A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

17/01/2015 07:15

Músico não quer fama, mas canta para 30 mil que passam no Centro todos os dias

Aline Araújo
Lauro toca em lojas no centro de Campo Grande. (Foto: Alcides Neto)Lauro toca em lojas no centro de Campo Grande. (Foto: Alcides Neto)

“Começou mesmo... Cantando para mais de 30 mil pessoas aqui na Afonso Pena. O que passa de carros, ônibus, e pedestres, acho que dá mais de 30 mil", brincou no Facebook o músico Lauro Ferrari, de 41 anos. A postagem chamou atenção do Lado B, que resolveu conhecer a história dele e como é cantar quase todos os dias para gente assim, que está ali só de passagem, não necessariamente para ouvi-lo. 

Veja Mais
Caligrafia da escola rendeu à Marystella a profissão de designer de lousas a giz
Luis ganhou o título de presidente e hoje é dono da própria cadeira no bar

O interesse pela música começou ainda na adolescência, tocando bateria em uma banda do colégio. Nos churrascos de final de semana entre os amigos, Lauro viu que era com o violão que fazia mais sucesso. Instrumento que aprendeu a tocar sozinho.

A musica virou profissão há 10 anos. (Foto: Alcides Neto)A musica virou profissão há 10 anos. (Foto: Alcides Neto)

Cantar e tocar virou hobby e sempre que ele tinha a oportunidade, soltava a voz entre amigos. Um dia trabalhando como caixa em um supermercado de Campo Grande ele viu um microfone. “Estavam precisando de alguém e eu pensei, eu sei fazer isso”, lembra e assim, começou a carreira de locutor.

Em um outro episódio, um pouco depois, a loja havia contratado ele como locutor, e um outro como cantor. Num imprevisto que surgiu, o rapaz teve que ir embora e sem pensar duas vezes Lauro se prontificou. “Eu Canto!”, disse para o contratante. Gostaram tanto do trabalho que 10 anos depois, é esta a profissão que ele anuncia ou marca num formulário: músico.

Lauro também toca à noite, mas o carro chefe do trabalho são as lojas de departamento. “Alguns músicos que eu conheço, que também tocam à noite não fazem esse tipo de evento, eles acham que é menosprezar o trabalho. Eu acho que é o contrário disso. Você se diverte e o cachê ainda é muito bom”, afirma o musico, com muito bom humor.

A frase foi postada com essa foto no facebook (Foto: Reprodução/ Facebook)A frase foi postada com essa foto no facebook (Foto: Reprodução/ Facebook)

O musico faz tudo com muita alegria e adora a profissão que proporcionou a ele a oportunidade de viajar pelo Estado e ainda vivenciar momentos muito engraçados. Como o dia em que estava cantando e uma senhora passou dançando, deu um beijo nele e foi embora.

Ele conta que uns passam cantando, outros tiram foro, tem bêbado que fica do lado cantando junto. “É muito divertido! O pessoal aplaude, eu gosto muito”, exclama. O repertório passeia pela MPB e o pop rock, com algumas paradas no samba e forró. “Só sertanejo que não é muito a minha praia”, explica.

O músico colocou a foto na rede social como brincadeira, mas a repercussão foi tanta que ele até conseguiu outros convites de trabalho. O bom humor é companheiro diário do trabalhador.

A rotina depende das contratações, cada dia em um lugar e para um público diferente. Pode ser que muitas vezes a gente até já tenha escutado Lauro cantar. De terça a domingo ele faz o show para uma galera. E o sucesso que só consegue sentir quem faz o que gosta.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.