A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

13/10/2014 07:00

Mãe que viu filha fugir da morte atribui vida a milagre e hoje emociona o mundo

Elverson Cardozo
Michele Giarola nasceu no paraná, mas mora em Campo Grande há 6 anos. (Foto: Alcides Neto)Michele Giarola nasceu no paraná, mas mora em Campo Grande há 6 anos. (Foto: Alcides Neto)

A fisioterapeuta e cantora gospel Michele Giarola, de 27 anos, que frequenta a IAD-MS (Igreja Assembleia de Deus – Ministério Mato Grosso do Sul), em Campo Grande, não imaginava que uma música gravada por ela há cerca de 10 anos pudesse fazer sentido tanto tempo depois. “Até parece que a vitória não vai chegar, mas não se desespere. Deus contigo está. Ele rompe as barreiras para você passar e no silêncio da noite por você vai trabalhar”, cantou, à época, em alto e bom som.

Veja Mais
Astrologia védica mostra o futuro, mas também ensina a aceitar o destino
Como mágica, o amor encontrou o palhaço e romance vive liberdade em belas fotos

A letra desta canção, que recebeu o nome de “Se você crer”, fala de milagre e de um Deus poderoso, que tem o controle da vida, que tudo faz acontecer e que, muitas vezes, não deixa explicações. Olhando para trás, relembrando o passado, Michelle não tem dúvidas: Foi um milagre, algo inexplicável, afirma, o que aconteceu com Mellina, sua única filha, hoje com 3 anos e meio, fruto de um casamento que já dura 6.

Quem vê a garota toda sorridente nem imagina que ela teve um considerável atraso no desenvolvimento; que começou a sentar com 13 meses, engatinhou com 1 ano e 9 meses, andou com 2 e só começou a falar recentemente, perto de completar os 3.

Ninguém também nem imagina que ela veio ao mundo com uma série de problemas: prematura, desnutrida, com cisto cerebral congênito, veia aberta no coração, a chamada PCA (Persistência do Canal Arterial), obstrução intestinal, refluxo severo e suspeita de síndrome. Mas, quando nasceu, nem os médicos acreditaram que ela pudesse sobreviver. Mellina, aliás, só nasceu porque Deus permitiu, diz a mãe.

O Lado B chegou até a fisioterapeuta depois de conhecer a história de garotinha pela internet. No início deste mês, quando resolveu compartilhar a batalha da menina pela vida, em sua página no Facebook, a cantora garante não tinha pretensão alguma de atrair seguidores em seu perfil, além dos cerca de 600 amigos que tinha, mas em dois dias, o texto que traz o relato feito por ela tomou proporções inimagináveis.

De tão pequena e frágil, Mellina tomava banho com copo descartável. (Foto: Arquivo Pessoal)De tão pequena e frágil, Mellina tomava banho com copo descartável. (Foto: Arquivo Pessoal)

O material viralizou em uma velocidade surpreendente. Até agora, foi compartilhado por mais de 155 mil pessoas, curtido por 323 mil e hoje é lido por internautas de outros países, como Chile, Portugal, Itália e até no Paquistão, diz. É um daqueles posts com imagem de criança que a gente custa a acreditar que é verdadeiro, mas este é. E essa história, que já ganha o mundo, começa assim:

“Num certo dia, há muitos anos atrás, uma irmã teve um sonho comigo. Ela disse que me via louvando com as minhas mãos impostas sobre uma menina e, através daquele louvor, Deus a ressuscitava. Nunca imaginei que essa menina seria minha própria filha”, escreveu.

O início – Michelle hoje mora com o marido e a filha em Campo Grande, mas o casal é paranaense e tudo isso teve início na cidade de Maringá, durante uma viagem a casa dos pais dela, dois anos depois deles se casarem.

Aos 6 meses e meio de gestação, a cantora teve a notícia, depois de uma crise de cólica, uma visita ao ginecologista e a realização de uma ultrassonografia, de que a placenta dela havia amadurecido antes do tempo e de que o líquido amniótico, fluído que envolve e protege o embrião, estava secando.

Detalhe que, dias antes, ainda em Campo Grande, um pastor, durante oração, disse o que estava por vir, conta. “Ele colocou as mãos sobre minha cabeça e começou a interceder pela minha placenta e falava: Senhor, guarda esse feto. Nós repreendemos, em nome de Jesus, toda destruição e o espírito da morte. Cuida dessa placenta e desse líquido amniótico”.

Nascimento precoce - Um parto antes da hora, 23 dias depois desse episódio, quando a cantora estava com 34 semanas, pouco mais de 7 meses, foi solução que os médicos encontraram para não deixar a criança morrer dentro da barriga da mãe, mas o aviso veio junto: Se nascesse, a menina não sobreviveria porque não teria peso suficiente e estaria desnutrida.

