A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

18/05/2014 14:01

No "1º Encontro de Vira-Latas" sobra gente apaixonada pelos mascotes

Caroline Maldonado
 Caramelo deu primeiro passeio depois de um grave acidente em evento que ocorreu na manhã deste domingo nos altos da Afonso Pena. (Fotos: Simão Nogueira) Caramelo deu primeiro passeio depois de um grave acidente em evento que ocorreu na manhã deste domingo nos altos da Afonso Pena. (Fotos: Simão Nogueira)

Preparado para a Copa do Mundo, o vira-latas “Caramelo” é um exemplo de superação. Ele contou com uma mão amiga para estar hoje (18), no 1º Encontro de Vira-Latas de Campo Grande, nos altos da avenida Afonso Pena. Com lencinho verde e amarelo o cãozinho deu o primeiro passeio depois de um grave acidente, no qual teve fraturas múltiplas.

Veja Mais
Datilografado, pedido de casamento revelou primo apaixonado em 1980
Super-heroi, Pedro precisa de ajuda para continuar salvando a alegria da família

“Caramelo” está para adoção. A jovem que o resgatou cuida dele, mas não tem como ficar com o cão para sempre. Ela lamenta, porque já se apegou e o carinho parece recíproco. “Para onde eu vou, ele quer ir junto. Vai ser difícil a gente se separar. Ele já acha que é meu”, diz Juliana Rodi.

A manhã deste domingo foi de passeio e competição para a cachorrada com e sem pedigree. “Mika” ganhou o concurso na categoria “menor cão”. Ela foi adotada quando as irmãs Isadora e Lara Bordigno procuravam pelo “Alfred”, que havia desaparecido. As meninas não encontraram o cachorro da família até hoje, mas acharam uma nova mascote.

Isadora conta que não compra animais, prefere adotar e não importa sem te raça definida. “Eu prefiro ficar com o vira-latas para ajudar, porque sei que eles têm menos chances de encontrar uma pessoa legal que vai cuidar com carinho.

Nós ficamos tristes de ter perdido o Alfred e a Mika estava com uma mulher que queria doar, então resolvemos ficar com ela”, conta a adolescente. A irmã, Lara, acrescenta que um animal não substitui o outro, mas o importante é dar um lar feliz para todos.

Evento teve concursos nas categorias  mais adestrado, mais parecido com o dono, mais fantasiado, maio e menor cão.Evento teve concursos nas categorias mais adestrado, mais parecido com o dono, mais fantasiado, maio e menor cão.

O analista Carlos Henrique Monteiro é voluntário da ONG “Abrigo dos Bichos”. A experiência na organização mostra que que muita gente ainda pensa em um cão de raça quando quer adotar. O receio, segundo ele, é de que os cães vira-latas ou com histórico de abandono tenham alguma doença. “Muitas pessoas vem buscar animais para adoção e quando percebem que só tem vira-latas já vão embora. Eles não têm a cara de pau de perguntar se tem cão de raça, mas muitas vezes acabam desistindo da adoção”, comenta.

No total, 180 cães participaram da Cãominhada, que terminou com o concurso do 1º Encontro de Vira-Latas nas categorias mais adestrado, mais parecido com o dono, mais fantasiado, maio e menor cão.

Amor antigo - Há 15 anos, a vida da fisioterapeuta Hana Nakkoud começou a mudar por completo e os cães são os coadjuvantes dessa história que envolveu a família toda. Hana estava com depressão e foi orientada a adotar um animal de estimação. Hoje já são 12.

A recomendação do psiquiatra foi um marco na vida dela. A filha, Julie Rose, 15 anos, nasceu na época em que a mãe adotou os primeiros cães. Desde então, todos se engajaram na luta pelos animais, inclusive, o esposo que foi aos poucos se acostumando com os cães em casa.

A família gasta R$ 600,00 por mês somente com 50 quilos de ração para a bicharada. Mesmo assim, esboça um sorriso largo de satisfação e diz que sustentar essa turma toda é um “sacrifício” diferente que só aumenta a alegria da família.

Mika e as irmãs Isadora e Lara Bordigno.Mika e as irmãs Isadora e Lara Bordigno.



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.