A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

17/06/2016 06:36

Mãe foi embora, mas deixou amor pela leitura e melhor bolo de mandioca do mundo

Naiane Mesquita
Dona Alayde e as filhas Maria Irene e Valdeci (Foto: Arquivo Pessoal)Dona Alayde e as filhas Maria Irene e Valdeci (Foto: Arquivo Pessoal)

Dona Alayde nunca teve medo da cidade grande. Nasceu em Terenos, mas sempre sonhou em morar na Capital. Viveu quase a vida toda na fazenda, na lida diária, no chão batido. Quando partiu, no dia 27 de maio do passado, deixou para os três filhos não só a alegria e a vaidade de quem até para se internar no hospital precisava do cabeleireiro, mas também o amor pela leitura e a escrita, herança da época em que foi impedida de estudar e o melhor bolo de mandioca do mundo. 

Veja Mais
Casal queria poetizar início, mas soube rimar como ninguém o "fim" do amor
Monogâmico ou não, gays e lésbicas querem o direito de viver a afetividade

“Ela cresceu semi-analfabeta, aprendeu a ler sozinha. Ela me contava que na fazenda onde morava, tinha um lugarejo próximo com uma escola. Todos os anos ela pedia para ir, assistir as aulas. Quando alcançou uma idade, ela percebeu que jamais iria para a escola e tentou aprender sozinha, pegando os livros dos irmãos que já tinham estudado”, relembra a filha do meio de Dona Alayde, Valdeci Santos do nascimento, 52 anos.

Esse desejo de aprender nunca abandonou Dona Alayde. Lutou para morar na cidade, dar uma vida melhor aos filhos, mas ainda casada, preferiu ficar ao lado do marido na lavoura. “Ela incutiu na minha cabeça e na dos meus irmãos que a melhor forma de ascendermos e termos melhores condições de vida seria através da dedicação ao estudo. Acabamos pagando um preço alto por isso, principalmente ela, que viu os filhos pequenos morando, de favor, em casas alheias”, relembra.

Mãe e filha: da história das duas ficou a paixão pela leituraMãe e filha: da história das duas ficou a paixão pela leitura

Valdeci diz que mesmo assim nunca viu a mãe desanimar. Trabalhou como lavadeira, faxineira, cozinheira e continuou incentivando que os filhos jamais desistissem de uma vida melhor. Quando ficou viúva, há 18 anos, preferiu seguir os passos dos filhos. Aos 79 anos, morava sozinha, gostava de levantar cedo e pagar as contas, seguir com a rotina todos os dias.

Até que um dia o câncer de pâncreas foi descoberto. Para Valdeci, ainda é difícil aceitar. “Foi como se tivesse perdido minha mãe em um acidente. Ela sempre foi independente, morava sozinha, de repente começou a se sentir mal e 29 dias depois faleceu.

Não esperávamos um desfecho tão trágico. Não éramos melhores amigas, mas eu era a pessoa de confiança dela, em todos os sentidos e ela era a minha. Minha mãe batalhou por nós. Deixou em nós esse desejo de ser sonhadores e de procurar até o fim a nossa felicidade”, diz.

Foi no final da tarde do dia 27 de maio do ano passado, que dona Alayde se despediu. Com a filha ficou o jeito vaidoso, “ela exigiu a presença de cabeleireiro e manicure para chegar ao hospital apresentável, como gostava de dizer”, ri Valdeci.

A receita de bolo de mandioca e o arroz soltinho ainda são lembrados nas festas familiares, assim como a forma batalhadora de ver a família. Hoje, a mãe completaria 80 anos, mas para os filhos, Valdeci, Francisco Luis do Nascimento, o vereador Saci, e Maria Irene Mendes Flores, isso não é motivo de tristeza, mas ainda de comemoração. “Aqui deixou uma família harmoniosa e estabilizada. Dois netos e três bisnetos. Acredito que ela cumpriu a missão de quem sonhou um destino diferente e melhor para os seus”.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.