Mellina contrariou a medicina desde o início: Ela não morreu, mas veio ao mundo, por uma cesárea de urgência, desnutrida como haviam dito e pouco desenvolvida para a idade gestacional, pesando apenas 1,700 kg. Tinha o rosto torto e a feição sindrômica.

A recém-nascida foi direto para UTI (Unidade de Terapia Intensiva), entubada, porque apresentou hipertensão pulmonar, que provoca insuficiência respiratória. No segundo dia de vida, depois de uma piora no quadro, mesmo com a ventilação mecânica, a equipe médica constatou que a bebê apresentava falência múltipla dos órgãos. Nada funcionava. “Eles passavam leite pela sonda no nariz e ele voltava pela própria sonda. Ela não fazia cocô, xixi...”, relata a mãe.

Michelle se emociona ao lembrar do dia em que pediram para ela se despedir da filha. (Foto: Alcides Neto)Michelle se emociona ao lembrar do dia em que pediram para ela se despedir da filha. (Foto: Alcides Neto)

Desenganada pela medicina - Na madrugada deste mesmo dia, às 2h30, sem sequer ter tocado a filha, Michelle foi convidada a se despedir dela porque a bebê já estava em coma, com insuficiência cardíaca e princípio de morte cerebral.

“Eles falaram que ela não iria passar das 8h da manhã. [...] Na minha frente, a enfermeira-chefe ligou para o necrotério pedindo para eles se prepararem porque até às 8h da manhã eles iriam receber o corpo de uma criança, que era a minha”, relembra, sem conseguir evitar as lágrimas.

Michelle se recorda de ainda ter agradecido o esforço da médica e, no desespero de mãe, citou a passagem bíblica que conta a história de Lázaro, o homem que ressuscitou após quatro dias.

“Falei para ela que Jesus chegou e Lázaro já estava morto há quatro dias e que o coração da minha filha nem tinha parado de bater e, por isso, era algo mais fácil ainda. Lázaro, depois de quatro dias que havia morrido Jesus o fez ressuscitar, porque minha filha, que o coração ainda estava batendo, apesar de franco, ele não poderia reverter? Aí ela falou: então vai lá e usa sua fé. [...] Aí fui ao leito dela, orei por ela e cantei, segurando as mãozinhas dela”.

Alta da UTI e mais surpresas - Naquela noite, Mellina surpreendeu mais uma vez: Não morreu. A menina resistiu mais 16 dias na UTI, sem qualquer sinal de melhora. No 17ª dia, acordou do coma e começou a respirar sozinha, diz a cantora, que a pegou no colo, pela primeira vez, só no dia seguinte. De tão pequena e frágil, o banho era com copo descartável. "Era dia sim, dia não. E tinha que ser rápido".

Cantora é evangélica de berço e anda sempre com a Bíblia Sagrada. (Foto: Alcides Neto)Cantora é evangélica "de berço" e anda sempre com a Bíblia Sagrada. (Foto: Alcides Neto)

Para receber alta da Unidade de Terapia Intensiva e ir para o quarto, a bebê precisou passar por uma bateria de exames, foi aí que descobriram, relata a mãe, um quadro ainda pior: Mellina tinha nascido com um cisto cerebral congênito e com uma artéria aberta no coração, que recebe o nome técnico de PCA (Persistência do Canal Arterial).

Os dois casos, disseram os médicos, eram cirúrgicos, mas a recém-nascida não tinha peso nem para suportar a sedação. Nessa época, tinha perdido 300 gramas. Estava com 1,4 kg, ainda mais desnutrida. Se fosse par o centro cirúrgico, morreria na mesa, mas se não operasse, a menina poderia desenvolver uma hidrocefalia. A situação complicou.

A essa altura, a única saída, conta a fisioterapeuta, foi se unir em uma corrente de orações. “Muita gente de Campo Grande, Coxim, Maringá, Sarandi, foi se juntando, orando por ela”.

Duas semanas em casa e 7 meses no hospital - Vinte um dias se passaram e Mellina pôde, enfim, ir para casa, com quase 40 dias de vida, mas a estadia ao lado dos pais durou, no máximo, duas semanas. “Ela começou a mamar muito pouco. Não passava de 60 ml. E vomitava 24 horas por dia. Tinha diarreia 24 horas por dia. Uma vez eu contei 55 evacuações. Ela ficou mais desnutrida ainda”.

Mellina voltou para o hospital parar fica na sonda, soro e receber dieta parental, por uma veia do pescoço. Essa situação, diz Michelle, durou mais 7 meses. “Era assim: Ela ficava três meses no hospital e uma semana em casa. Aí voltava, ficava mais 20 dias no hospital e três em casa. Houve vez em que ela ficou um dia em casa e no outro dia voltou para o hospital”.

