A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

21/03/2014 06:32

Na guerra dos sexos, mulheres compram briga por dia de sauna no Rádio

Paula Maciulevicius
Até abaixo assinado a pobre sauna já protagonizou.Até abaixo assinado a pobre sauna já protagonizou.

Até abaixo assinado já rolou na tentativa de emplacar mais um dia ou esticar as horas do sábado para que a sauna do Rádio Clube seja destinada às mulheres. Em Campo Grande, o espaço para lazer e relaxamento tem sido cenário de briga entre eles e elas. Elas reivindicam mais disponibilidade da sauna, eles argumentam que a frequência não justifica o pedido.

Veja Mais
Uber multado, reajuste de ônibus e cidade sob chuva bateram recordes nas redes
Do Corinthians ao canteiro de obra, zagueiro que virou servente tem nova chance

Na altura do campeonato – ano de 2014 – é até engraçado ver que a guerra dos sexos fervilhando por dia ou menos dias. No contexto histórico da cidade, o Rádio Clube já sediou, ao longo dos 90 anos, grandes encontros da sociedade campo-grandense e foi um marco, à época dos tempos de ouro, na vida de muita gente.

“É uma briga sim. Nós só temos quarta, das 3h da tarde até 10 da noite e sábado e ainda brigam com a gente, falam que a quarta tinha que ser para eles por causa do futebol”, relata a saunista, Vânia Salvi, de 47 anos.

Do outro lado, rebatem eles. “Não tem briga nenhuma não, isso é coisa das mulheres”, comenta o diretor da sauna masculina, Ronaldo Gaeta, de 55 anos.

A sauna funciona de segunda a sábado, inclusive aos feriados, a partir das 3h da tarde, com exceção dos finais de semana, quando o horário começa às 8h30. No entanto, antes que dê tempo para pensar que dia fica para quem...

Vânia é uma das mulheres engajadas em aumentar os dias e horários da sauna feminina.Vânia é uma das mulheres engajadas em aumentar os dias e horários da sauna feminina.

“Eles têm segunda, terça, quinta, sexta, sábado, domingo e feriado. No sábado, nem o bar é aberto para a gente”, argumenta Vânia.

Historicamente, a sauna foi fundada por eles. Em 1977, um grupo de 100 associados do Rádio Clube resolveu construir a sauna. Em contrapartida, passaram uma década sem custear as despesas mensais de manutenção do clube.

Segundo o diretor da sauna masculina, horário para elas sempre teve, mas o movimento era pouco. O motivo para uma procura desproporcional entre eles e elas pela sauna ainda é o preconceito, sustenta Gaeta. “Por essa banalização, de achar que é casa de massagem, tem esse preconceito e ao contrário é confraria. Aqui vem deputado, senador, prefeito, todo mês tem jantar dos aniversariantes. Muitos negócios são fechados aí dentro”, explica.

No fechamento dos acordos, bebidas do bar parecem não faltar. De cerveja até uísque. De homens devem passar, por dia, uma média de 100. Já para as mulheres, os números não auxiliam. A presença deles pouco passa de 40, no máximo 60.

“É porque elas não são tão unidas quanto os homens. A gente pode até ceder, mas é preciso se manifestar, conquistar espaço”, afirma Gaeta.

Na tentativa de conquistar espaço, dia e lugar, as mulheres chegaram chegando. A expressão cai bem à funcionária pública Vânia, uma das mais engajadas na causa pró-sauna feminina. Apesar de não ser diretora por uma mera questão de regulamento – ela na verdade deixou de ser titular para se tornar dependente da filha – a mulher loira que só circula pelos corredores do clube de maquiagem preta nos olhos, batom rosa e sorriso aberto no rosto, comprou a briga e a levou adiante.

“Fiz abaixo assinado com mais de 100 assinaturas e entreguei para o presidente, para que colocasse mais um dia ou esticava o horário do sábado, mas até agora nada. E isso foi logo depois que ele assumiu”, alfineta. A direta não está só no texto não. Toda vez que Vânia encontra o então presidente do Rádio Clube, Othon Barbosa Rodrigues Sobrinho, ela repete a mesma indagação.

Forte argumento para eles, o livro de registro delas contém bem menos presença.Forte argumento para eles, o livro de registro delas contém bem menos presença.

“Tudo o que acontece sãos os homens que fazem, eles reformam a sauna. A televisão estragou e quem comprou foram eles. Eles já chegaram a pagar para porteiro ir embora de táxi só para eles poderem ficar até meia-noite” entrega.

Quando o Lado B adentrou à sauna, pode entender um pouco da disputa. De fora, a placa anuncia quando a sauna é para elas, ou para eles. Claro que a visita foi em dia e horário do público feminino.

Logo na entrada, um balcão abriga um caderno de registros. Aí mora o temor delas. O receio é de que a briga se alastrar, eles têm ali argumentos firmes do lado deles. As assinaturas são em quantidades bem inferiores. Mas se comparado aos dias, elas só tem dois, enquanto eles têm praticamente todo dia.

O cheiro de essência de eucalipto logo toma conta do ambiente. Um pilar de concreto tampa a visão no caso de algum desavisado invadir a sauna errada. Na primeira parte estão armários numerados e bancos de madeira e não tão raro, mulheres se vestindo e secando os cabelos.

Mais adiante um corredor leva às portas que separam sauna seca, da com vapor e as duchas. À esquerda se encontram um pequena piscina, uma sala de televisão e uma sala de descanso, com camas e ar condicionado. Em frente à TV, mulheres bebem cerveja e acompanham o capítulo da novela.

À direita, estão os banheiros, um espaço para fazer unhas, massagem relaxante e por fim, a churrasqueira e o bar, onde também são servidos os jantares temáticos.

“Na sauna tem muita coisa boa. A gente borda, senta, vê TV. Tem um barzinho gostoso. Colocamos o papo em dia, pedimos lanche”, diz Vânia ao ambientar a repórter que vos escreve.

Segundo depoimentos tomados, tanto o público feminino, quanto o masculino, não se sente intimidado com os olhares. As duchas são coletivas e com frequência as toalhas são deixadas de lado.

Nesta quarta-feira o clube estava fraco da presença masculina. “No dia que é nosso eles nem aparecem aqui, nem para malhar”, contextualiza Vânia.

Para unir a força feminina, as mulheres criaram, no Facebook, o grupo “sauna de mulheres poderosas do Rádio Clube”. Uma das idealizadoras, a consultora Rosângela Barcellos apresenta a solução para dar fim à briga. “Eles têm muito, acho que tinha que dividir. Meio a meio”.

Sauna tem sala de TV que para elas, só fica na novela.Sauna tem sala de TV que para elas, só fica na novela.



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.