A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

19/08/2015 16:09

Munhoz e Mariano reforçam campanha de doação de órgãos em MS

Ângela Kempfer
A dupla na tarde de hoje com o governador Reinaldo Azambuja. (Foto: Jessica Barbosa)A dupla na tarde de hoje com o governador Reinaldo Azambuja. (Foto: Jessica Barbosa)

Depois de cantarem jingle na campanha de Reinaldo Azambuja, Munhoz e Mariano voltaram a se encontrar hoje com o governador para reforçar a Campanha de Doação de Órgãos em Mato Grosso do Sul. A dupla esteve na tarde desta quarta-feira na Governadoria. Eles também gravaram VT que será exibido pelas emissoras locais.

Veja Mais
Caligrafia da escola rendeu à Marystella a profissão de designer de lousas a giz
Luis ganhou o título de presidente e hoje é dono da própria cadeira no bar

A ação “Sou doador de órgãos, e já falei com a minha família” tem o apoio de 20 artistas regionais. È mais uma tentativa de sensibilizar as pessoas sobre a importância de declarar em vida a vontade de doar e também autorizar a retirada dos órgãos no caso da morte de algum parente.

Dupla no estúdio.Dupla no estúdio.

Hoje, o maior entrave para garantir a sobrevivência de quem depende de transplante são os altos índices de respostas negativas das famílias após o falecimento.

O Estado não tem mais fila para transplantes de córneas, mas ainda tem poucas doações de rins e ossos, por exemplo.

“No caso de doação em vida, além dos exames médicos de compatibilidade, é necessário que o órgão do doador seja duplo (rim ou pulmão) tenha capacidade de reconstrução, como o fígado, ou seja um tecido cujo o transplante não cause invalidação ou morte do doador”, esclarece a Central Estadual de Transplantes.

Qualquer cidadão pode se transformar em doador de órgãos e tecidos após ser diagnosticado com morte encefálica, desde que a família autorize. Entre 1997 e 2001, vigorou no País lei da doação presumida, quando todo brasileiro era considerado doador, a menos que optasse por registrar vontade em contrário na carteira de identidade.

Um projeto de lei no Congresso desde 2013 tenta reverter essa situação e novamente aceitar apenas a decisão exposta no documento de identidade, sem precisar consultar parentes após a morte do doador.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.