A primeira cirurgia - Com 7 meses, pesando 3,5 quilos, a criança foi submetida a uma endoscopia, exame que não pôde fazer antes por conta do baixo peso. O resultado trouxe outros dois problemas: obstrução intestinal e refluxo severo.

“Ela não absorvia os alimentos. Do jeito que o leite entrava pela sonda, ele saia como diarreia. Então eram quatro coisas: cisto no cérebro, PCA [Persistência do Canal Arterial], refluxo severo e obstrução intestinal. Eles falavam que ela tinha alguma síndrome, porque só uma criança com síndrome nasce com tanta má formação”.

Com 8 meses, Mellina passou pela primeira cirurgia. Corrigiu o problema do refluxo e a obstrução do intestino. A diarreia persistiu, mas a menina já não vomitava mais. Mas nauseava e, por isso, pelo esforço que fazia, desenvolveu uma hérnia, relata a mãe. Com 11 meses, por conta deste problema, foi novamente para a mesa de cirurgia.

O aniversário e o início de uma nova vida - Mellina continuou internada. A previsão é a de que ela fosse passar o primeiro aniversario dentro do hospital, a Santa Casa de Maringá. Mas Michelle resolveu organizar “na fé”, como diz, uma festa. Deu certo. Cinco dias antes da data, a menina recebeu alta e ouviu os parabéns ao lado dos pais, parentes e amigos. “Depois da festa nós voltamos para Campo Grande”, conta.

Mellina, a essa época, já pesava 8 quilos. Permanecia com a diarreia, mas o problema foi solucionado depois que um alergologista constatou que ela era intolerante a quase tudo. Nem suplemento podia tomar. A alimentação da filha, explica a cantora, passou a ser artesanal, a base de arroz, músculo e legumes. “Foi que manteve ela até os dois anos de vida”, afirma.

Para Michelle, não há outra explicação: foi um milagre. (Foto: Alcides Neto)Para Michelle, não há outra explicação: foi um milagre. (Foto: Alcides Neto)

O milagre - Michelle não parou de orar. A vitória, diz a mulher, veio depois de uma “campanha” de 7 semanas, realizada todas as quintas-feiras na igreja. “Depois da sexta semana ela [Mellina] já estava tomando iogurte e leite de soja. Não tinha mais reação. Acabou. Deus a curou de todas as intolerâncias”, conta, ao dizer que isso aconteceu em junho do ano passado.

Seis meses depois, em dezembro de 2013, Michelle retornou com a filha para Maringá, onde a menina passou por uma série de exames de rotina. Os resultados surpreenderam a todos. “No local do cisto tem uma cicatrização, como se ela tivesse feito uma cirurgia. [...] A artéria fechou e, na parede do coração, onde ela tinha um buraquinho, formou uma membrana e as bordas estão colando, fechando. Levamos ela em dois geneticistas. Foi feito todos os exames ela não tem síndrome nenhuma. Ao longo desses três anos, ela perdeu aquela feição sindrômica”.

Hoje, Mellina, conta a mãe, é uma criança normal, que come de tudo, brinca e não para quieta. Não restam dúvidas. Para a cantora, trata-se de um milagre. “Os cardiologista, todos eles falam: ‘essa menina me surpreendeu. É Deus na vida dela’. O neurocirurgião e neuropediatra falam que é um milagre”, declara a cantora.

E é, ela reforça, convicta. “Eu vi pessoalmente. [...] Nós, cristãos, principalmente os que estão na igreja há muito tempo, sabemos que Deus é capaz de fazer milagres, capaz de transformar e mudar qualquer situação, mas tem gente que não sabe”.

Compartilhando para o mundo o que chama de “testemunho”, a fisioterapeuta diz que não tem a intenção de se promover, muito menos como cantora gospel. O objetivo, segundo ela, é mostrar que Deus não operou milagres só no passado.

O milagre de Mellina, completa, é um exemplo vivo do poder divino. “Apesar de eu ser cristã, evangélica, talvez não confiasse tanto assim. Eu sempre cantei e profetizei milagre na vida das pessoas, mas nunca tinha vivido um e a gente tem que pregar e cantar o que vive. Então acho que Deus me fez viver um milagre para hoje eu saber o que estou profetizando. Hoje eu sei. Hoje sei o que estou cantando porque vivi isso”.

Mellina em uma dia de passeio. (Foto: Arquivo Pessoal)Mellina em uma dia de passeio. (Foto: Arquivo Pessoal)

* Michelle autorizou divulgar apenas duas fotos de Mellina: a do banho com o copo descartável, que está no início do texto, e esta última, onde a garota aparece de costas. A cantora tem receio do assédio que a matéria pode gerar, apesar de ter publicado várias fotos da filha no Facebook, em um post que já viralizou. Em respeito à mãe, o Lado B não reproduz as outras imagens.

(Editada em 13/10/2014 às 12h25)




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.