz.

Curta o Lado B no Facebook. 

Toda família de tios, sobrinhos e irmãos. (Foto: Arquivo Pessoal)Toda família de tios, sobrinhos e irmãos. (Foto: Arquivo Pessoal)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.